Ciclo da Natividade

Paula Rego e os quadros de Belém

| 9 Jun 2022

Quatro dos oito temas do “Ciclo da Vida da Virgem Maria”, de Paula Rego, onde se vê “Pietá” (o segundo à direita). Da esquerda para a direita, na Capela do Palácio de Belém, em Lisboa, veem-se ainda “Fuga para o Egito”, “Lamentação aos pés da Cruz” e “Assunção”. Foto © José Manuel/Museu da Presidência da República.

Quatro dos oito temas do “Ciclo da Vida da Virgem Maria”, de Paula Rego, onde se vê “Pietá” (o segundo à direita). Da esquerda para a direita, na Capela do Palácio de Belém, em Lisboa, veem-se ainda “Fuga para o Egito”, “Lamentação aos pés da Cruz” e “Assunção”. Foto © José Manuel/Museu da Presidência da República.

 

Tive o gosto de conhecer Paula Rego no Palácio de Belém por duas vezes: em almoço que o Presidente Jorge Sampaio promoveu para homenagear Paula Rego e após o qual fiquei a contemplar os quadros e escrevi para o Público um artigo (seria inserido no livro Narração de autêntica religiosidade. In Paula Rego: Ciclo da vida da Virgem Maria. Capela do Palácio de Belém. Lisboa: Museu da Presidência da República, 2006, pp. 34-39, bem como no meu livro Estudos de iconografia cristã). A outra vez foi na despedida do Presidente, com inauguração do retrato, realizado por Paula Rego. Convidou-me para dizer breves palavras sobre os quadros e como verifiquei que todos os muitos convidados tinham na mão um postal com a Pietà, apenas comentei essa obra.

De facto, no espaço do antigo oratório do Palácio de Belém, a imaginação criativa de Paula Rego (1935-2022) recontou as histórias de Maria de Nazaré, em oito quadradinhos [54×52 cm]. São imagens que necessitam de contemplação, de que deixemos pousar o nosso olhar nos quadros até sermos surpreendidos pela visão das pinturas sobre nós. Consciente de que está lá muito mais do que eu consegui descortinar, na brevidade do convívio com a obra, aqui deixo algumas impressões.

A obra está colocada em espaço estreito, orientado para um altar encostado à parede e encimado por uma pintura com a representação clássica do Presépio, tema muito apropriado para o título da casa. A procura da luz convida-nos a olhar o teto, de decoração leve e airosa. O lugar hoje não é litúrgico, mas está integrado num circuito museológico. Os oito pequenos quadros de Paula Rego distribuem-se quatro de cada lado das paredes laterais, emoldurados por um breve e singelo bordo dourado. O ciclo temático da Vida de Maria de Nazaré desenvolve-se na seguinte ordem: do lado direito, a partir do altar: Anunciação, Parto de Maria, Adoração do Menino Jesus e Purificação no Templo; do outro lado, a partir do fundo: Fuga para o Egipto, Lamentação ao pé da cruz, Pietà e Assunção.

Apenas comento os dois últimos quadros: o da Pietà, que atinge, a meu ver, o auge de todo o conjunto, e o da Assunção. 

Na Pietà, Maria está sentada, de saia roxa, agarrando com as mãos o peito do filho, apertado ao seu colo. O corpo muito hirto do jovem filho (o modelo de 12 anos é amigo da neta) ocupa a diagonal do espaço inferior. Maria imagina ter nos braços o sempre ‘menino de sua mãe’ até aceitar com coragem que o servo da liberdade jaz no seu colo. A cor sanguínea da metade superior do quadro dramatiza, de modo sublime, a inquietação da hora. Nesse fundo, a cabeça de Maria, deitada para trás, atira no olhar um porquê terrível para o Alto que a lançou na aventura deste projeto. Daí veio a mensagem para uma maternidade carregada de salvação, afinal ali impiedosamente contradita. A aurora do fundo adivinha o oitavo dia da nova criação.

Na Assunção vemos um anjo muito jovem, cujo modelo parece ser o mesmo da anterior figura de Cristo, que avança pelo céu, com a figura de Maria pousando as costas nas suas, mas hirta e vestida de negro como senhora de idade, com os braços abertos em abandono incrível, como foi a disponibilidade revelada na aceitação da mensagem do quadro em frente (Anunciação). Há uns tons de verde, semeados no quadro, que me convocam para a renovação da esperança. Uma mulher forte acolheu o mistério da vida com totalidade. Teologicamente, quem atira Maria para o céu é Cristo. Cristo, de facto, é o anjo, o mensageiro de uma salvação que passa pelo dom corajoso da vida e chega ao rasgo eterno.

Quatro dos oito temas do “Ciclo da Vida da Virgem Maria”, de Paula Rego. Da esquerda para a direita: “Anunciação”, “Natividade”, “Adoração” e “Purificação no Templo”. Lisboa, Palácio Nacional de Belém, Capela. Foto © José Manuel/Museu da Presidência da República.

Quatro dos oito temas do “Ciclo da Vida da Virgem Maria”, de Paula Rego. Da esquerda para a direita: “Anunciação”, “Natividade”, “Adoração” e “Purificação no Templo”. Lisboa, Palácio Nacional de Belém, Capela. Foto © José Manuel/Museu da Presidência da República.

 

Paula Rego atinge, com este ciclo mariano, uma provocante transparência religiosa, onde o entusiasmo da criança inunda de imaginação as cenas narradas e onde as feridas da vida espalham inocência livre e desajeitada. Claro exercício ascético é este de condensar a sua história nos rostos, nas expressões, nos gestos e nas vestes das figuras selecionadas, em amalgamado jogo de abertura a uma transcendência percebida na encarnação histórica, como é a cristã. 

A transparência da autêntica religiosidade deste ciclo é, a meu aviso, um passo feliz na difícil tarefa de representar e comunicar o mistério do ser humano. Inquieta-nos sobre o sentido da vida e põe-nos no umbral do Mistério, atraídos por uma beleza interpelante.

Carlos Moreira Azevedo é bispo, delegado para os Bens Culturais no Dicastério Cultura e Educação, do Vaticano, e autor do livro Estudos de iconografia cristã. 

 

Os silêncios de Pio XII foram uma escolha – e que custos teve essa opção?

“A Lista do Padre Carreira” debate

Os silêncios de Pio XII foram uma escolha – e que custos teve essa opção? novidade

Os silêncios do Papa Pio XII durante aa Segunda Guerra Mundial “foram uma escolha”. E não apenas no que se refere ao extermínio dos judeus: “Ele também não teve discursos críticos sobre a Polónia”, um “país católico que estava a ser dividido pelos alemães, exactamente por estar convencido de que uma tomada de posição pública teria aniquilado a Santa Sé”. A afirmação é do historiador Andrea Riccardi, e surge no contexto da reportagem A Lista do Padre Carreira, que será exibida nesta quarta-feira, 31 de Maio, na TVI, numa parceria entre a estação televisiva e o 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

JMJ realizou em 2022 metade das receitas que tinha orçamentado

A Fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 obteve no ano passado rendimentos de 4,798 milhões de euros (menos de metade do previsto no seu orçamento) e gastos de 1,083 milhões, do que resultaram 3,714 milhões (que comparam com os 7,758 milhões de resultados orçamentados). A Fundação dispunha, assim, a 31 de dezembro de 2022, de 4,391 milhões de euros de resultados acumulados em três anos de existência.

Debate em Lisboa

Uma conversa JMJ “conectada à vida”

Com o objectivo de “incentivar a reflexão da juventude” sobre “várias problemáticas da actualidade, o Luiza Andaluz Centro de Conhecimento (LA-CC), de Lisboa, promove a terceira sessão das Conversas JMJ, intitulada “Apressadamente conectadas à vida”.

“É o fim da prisão perpétua para os inimputáveis”, e da greve de fome para Ezequiel

Revisão da lei aprovada

“É o fim da prisão perpétua para os inimputáveis”, e da greve de fome para Ezequiel novidade

Há uma nova luz ao fundo da prisão para Ezequiel Ribeiro – que esteve durante 21 dias em greve de fome como protesto pelos seus já 37 anos de detenção – e também para os restantes 203 inimputáveis que, tal como ele, têm visto ser-lhes prolongado o internamento em estabelecimentos prisionais mesmo depois de terminado o cumprimento das penas a que haviam sido condenados. A revisão da lei da saúde mental, aprovada na passada sexta-feira, 26 de maio, põe fim ao que, na prática, resultava em situações de prisão perpétua.

Especialistas mundiais reunidos em Lisboa para debater “violência em nome de Deus”

30 e 31 de maio

Especialistas mundiais reunidos em Lisboa para debater “violência em nome de Deus” novidade

A Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL) acolhe esta terça e quarta-feira, 30 e 31 de maio, o simpósio “Violence in the Name of God: From Apocalyptic Expectations to Violence” (em português, “Violência em Nome de Deus: Das Expectativas Apocalípticas à Violência”), no qual participam alguns dos maiores especialistas mundiais em literatura apocalíptica, história da religião e teologia para discutir a ligação entre as teorias do fim do mundo e a crescente violência alavancada por crenças religiosas.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This