Pax Christi organiza concurso para jovens artistas sobre fim das armas nucleares

| 12 Mai 2021

concurso pax christi

Os melhores vídeos ou obras de arte digitais a concurso serão apresentados numa exposição online que a Pax Christi International organizará em agosto. Foto © Pax Christi International.

 

A Pax Christi International lançou uma campanha dirigida a jovens artistas, convidando-os a contribuir de forma criativa para o “esforço de finalmente nos livrarmos das armas nucleares”. A convocatória, aberta até 15 de julho, propõe aos interessados que criem um vídeo ou uma obra de arte digital com o objetivo de convencer os estados que não aderiram ao tratado de proibição das armas nucleares a fazê-lo o mais rápido possível.

O tratado sobre a proibição deste tipo de armamento entrou em vigor a 22 de janeiro último, depois de ter sido ultrapassado o limiar de 50 países a aderir ao projeto de um mundo sem armas nucleares (esse número é atualmente de 54 países, entre os quais nenhum dos detentores desse tipo de armas). No movimento que levou as Nações Unidas a aprovar a medida estiveram muitas dezenas de organizações da sociedade civil, entre as quais a Pax Christi.

Os interessados podem participar na campanha de duas maneiras diferentes: produzindo um vídeo, gráfico animado ou gráfico em movimento; ou criando uma obra de arte digital imóvel (gráfico ou fotografia, por exemplo). Um júri internacional analisará todas as inscrições e escolherá um vencedor em cada uma das duas opções.

O vencedor do primeiro grupo receberá 250 euros, enquanto que o vencedor do segundo grupo receberá 150 euros. As contribuições que ganharem, assim como as 10 melhores submissões, serão apresentadas numa exposição online que a Pax Christi International organizará em agosto.

Para obter mais informações, consultar o edital do concurso e, em caso de necessidade, contactar Chiara Maistri, assistente de comunicações da Pax Christi International, através do e-mail artistforpeace@paxchristi.net.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This