Etiópia

Paz no Tigré dá passos desde novembro

| 4 Fev 2023

Sepulturas em massa descobertas em Maikadra. Os corpos foram trasladados para o cemitério de uma igreja, depois de orações. Foto © Yonatan Zebdeows, Domínio público, via Wikimedia Commons.

Sepulturas em massa descobertas em Maikadra. Os corpos foram trasladados para o cemitério de uma igreja, depois de cerimónia religiosa. Foto © Yonatan Zebdeows, Domínio público, via Wikimedia Commons.

 

Foi o primeiro encontro entre as partes aquele que esta sexta-feira, 3, juntou à mesma mesa os dirigentes do Tigré e o Governo etíope, depois do acordo de paz bilateral assinado em novembro último.

Segundo a empresa etíope de radiotelevisão estatal, as partes avaliaram as medidas até agora tomadas para concretizar os acordos assinados em Pretória e Nairobi, e discutiram as ações que requerem atenção, no novo quadro.

Entre as decisões tomadas pelo governo de Adis Abeba, como resultado do encontro, destacam-se o reforço de voos para o Tigré, o funcionamento de instituições bancárias e outras medidas entendidas como necessárias para que a confiança e a normalização se possam restabelecer.

Depois de dois anos de guerra que devastaram o Tigré, no Norte da Etiópia, o acordo de paz celebrado em 2 de novembro do ano findo prevê o desarmamento dos rebeldes, a restauração da autoridade federal e outras medidas que facilitem a vida dos cidadãos.

De acordo com o jornal canadiano La Presse, que avança estas informações, a situação no Tigré está ainda longe de se poder considerar normalizada. Desde logo, o conflito sangrento provocou a deslocação de mais de dois milhões de habitantes, muitos dos quais em condições que ameaçam as suas vidas. Depois, estão ainda vivas as feridas do conflito que terá sido palco de crimes de guerra de ambos os lados. Além disso, na região e zonas de acesso continuam presentes forças da vizinha Eritreia que têm cometido “atrocidades”, segundo denúncias veiculadas pelos rebeldes do Tigré.

 

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This