Pecadores impenitentes e pequenas epifanias

| 5 Dez 18

Claudio Magris, Instantâneos
Lisboa: Quetzal, 2018
Tradução de Sara Ludovico

É a fotografia que empresta o título ao mais recente livro editado em Portugaldo escritor italiano Claudio Magris. Ele socorre-se, aliás, do Grande Dicionário da Língua Italiana para, logo no início de Instantâneos, explicar que o instantâneo é “obtido com um tempo de exposição muito curto, sem recurso a outros suportes”. A atenção do escritor dirige-se, pois, para pequenos acontecimentos quotidianos, susceptíveis de oferecer uma concisa reflexão ética, uma moralidade breve.

O tom dos cerca de cinquenta textos breves nunca é doutrinário e a ironia é frequente – como quando, por exemplo, conta uma história passada em Nova Iorque, na Galeria de Leo Castelli. Para contestar uma sentença judicial que condenou um artista por obscenidade, os quadros da exposição que a galeria apresenta estão cobertos por um pano preto. A certa altura, conta Claudio Magris, uma jovem, desconhecendo as marcas de protesto, vai olhando atentamente para esses panos pretos – “afasta-se e aproxima-se para observar melhor” – que parecem agradá-la e convencê-la.

Assaz divertida é também a história protagonizada por “um ilustre matemático dedicado a inalcançáveis estudos ultraespecializados” que foi dar um curso ao Collège de France. Tem sempre a sala cheia. Tal parece incompreensível pois aquilo que diz é imperceptível. A assistência não é, todavia, do género da jovem da exposição nova-iorquina, agradada e convencida, mas não vale a pena antecipar aqui a razão do sucesso do matemático.

Embora os dois exemplos citados se tenham localizado em Nova Iorque e Paris, é na Trieste natal, ou nos seus arredores, que o escritor testemunha grande parte dos episódios descritos nos instantâneos. É o caso da missa pascal em Aurisina, uma localidade situada no planalto do Carso, na zona de Trieste, que oferece a Claudio Magris um pretexto para falar do “pecado de azedume”. Socorre-se de Máximo, o Confessor, teólogo e mártir cristão do século VII, para, com ele, afirmar “que a taciturnidade e a tristeza escondem por vezes um rancor consciente ou inconsciente”. Recorda o escritor que “as grandes fés religiosas conhecem bem o abismo da dor, o suor de sangue do desespero, mas não se demoram neles, antes amam a alegria: a serenidade budista, a letícia franciscana, o Vidente de Lublin, um santo hebraico-oriental, que gostava de pecadores impenitentes porque esses, apesar das quedas, conservavam intacta a alegria”.

Como muito bem assinalava o diário Corriere della SeraInstantâneos oferece ao leitor “pequenas epifanias quotidianas que iluminam o presente”.

Breves

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

Outras margens

Cultura e artes

Monumento e jardim aberto ao público

Capela dos Coimbras, aberta ao público, quer ser “ex-líbris” de Braga novidade

A capela privada mais antiga de Braga, localizada no centro histórico da cidade e que está classificada como monumento nacional, abriu ao público esta quarta-feira, 28 de julho. Os seus proprietários querem torná-la um ponto de paragem obrigatório de Braga, “quer pelo valor patrimonial e artístico que encerra, quer pelo seu jardim com esplanada, onde a partir de agora é possível usufruir do espaço, assistir a concertos e outras iniciativas culturais ou tomar alguma refeição ligeira.

Música, património e natureza

Festival Terras sem Sombra revisita herança judaica em Castelo de Vide novidade

O Festival Terras sem Sombra apresenta, na Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa (31 de Julho, 21h30), o concerto pelo reputado Utopia Ensemble, que interpreta obras da polifonia europeia. O festival junta as memórias judaicas de Castelo de Vide, revisitadas na acção de património (31 de Julho, 15h), e as deslumbrantes paisagens da Serra de S. Mamede (1 de Agosto, 9h30), com a rica biodiversidade deste território por horizonte.

Pessoas

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal?

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This