Pedro Casaldáliga e os novos caminhos para o Brasil (e não só)

| 30 Ago 20

Pedro Casaldáliga numa imagem dos últimos anos, já doente. Foto: Direitos reservados.

 

1. Sublinho a importância dos artigos publicados no 7MARGENS [N. R.: o obituário, a opinião de Eugénio Fonseca, e a memória de Manuel Abreu], a propósito do falecimento de D. Pedro Casaldáliga. E, a propósito, pareceu-me oportuno lembrar umas férias pessoais de 1968, transformadas em missão ao Nordeste brasileiro no âmbito da Ação Católica Rural (ACR).

Percorri várias localidades, rurais e urbanas, contactei um sem número de militantes da ACR e de outros movimentos e organizações, falei com D. Helder Câmara, D. António Fragoso, com outras figuras da hierarquia eclesial e com representantes de organismos públicos e outras entidades.

O ambiente sociopolítico era bastante contraditório: decorriam obras várias que exibiam um “desenvolvimentismo” quase impressionante proveniente, em parte, da governação anterior, contrastando com as desigualdades sociais gritantes, a  pobreza do campesinato e de outros estratos sociais; a opressão coexistia com algumas tentativas de participação e de promoção do associativismo; os grandes latifúndios tanto revestiam a forma de poder intrinsecamente desumano como denotavam um certo paternalismo “cristão”.

Tive oportunidade de assistir a uma celebração litúrgica, num destes últimos, cujos trabalhadores/as quase faziam parte da fazenda. Em determinada altura cantaram: “prova de amor maior não há do que dar a vida pelo irmão”; e este cântico, entoado muito sentidamente, evocava pessoas concretas que tinham doado as suas  vidas pelos irmãos…

 

2. A minha experiência no Brasil, em 1968, deixou bem claro o imperativo de três patamares de intervenção sociopolítica, aderindo ou não à Teologia da Libertação: o básico ou interpessoal, no qual se situam as famílias, outras relações de proximidade e as comunidades de base; o intermédio, ou dos “corpos intermédios”, próprio das diferentes associações, movimentos e instituições não públicas; e o estatal (cf. os nºs. 51-67 da encícica Mater et Magistra, 1961, de João XXIII).

No Nordeste brasileiro, em 1968, esboçavam-se as comunidades de base – inseridas no primeiro patamar; também se verificava um considerável dinamismo de participação em associações diversas, cooperativas, sindicatos e outros movimentos – segundo patamar. No que se refere ao Estado – terceiro patamar – verificavam-se duas realidades embaraçosas: a vertente apresentada como progressista, voltada para o desenvolvimento, para a participação e até para um certo diálogo na procura de soluções para os problemas socioeconómicos; a par da vertente repressiva, bastante ocultada, embora visível, e iludindo uma parte considerável da opinião pública. Não havia unanimidade no interior da Igreja, acontecendo até que um dos bispos, que visitei, era vítima de perseguição mediática liderada por um padre da sua diocese. Os movimentos campesinos de base, incluindo a luta pela posse da terra, realizavam um trabalho notável, marcado pelo diálogo na procura de entendimentos e de atuações tão eficazes quanto possível.

Casaldáliga com um indígena. Foto: Direitos reservados.

 

3. Os anos subsequentes mantiveram estas linhas de ação, trouxeram a democratização, mais tarde, e não melhoraram significativamente a relação entre os referidos três patamares de ação/intervenção sociopolítica: as comunidades de base não conseguiram a expansão e aprofundamento que se esperava; os “corpos intermédios” não obtiveram a autonomia nem a disponibilidade suficientes para cooperarem com as comunidades de base; e o Estado não encontrou maneira de cooperar com os “corpos intermédios” e com as comunidades de base, a favor de um desenvolvimento justo e integral.

Para além – e no agravamento – de tudo isso, o Estado não se libertou da influência do poder económico nem de outros constrangimentos tradicionais, receando-se agora que esteja a perigar, novamente, a sua base democrática. No âmbito eclesial, é discutível que o laicado tenha encontrado a sua identidade sociopolítica, assumindo o pluralismo de posições no seu interior, procurando as convergências possíveis e influenciando no mesmo sentido a sociedade, a economia e a vida política. De certo modo, o impasse político e eclesial, na vertente laical, vivido no Brasil, não difere muito do vivido em Portugal e noutros países.

 

4. O estudo e a reflexão operativa do legado de Pedro Casaldáliga, procurando a respetiva atualização, pode ser fundamental na procura de novos caminhos para o futuro, não só no Brasil; parece evidente que estes caminhos não poderão passar à margem dos dinamismos de base, intermédios e estatais. E também parece óbvio o imperativo da harmonização possível entre o diálogo, em todas as frentes, e as transformações estruturais que vêm sendo adiadas.

 

Acácio F. Catarino

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – Quem dá o pão…

Segunda leitura – Quem dá o pão…

A reportagem era sobre as saudades da escola, sobre a falta que ela fazia. Melhor: sobre a falta que dela se sentia. Que não é exatamente a mesma coisa, mas adiante… Claro que sim, claro que sentiam a falta, meninas e meninos a uma só voz, e de quê?, pois de tudo, de estar com os amigos, de aprender muitas coisas novas, de estar com os amigos, de jogar e brincar no recreio, de estar com os amigos outra vez…

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

Que futuro, Iémen? novidade

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

A sociedade e os idosos

Ao longo do último ano, tempo em que já dura a dolorosa pandemia que nos tem retido confinados, embora pelos piores motivos muito se tem falado dos que vivem em residências para idosos. Antes da covid-19, pelo que nos é dado agora saber, uma boa parte dos cidadãos e dos políticos parece que pouco ou nada sabiam do que se passava nestas instituições, quer nas clandestinas quer nas comparticipadas pelo Estado.

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This