Pedro Casaldáliga e os novos caminhos para o Brasil (e não só)

| 30 Ago 20

Pedro Casaldáliga numa imagem dos últimos anos, já doente. Foto: Direitos reservados.

 

1. Sublinho a importância dos artigos publicados no 7MARGENS [N. R.: o obituário, a opinião de Eugénio Fonseca, e a memória de Manuel Abreu], a propósito do falecimento de D. Pedro Casaldáliga. E, a propósito, pareceu-me oportuno lembrar umas férias pessoais de 1968, transformadas em missão ao Nordeste brasileiro no âmbito da Ação Católica Rural (ACR).

Percorri várias localidades, rurais e urbanas, contactei um sem número de militantes da ACR e de outros movimentos e organizações, falei com D. Helder Câmara, D. António Fragoso, com outras figuras da hierarquia eclesial e com representantes de organismos públicos e outras entidades.

O ambiente sociopolítico era bastante contraditório: decorriam obras várias que exibiam um “desenvolvimentismo” quase impressionante proveniente, em parte, da governação anterior, contrastando com as desigualdades sociais gritantes, a  pobreza do campesinato e de outros estratos sociais; a opressão coexistia com algumas tentativas de participação e de promoção do associativismo; os grandes latifúndios tanto revestiam a forma de poder intrinsecamente desumano como denotavam um certo paternalismo “cristão”.

Tive oportunidade de assistir a uma celebração litúrgica, num destes últimos, cujos trabalhadores/as quase faziam parte da fazenda. Em determinada altura cantaram: “prova de amor maior não há do que dar a vida pelo irmão”; e este cântico, entoado muito sentidamente, evocava pessoas concretas que tinham doado as suas  vidas pelos irmãos…

 

2. A minha experiência no Brasil, em 1968, deixou bem claro o imperativo de três patamares de intervenção sociopolítica, aderindo ou não à Teologia da Libertação: o básico ou interpessoal, no qual se situam as famílias, outras relações de proximidade e as comunidades de base; o intermédio, ou dos “corpos intermédios”, próprio das diferentes associações, movimentos e instituições não públicas; e o estatal (cf. os nºs. 51-67 da encícica Mater et Magistra, 1961, de João XXIII).

No Nordeste brasileiro, em 1968, esboçavam-se as comunidades de base – inseridas no primeiro patamar; também se verificava um considerável dinamismo de participação em associações diversas, cooperativas, sindicatos e outros movimentos – segundo patamar. No que se refere ao Estado – terceiro patamar – verificavam-se duas realidades embaraçosas: a vertente apresentada como progressista, voltada para o desenvolvimento, para a participação e até para um certo diálogo na procura de soluções para os problemas socioeconómicos; a par da vertente repressiva, bastante ocultada, embora visível, e iludindo uma parte considerável da opinião pública. Não havia unanimidade no interior da Igreja, acontecendo até que um dos bispos, que visitei, era vítima de perseguição mediática liderada por um padre da sua diocese. Os movimentos campesinos de base, incluindo a luta pela posse da terra, realizavam um trabalho notável, marcado pelo diálogo na procura de entendimentos e de atuações tão eficazes quanto possível.

Casaldáliga com um indígena. Foto: Direitos reservados.

 

3. Os anos subsequentes mantiveram estas linhas de ação, trouxeram a democratização, mais tarde, e não melhoraram significativamente a relação entre os referidos três patamares de ação/intervenção sociopolítica: as comunidades de base não conseguiram a expansão e aprofundamento que se esperava; os “corpos intermédios” não obtiveram a autonomia nem a disponibilidade suficientes para cooperarem com as comunidades de base; e o Estado não encontrou maneira de cooperar com os “corpos intermédios” e com as comunidades de base, a favor de um desenvolvimento justo e integral.

Para além – e no agravamento – de tudo isso, o Estado não se libertou da influência do poder económico nem de outros constrangimentos tradicionais, receando-se agora que esteja a perigar, novamente, a sua base democrática. No âmbito eclesial, é discutível que o laicado tenha encontrado a sua identidade sociopolítica, assumindo o pluralismo de posições no seu interior, procurando as convergências possíveis e influenciando no mesmo sentido a sociedade, a economia e a vida política. De certo modo, o impasse político e eclesial, na vertente laical, vivido no Brasil, não difere muito do vivido em Portugal e noutros países.

 

4. O estudo e a reflexão operativa do legado de Pedro Casaldáliga, procurando a respetiva atualização, pode ser fundamental na procura de novos caminhos para o futuro, não só no Brasil; parece evidente que estes caminhos não poderão passar à margem dos dinamismos de base, intermédios e estatais. E também parece óbvio o imperativo da harmonização possível entre o diálogo, em todas as frentes, e as transformações estruturais que vêm sendo adiadas.

 

Acácio F. Catarino

 

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

A Igreja Católica assinala neste domingo, 18 de Outubro, o Dia Mundial das Missões. A esse propósito e com esse pretexto, o padre Tony Neves, dos Missionários Espiritanos, escreveu uma análise da Fratelli Tutti em chave missionária. A nova encíclica do Papa Francisco, divulgada há duas semanas, já foi objecto de várias leituras no 7MARGENS. Tony Neves considera-a “um texto inspirador para estes tempos de pandemia mundial”. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Papa aceita demissão de bispo polaco acusado de encobrir abusos sexuais novidade

O Papa Francisco aceitou o pedido de resignação de Edward Janiak, bispo de Kalisz (Polónia), depois de, no passado mês de junho, ter ordenado o seu afastamento da diocese por suspeitas de encobrimento de abusos sexuais de menores. A renúncia de Janiak, aos 68 anos, sete anos antes do previsto no Código de Direito Canónico, sugere que as suspeitas se terão confirmado.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Comissão Justiça e Paz questiona destino dos 500 milhões de euros da Educação no OE 2021 novidade

A Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP), da Igreja Católica, diz, a propósito do Pacto Global para a Educação, proposto pelo Papa Francisco na quinta-feira, 15 de Outubro, que na proposta de Orçamento do Estado para 2021, a Educação ganha “cerca de 500 milhões de euros”, a maior parte dos quais destinados à “universalização da escola digital”, mas questiona quem são os destinatários desses esforços.

Cancelada a edição 2020 do Presépio de Priscos novidade

A edição de 2020-21 do Presépio de Priscos foi cancelada por causa da pandemia de covid-19, informou a organização, liderada pelo padre João Torres, responsável daquela paróquia dos arredores de Braga, em comunicado enviado ao 7MARGENS.

Duas igrejas incendiadas no Chile durante protestos contra o Governo

A uma semana do processo eleitoral mais importante das últimas três décadas no Chile, que definirá o destino da Constituição vigente desde 1980, e um ano depois das revoltas sociais de outubro de 2019, pelo menos 25 mil pessoas voltaram este domingo, 18 de outubro, às ruas da capital, Santiago, manifestando-se contra o Governo. No meio dos protestos, duas igrejas do centro da cidade foram incendiadas: a Igreja da Assunção, uma das mais antigas da capital, e a Igreja de São Francisco de Borja

França mobiliza-se em luto contra decapitação de professor

Líderes dos principais partidos políticos, associações e sindicatos manifestaram-se na tarde de domingo, 18, em muitas cidades francesas (Paris, Lyon, Toulouse, Estrasburgo, Nantes, Marselha, Lille, Bordéus, por exemplo), condenando o atentado que vitimou, sexta-feira passada, o professor de História e Geografia Samuel Paty, decapitado na rua quando regressava a casa, do colégio onde ensinava.

Papa nomeia responsável da Causa dos Santos e novo membro do Conselho dos Cardeais

O Papa Francisco nomeou Marcello Semeraro, até agora bispo de Albano, para o cargo de prefeito da Congregação das Causas dos Santos, substituindo o cardeal Giovanni Angelo Becciu, que renunciou ao cargo a 24 de Setembro, na sequência das acusações sobre o seu envolvimento em escândalos financeiros. Semeraro, 72 anos, era, desde 2013, secretário do Conselho de Cardeais.

Entre margens

Dormir com o inimigo novidade

O segmento evangélico americano pautou-se durante largas décadas por ensinar aos fiéis a integridade pessoal. A lógica era que o homem nascido de novo (born again) seria transformado à imagem de Cristo e viveria uma nova ética, sendo bom cidadão, bom profissional, parte duma família funcional, promotor da paz e cultivando o amor e o perdão para com o seu semelhante. Billy Graham foi o seu profeta maior, com uma postura de integridade e semeando uma mensagem de esperança num mundo do pós-guerra, devastado física e moralmente.

Eliminar a pobreza, sanar o tecido social

Voltou a haver pobreza em Portugal como não havia, diz-se, desde há 100 anos. Não sei se será bem assim, mas que há mais pobreza, há. Vê-se muito mais gente nas ruas a pedir ajuda, envergonhada, aviltada, desconfortável com a sua nova situação. Gente que, talvez até há menos de um ano, não esperava chegar ao ponto de se ver obrigada a ir para a rua pedir para comer. Frequentemente, gente de meia-idade ou bem mais velha.

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco