Pedro Casaldáliga, o bispo dos esquecidos

| 14 Ago 20

Pedro Casaldáliga: “Sou bispo para vós, sou cristão convosco.” Foto: Direitos reservados

 

Era assim que o bispo emérito de S. Félix do Araguaia (Mato Grosso, Brasil) gostava que se referissem a ele. A 8 de agosto passado, aos 92 anos, deixou este mundo alcançando a “libertação plena”.

Não poderia ser senão assim, para quem fez da “libertação” o seu desígnio episcopal. Foi um defensor da Teologia da Libertação. A sua ligação inequívoca aos criadores e fomentadores desta corrente foi muito contestada pelos que não a consideram uma verdadeira teologia, mas um conjunto de teorias marxistas. Esta desarmonia resulta de equívocos gerados por desconhecimento dos fundamentos em que assenta esta outra leitura contextualizada da Palavra Revelada ou por formas diferentes de ver o sentido da libertação cristã e da missão da Igreja na defesa da justiça e da solidariedade.

Há ainda muito caminho por andar no entendimento a ter do alcance dos conteúdos desta teologia, dos aproveitamentos oportunistas que dela alguns fizeram, desvirtuando-a, da clarificação de algumas teorias que têm suscitado interpretações exegéticas mais complexas e do perigo de se assumirem esses conteúdos como o ápice da teologia em geral. Mas o que importa, quanto a mim, no que ao bispo Casaldáliga diz respeito, é que o seu maior investimento eclesial foi impulsionado pelo Espírito Santo, no anúncio da Boa Nova aos pobres; no proclamar a liberdade aos presos; no recuperar a vista aos cegos e no libertar os oprimidos (cf. Lc 4, 18). Libertação foi o mote da sua ação pastoral e, melhor ainda, do seu testemunho como homem-cristão-bispo.

Isso se pode intuir de um dos seus poemas lembrados por António Marujo no 7MARGENS, que diz o seguinte:

“Não ter nada.
Não levar nada.
Não poder nada.
Não pedir nada.
E, de passagem,
não matar nada;
não calar nada.
Somente o Evangelho, como uma faca afiada.
E o pranto e o riso no olhar.
E a mão estendida e apertada.
E a vida, a cavalo, dada.

E este sol e estes rios e esta terra comprada,
como testemunhas da Revolução já estalada.

E mais nada!

Impressionou-me, na medida em que o fui conhecendo, no seu modo de viver que aponta para a libertação de estilos faustosos e dispendiosos, apelando a uma vida simples e sóbrio. A libertação da posse de bens terrenos expressa num total desprendimento dos mesmos. A forma como exercia o seu ministério episcopal, aplicando a si mesmo a explicitação dada por Santo Agostinho quando num dos seus sermões afirmou: Sou bispo para vós, sou cristão convosco (Sermão 340, 1: PL 38, 1483-1484). Ou seja, a libertação de qualquer forma de autoritarismo e fundamentalismo, sentindo-se irmão dos demais; a libertação de interesses egoístas e corporativos, colocando o mandato que recebera da Igreja ao serviço dos mais desprotegidos.

Nada pedia para si, mas nunca se esquivou a pedir para os mais frágeis, sobretudo o respeito pelos seus direitos fundamentais, com particular atenção aos indígenas de quem foi um incondicional defensor. O cuidado para que as ações que praticava não levassem à anulação dos dons de alguém, fazia com que potenciasse o que de melhor as pessoas tinham, proporcionando a libertação dos humilhados pelo poder político ou patronal, dos esquecidos do valor da sua dignidade.

Com muita coragem, recusou-se a calar a sua voz na defesa dos oprimidos, gritou bem alto, por palavras e ações, a libertação de todos eles e de todos as formas de opressão. Como sempre tem acontecido com outros cristãos que fazem as mesmas opções, os incomodados com ele, preferiram atribuir-lhe motivações marxistas, apelidando-o de “bispo vermelho”, quando só a leitura radical do Evangelho o levava a ser coerente com o anúncio da Boa Nova.

Pelas perseguições e atentados à própria vida que sofreu foi mais um mártir, apesar de não ter derramado sangue do tipo RH, mas não pode deixar de verter muito daquele que só brota da alma. Com um coração prenhe de compaixão comungava a vida do povo, pobre e sofrido, nas horas de alegria, mas sobretudo nas de dor, ajudando-os a alcançarem uma libertação interior que fez de muita dessa humilde gente pessoas fortes na tristeza e gratas nos sucessos.

Pertenceu à Congregação dos Filhos do Imaculado Coração de Maria, uma das que, em Portugal, muito estimo pela influência cristã que tiveram na minha infância e juventude. Rejubilo com todos os cordimarianos por um dos seus ser fiel discípulo de Jesus e amar o coração simples e generoso de Maria de Nazaré. O bispo Pedro Casaldáliga viveu, pondo-se a caminho apressadamente (cf. Lc 1, 39) sempre que era necessário ir ajudar alguém em dificuldades.

Casaldáliga foi um intrépido defensor da Casa Comum, incorporando, desde há muito, o apelo deixado por Francisco na Laudato Si’ de que é urgente a prática de uma ecologia integral.

Não sei se este profeta do nosso tempo, um dia, será elevado aos altares. Sei que fica como uma referência para quem se decide a seguir Jesus, o maior e mais credível arauto da autêntica libertação.

 

Eugénio Fonseca é presidente da Cáritas Portuguesa

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – Quem dá o pão…

Segunda leitura – Quem dá o pão…

A reportagem era sobre as saudades da escola, sobre a falta que ela fazia. Melhor: sobre a falta que dela se sentia. Que não é exatamente a mesma coisa, mas adiante… Claro que sim, claro que sentiam a falta, meninas e meninos a uma só voz, e de quê?, pois de tudo, de estar com os amigos, de aprender muitas coisas novas, de estar com os amigos, de jogar e brincar no recreio, de estar com os amigos outra vez…

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

Que futuro, Iémen? novidade

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

A sociedade e os idosos

Ao longo do último ano, tempo em que já dura a dolorosa pandemia que nos tem retido confinados, embora pelos piores motivos muito se tem falado dos que vivem em residências para idosos. Antes da covid-19, pelo que nos é dado agora saber, uma boa parte dos cidadãos e dos políticos parece que pouco ou nada sabiam do que se passava nestas instituições, quer nas clandestinas quer nas comparticipadas pelo Estado.

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This