Comissão será divulgada dia 2

Pedro Strecht escolhido pelos bispos para liderar investigação aos abusos

| 1 Dez 2021

Pedro Strecht. Foto: Direitos reservados

 

Pedro Strecht, médico de psiquiatria da infância e adolescência, foi convidado pela Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) “para coordenar a Comissão Independente para o Estudo dos Abusos de Menores na Igreja”, anunciou o secretariado-geral do episcopado em comunicado enviado à comunicação social. 

Strecht já integrava, desde há dois anos, a comissão de protecção de menores do Patriarcado de Lisboa, presidida pelo bispo auxiliar, Américo Aguiar. 

A mesma informação diz que na próxima quinta-feira à tarde, o médico apresentará, em conferência de imprensa na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, o resto da comissão por ele constituída. 

De acordo com o comunicado, o novo organismo que irá inquirir sobre os abusos de menores cometidos em ambientes eclesiásticos irá trabalhar a partir de Janeiro de 2022. Os princípios orientadores do trabalho da comissão serão também apresentados na quinta-feira, por Pedro Strecht, que estará acompanhado pelo presidente da CEP, o bispo de Setúbal, José Ornelas. 

Não será a primeira vez que Pedro Strecht assume responsabilidades em questões de abusos sexuais de menores: nos primeiros anos deste século, o médico fez parte da equipa de peritos que acompanhou a investigação ligada ao processo Casa Pia.

Há quinze anos, no livro Um Papa Entre Dois Séculos (ed. Livros do Brasil), que reúne vários depoimentos sobre o Papa João Paulo II, Pedro Strecht escrevia, a propósito do papel dos cristãos: “Ser um exemplo de amor, sobretudo de amor e respeito pelos outros, de todos os que sofrem, dos que se sentem ou são mais excluídos, dos que não nascem iguais em direitos, dos que não têm palavra ou expressão significativa, dos doentes ou dos mais pequenos.”

Se o grupo que agora será apresentado coincidir com o nome – Comissão Independente para o Estudo dos Abusos de Menores na Igreja –, a hierarquia católica assumirá, em Portugal, um modelo semelhante ao que já foi seguido em outros países – como a Alemanha ou a França. Aqui, a comissão divulgou o seu relatório no início de Outubro, mas ele está ainda a provocar ondas de choque e divisões entre diferentes sectores do catolicismo francês, como o 7MARGENS noticiou nesta terça-feira. 

Modelo, métodos e acesso aos arquivos

A decisão de criar uma comissão independente para averiguar os abusos cometidos no interior da Igreja católica foi anunciada no final da última assembleia plenária da CEP, no passado dia 11 de Novembro, em Fátima. 

Só na quinta-feira eventualmente, poderá ser esclarecido cabalmente o modelo de comissão, a sua metodologia, o financiamento, as possibilidades de acesso aos arquivos e a tutela que terá sobre as instituições da Igreja – só dioceses ou também congregações, movimentos e outras. Na altura, o presidente da CEP prometeu “uma comissão que tenha capacidade de fazer investigação sem impedimentos” e que faria o “apuramento histórico desta grave questão” da violência sexual. 

Pedro Strecht nasceu em Coimbra em 1966, tendo concluído o curso de Medicina na Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa, em 1989, recorda a Ecclesia.

Médico interno geral do Hospital de São Francisco Xavier de 1990 a 1992, esteve no Departamento de Pedopsiquiatria do Hospital de Dona Estefânia. Além de ter publicado dezenas de livros, foi também supervisor do Projecto de Apoio à Família e à Criança Maltratada, coordenador da Equipa de Intervenção Psicossocial do Gabinete de Reconversão do Casal Ventoso, de centros educativos do Instituto de Reinserção Social e do Gabinete para Intervenção em Crise da Casa Pia de Lisboa.

Além desta comissão que agora ficará constituída, a CEP quer ter, a nível nacional, um grupo que coordene as comissões de protecção de menores criadas nas 21 dioceses para “reforçar e alargar o atendimento dos casos e o respectivo acompanhamento a nível civil e canónico, e fazer o estudo em ordem ao apuramento histórico desta grave questão”, segundo referia o comunicado final da assembleia plenária da CEP. 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This