Diário de viagem: Pelo deserto, até à Guiné-Bissau, um jipe salva-vidas para sarar a dor alheia

| 4 Fev 19 | Boas Notícias, Cooperação e Solidariedade, Destaques, Últimas

Parte do grupo de viajantes, domingo à tarde, junto à Sé do Porto, ao lado do bispo Manuel Linda; Almiro Mendes é o terceiro a contar da esquerda (foto direitos reservados)

 

Foi em 2005 que o padre Almiro Mendes, então pároco de Ramalde (Porto), decidiu passar um ano na Guiné-Bissau a fazer uma experiência missionária: “Magoou-me muito o sofrimento daquele povo extraordinário. Onde a gente sofre é na dor alheia”, diz, 14 anos depois de ter feito um voto: “Prometi que iria lá levar um jipe, porque na Guiné um carro assim salva vidas.”

Almiro Mendes, agora com 57 anos, escreveu um livro a contar a sua experiência e, com o dinheiro recolhido, conseguiu comprar o veículo. Levou-o em 2007. Desde então, já repetiu a ideia por mais quatro vezes. Desde este domingo, dia 3, o sexto jipe salva-vidas está a caminho. Conduzido à vez pelo padre Almiro e por mais três colegas padres. Terão também a companhia de uma furgoneta pickup, que será levada por outros quatro amigos – um médico, um engenheiro, um professor e um gestor. A rota está estabelecida: Portugal (de domingo para segunda a primeira paragem é em Faro – ver texto do diário, no final), sul de Espanha, Gibraltar, Marrocos, Sara Ocidental, Mauritânia, Senegal e Guiné, até chegar a Bissau.

Será uma espécie de rali Dakar, em versão ainda mais longa – e a comparação não é despropositada, já veremos porquê. Um total de 5800 quilómetros, com alguns riscos. “Na primeira vez atravessei a Gâmbia, agora fazemos mais 800 quilómetros porque a situação é mais difícil.”

Na despedida do Porto, feita junto da Sé, na tarde de domingo, esteve também o bispo da diocese, Manuel Linda, já que desta vez o veículo é oferecido pela diocese. Daqui a dez dias, o próprio bispo irá à Guiné entregar pessoalmente o veículo, acompanhando com uma oferta para as missões católicas no país.

“Gestos como esse, do nosso bispo, traduzem a fidelidade da Igreja à sua missão e evidenciam a sua catolicidade. Os bispos não vão normalmente a África, por causa do trabalho. Com esta viagem, D. Manuel Linda pode ir ver a realidade e ajudar a diocese a ganhar consciência missionária.”

Almiro Mendes dá o seu próprio exemplo: “Com a consciência que ganhei, as comunidades que servi são dinâmicas e missionárias porque perceberam o que se passa nesses países.” Por isso, também só terá vantagens o bispo do Porto ir à Guiné, sublinha. Depois de chegar, dia 12, o bispo irá visitar instituições das duas dioceses guineenses – Bissau e Bafatá –, várias missões católicas e um hospital, além de se encontrar com missionários que trabalham no país.

 

Muitas crianças dentro de um carro de corrida

As despesas da viagem foram assumidas pelos viajantes – padres, bispo e leigos. No caso dos que levam os veículos, todos dividiram os custos de gasóleo e tiveram outras pessoas a ajudar para despesas da viagem. Ainda por cima, recorda o padre Almiro, os católicos portugueses estão a ser sensibilizados para um ano missionário, que irá até Outubro deste ano.

O bispo do Porto, Manuel Linda, a fazer a sua assinatura no jipe com destino à Guiné-Bissau (foto: direitos reservado)

Almiro Mendes dá outros argumentos racionais para esta opção de levar um jipe por terra: “Fica muito caro mandar por avião ou barco e nunca sabemos se o veículo chega direito ao destino. Deste modo, chegamos e no dia seguinte sabemos que ele estará ao serviço.” Além do jipe e da furgoneta, irá por barco uma ambulância, oferecida pelos Bombeiros de Ameã. Essa, sim, não aguentara a viagem do deserto, teve de se fazer de outra maneira.

As ajudas – veículos e dinheiro – já têm destino: o bispo de Bafatá, Pedro Zilli, uma missão das Irmãs Espiritanas em Caió (interior da Guiné-Bissau), um lar de crianças deficientes gerido na capital do país pelas irmãs Marianitas e uma organização não-governamental que trabalha no interior do país.

Desde há quatro anos pároco de Canidelo (Gaia), a segunda maior paróquia da diocese do Porto, com 48 mil habitantes, Almiro Mendes esteve nos anteriores 23 anos da sua vida de padre como formador no seminário, nos Pupilos do Exército, e como pároco de Ramalde.  

“A caridade trespassa todos” os que ajudaram e os que vão na expedição, diz. O padre Almiro está consciente de que há riscos, mas nas vezes anteriores foi sempre por estrada e tudo correu bem. Espera que seja assim à sexta vez.

E agora o rali: desde criança, Almiro Mendes sempre gostou de carros. Acabaria por ser o primeiro padre a participar numa corrida internacional – aconteceu no Porto, em 2012, entre pilotos internacionais na Super Seven. E como padre como se vê a fazer isso? Ouvi uma vez uma frase: ‘Há-de Deus pedir-nos contas dos prazeres legítimos que não gozámos’. Por isso, e como nunca gastei dinheiro, porque há sempre alguém que oferece a participação, tenho prazer em participar em corridas. Numa delas, o carro que levei foi decorado com os símbolos da luta contra o cancro das crianças. Entre os 25 pilotos, o meu carro era o único que levava muitas crianças lá dentro. E isso deu-me muito gosto.”

 

DIÁRIO DE VIAGEM

Dia 1 – domingo, 3 de Fevereiro: Ganhar o desafio de 5800 quilómetros

O grupo de oito viajantes no domingo, junto da Igreja de Oliveira do Douro, antes de se dirigir para a Sé do Porto (foto: direitos reservados)

 

Quando estacionamos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro. Saídos do carro, fomos engolidos por dezenas de pessoas que ali se quiseram plantar para nos dar um comovido abraço, para nos oferecer palavras benévolas, para nos presentear com comida e dinheiro para ajuda da viagem e, sobretudo, para nos desejarem boa sorte, prometendo orações. 

Não conseguimos negar aos olhos as lágrimas ao vermos tão eloquentes expressões de amizade e comunhão de gente conhecida e amiga e até de pessoas que nunca tínhamos visto. Até os turistas, que ali são sempre muitos, se aproximavam para se inteirarem da situação.

Os microfones dos jornalistas apresentaram-se sôfrega e rapidamente às nossas bocas mendigando  palavras que pudessem traduzir a razão e a ousadia da aventura Porto-Guiné por estrada. Eram tantas as perguntas que se atropelavam umas às outras e nem o senhor bispo do Porto, D. Manuel Linda, entretanto chegado, escapou à curiosidade jornalística e teve de se expor aos microfones e aos flashes das máquinas fotográficas que se apressavam a registar o momento.

Estavam todos tão animados e eufóricos, que demorou a criar-se o ambiente necessário para a oração de bênção dos peregrinos que o senhor bispo quis fazer e que todo o povo rezou. Foi nesta altura que o senhor D. Manuel Linda teceu considerações tāo belas e apropriadas para o momento, que o Terreiro da Sé se vestiu de um silêncio religioso e todos os presentes pareciam admirar tanto aquelas palavras como o tão nobre e extraordinário gesto do pastor diocesano ao oferecer um jipe à Guiné, coisa pouco habitual.

Terminada a oração de bênção, todos se precipitaram sobre nós roubando- nos um último e comovido abraço.

Entrámos no jipe, que se vestia de milhares de assinaturas, e na pickup, que gemia a carga excessiva, e nem demos conta do trabalhar dos motores,  devido ao troar das palmas que nos batiam. Arrancámos com os olhos marejados de saudade. Os primeiros quilómetros fizeram-se a ouvir o relato do Sporting-Benfica e com a esperança de também nós ganharmos este desafio dos 5.800 quilómetros que nos separam do nosso destino: a querida Guiné- Bissau. 

Até parece um Dakar. Com uma diferença: por desporto, nunca faríamos esta viagem; por caridade, ousamos realizá-la, porque “vale mais a gente gastar- se do que enferrujar-se”.

Às 23h, o seminário do Algarve, por bondade do senhor bispo D. Manuel Quintas, acolheu os nossos fatigados corpos.

Adormecemos numa oração comovida.

Padre Almiro Mendes

(O 7MARGENS acompanhará durante os próximos dez dias, através de um diário de viagem, a expedição do padre Almiro Mendes e dos seus companheiros rumo à Guiné-Bissau)

Breves

Formação avançada em património religioso lançada na Católica novidade

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Cinco cristãos libertados na Índia depois de 11 anos presos por acusações falsas

Cinco cristãos indianos que tinham sido presos em 2008 com acusações falsas, na sequência da morte de Swamy Laxmananda Saraswati em Kandhamal (distrito de Orissa, a quase 700 quilómetros de Calcutá) foram agora libertados, onze anos depois das condenações e quatro anos depois de, em 2015, testemunhos apresentados por dois polícias terem levado à consideração da falsidade das acusações.

Igreja Católica em Espanha tem de “relançar compromisso” com os migrantes, pede responsável das Migrações

O diretor da Comissão de Migrações da Conferência Episcopal Espanhola, José Luis Pinilla, pediu o “relançamento do compromisso” da Igreja Católica em Espanha com os migrantes, fazendo frente à “xenofobia”. Numa conferência sobre Juan Antonio Menéndez, o antigo bispo e presidente desta comissão que morreu em maio de 2019, Pinilla afirmou que é necessária uma Igreja mais comprometida com os migrantes e lembrou os ensinamentos de Menéndez.

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

A primeira poetisa da Europa

Comparada a Homero; segundo Platão, a décima Musa. Era «a Poetisa», tal como Homero era «o Poeta». Manuscritos, nunca os vimos. Provavelmente, queimados, devido ao fanatismo de eclesiásticos bizantinos. Só alguns poemas inteiros chegaram até nós; o resto são fragmentos. Porque nos fascina ainda, uma frase, um verso, passado 2600 anos?…

O pensamento nómada do poema de Deus

Uma leitura de “Uma Beleza que Nos Pertence”, de José Tolentino de Mendonça.

O aforismo, afirma Milan Kundera na sua Arte do romance (Gallimard, 1986), é “a forma poética da definição” (p. 144). Esta, prossegue o grande autor checo, envolvendo-se reflexivamente numa definição da definição, é o esforço, provisório, “fugitivo”, aberto, de dar carne de visibilidade àquelas palavras abstratas em que a nossa experiência do mundo se condensa como compreensão.

Pessoas

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

“Diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” Nos derradeiros momentos de vida, já no hospital, Manuela Silva pegara na mão da irmã que a acompanhou nos últimos meses, olhando-a e, com plena consciência de que vivia os instantes finais, deu-lhe o último recado: “Vou partir, mas diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” A sua memória será recordada nesta segunda-feira, 14, às 19h15, na Capela do Rato, numa eucaristia presidida pelo patriarca de Lisboa.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
9
Seg
Falar de vida e fé – Leonor Xavier conversa com Maria Antónia Palla @ Capela do Rato
Dez 9@18:30_19:45
Dez
10
Ter
Apresentação do livro “Os dons do Espírito Santo”, de frei João de São Tomás @ Livraria da Universidade Católica Portuguesa
Dez 10@17:30_18:30

O livro será apresnetado por Manuel Cândido Pimentel, professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

Dez
11
Qua
Apresentação do livro “John Henry Newman”, de Paolo Gulisano @ Capela do Rato
Dez 11@21:15_22:15

O cardeal Newman testemunhou, na Inglaterra do século XIX, uma prodigiosa aventura intelectual e espiritual de diálogo ecuménico (entre a Igreja Católica e a Igreja Anglicana). Reclamava uma fé lúcida, inteligente, em diálogo com a cultura e a tradição patrística (o passado). Antecipou o Vaticano II com a sua compreensão da soberania da consciência. Foi um motivar da intervenção dos leigos na sociedade do seu tempo. A sua recente canonização, em 13 de Outubro, pelo Papa Francisco, é estimulo para se aprofundar o seu pensamento e a novidade do seu testemunho.

O livro será apresentado pelo padre António Martins (Faculdade de Teologia/Capela do Rato) e Artur Mourão, filósofo, tradutor de Newman e membro do Centro de EStudos de Filosofia. O debate é moderado por Nuno André.

Ver todas as datas

Entre margens

Aprender a dizer amor

Jorge Jesus, treinador do Flamengo, o mais falado clube nos últimos dias, afirmou: “No Brasil aprendi a dizer amor… Em Portugal é uma complicação para dizer amor. Quero desfrutar desse amor”. Sim, mas porque será tão difícil aos portugueses dizê-lo?

Fale connosco