Diário de viagem II: Pelo deserto, até à Guiné-Bissau, um jipe salva-vidas para sarar a dor alheira

| 5 Fev 19 | Cooperação e Solidariedade, Sociedade, Últimas

O grupo no jantar de segunda-feira, em Arssilah (Marrocos), depois de atravessar três países e dois continentes diferentes, num só dia. (foto: direitos reservados)

Foi no extremo de Portugal que acordámos para o segundo dia.

De ponta a ponta, não é grande o território pátrio. Somos bem maiores nós, os portugueses, que demos novo mundo ao mundo. Rumar à Guiné parece que nos dá essa dimensão desmedida e estica-nos no sonho e na ousadia. Gratos pelo extraordinário acolhimento recebido pelo reitor do Seminário de Faro e agradecidos ao bispo D. Manuel Quintas, que quis oferecer a pernoita, aquecemos os motores e rumamos, apressados, a Tarifa, tendo embora tempo para pregar os olhos na beleza da Ria Formosa que o sol, ainda menino, beijava, como quem acaricia uma irmã.

Rezamos Laudes para cumprirmos o dever que nos incumbe e, já nas imediações de Sevilha, um grave acidente obrigou ao corte da auto-estrada em que seguíamos. As autoridades desviaram-nos para estradas secundárias com um preço: cerca de duas horas de atraso. Consequência: só conseguimos embarcar no ferry das 16h, já nos limites, quando deveríamos ter apanhado o da uma da tarde.

Mas nem este atraso de três horas nos roubou a alegria e a boa disposição. Passamos, aliás, muito do tempo da viagem a contar anedotas com transmissão de um carro para o outro. O padre Teixeira resolveu presentear o grupo com uns extraordinários walky-talkies que permitem falar do jipe para a pick-up, e vice versa, com toda a qualidade e grande vantagem. No início, estes simpáticos aparelhos pareciam um nada mas revelaram-se um muito, pela vantagem que proporcionam de comunicação entre as duas viaturas.

O embarque no ferry é realmente mais fácil e mais sossegado em Tarifa, pelo que depressa aquele barco, com boca de tubarão, engoliu, sem dó nem piedade, o nosso pobre jipe e a desvalida pick-up e vomitou-nos inteirinhos, no porto de Tanger. Temíamos as formalidades das fronteiras, em África sempre demoradas e até desesperantes, mas Marrocos é uma excepção e há simpatia pelos portugueses, pelo que em 15 minutos estávamos no reino de sua Majestade com todo o conforto e muita amabilidade dos polícias fronteiriços. Fantástico!

Continuamos animados e jubilosos, reparando nos rostos dos marroquinos, mais queimados do que os nossos, na arquitectura, que se nos afigurava mais frágil do que a portuguesa, e nas paisagens que, por serem diferentes das nossas, regalavam os nossos olhos já fatigados pelas longas horas de estrada.

Não demorou a chegarmos a Arssilah, onde o nosso colega e mestre de cozinha padre André nos preparou um arroz de feijão com moiras e chouriças. Até os nossos amigos leigos comeram como abades!

Enfim, no mesmo dia, estivemos em três países: Portugal, Espanha e Marrocos; e em dois continentes: Europa e África. Somos do tamanho do mundo! Pelos menos o nosso sonho de chegar à Guiné não é mais pequeno do que essa medida. Mas tão grande quanto isto, ou ainda mais, é a amizade, empatia e comunhão que se vai consolidando entre todos estes peregrinos. 

 

Padre Almiro Mendes

(O 7MARGENS acompanhará durante os próximos dias, através de um diário de viagem, a expedição do padre Almiro Mendes e dos seus companheiros rumo à Guiné-Bissau)

 

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Uma audição comentada do Livro dos Salmos

Será uma audição comentada do Livro dos Salmos aquela que Alfredo Teixeira proporá nesta quarta-feira, 22 de Maio, a partir das 18h30, na Capela de Nossa Senhora da Bonança (Capela do Rato), em Lisboa (Calçada Bento da Rocha Cabral, 1-B).

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Entre margens

A União Europeia necessita de psicanálise

Importa olhar para o «subconsciente» da União Europeia e tentar perceber a causa de tão grande tormento. Dir-se-ia que a União Europeia necessita de fazer algumas sessões de psicanálise. Queiramos ou não, estejamos ou não de acordo, a realidade é que a União Europeia marcará o nosso futuro coletivo.

Fale connosco