Pelo menos 45 mortos no pior naufrágio deste ano na costa da Líbia (e mais dez nas Canárias)

| 20 Ago 2020

Migrantes. Mediterrâneo

Migrantes no Mediterrâneo à espera de um resgate, em 2017. Foto: Direitos reservados

 

Pelo menos 45 pessoas morreram na última segunda-feira, 17 de Agosto, naquele que fica para já como a marca trágica do pior naufrágio deste ano na costa líbia. Entre as vítimas, há cinco crianças enquanto 37 outras pessoas sobreviveram. A notícia foi dada nesta quinta-feira pela Organização Internacional das Migrações (OIM) e pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), citados pelo Vatican News.

Os sobreviventes do naufrágio, de acordo com a mesma fonte, eram provenientes principalmente do Senegal, Mali, Chade e Gana. Foram resgatados por pescadores locais e colocados depois em estado de detenção. O naufrágio teria ocorrido devido à explosão do motor da embarcação.

A Organização Internacional das Migrações e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados denunciaram os “atrasos inaceitáveis no resgate no mar”, sublinhando ainda que, como mostra a prisão dos que conseguiram sobreviver, o porto da Líbia não é seguro. As duas agências internacionais defendem que as empresas da marinha mercante que oferecem ajuda aos migrantes não deveriam ser obrigadas a levar as pessoas de volta para a Líbia, mas deveriam, antes, receber imediatamente um “porto seguro”.

Entretanto, as autoridades espanholas informaram que os corpos de dez migrantes foram encontrados num barco meio submerso ao largo das Canárias, acrescenta o The Guardian.

O desastre junto à costa líbia eleva para 302 as vítimas mortais de naufrágios este ano, de acordo com as referidas duas agências das Nações Unidas. Mas ambas acreditam que o número real pode ser muito maior.

A Líbia, que deixou de existir como Estado e onde há anos se vive uma guerra civil, tem sido uma das rotas privilegiadas, nos últimos anos, pelos que procuram chegar à Europa. O Guardian diz que se calcula em cerca de 654 mil o número de pessoas que ali estão à procura de oportunidade para atravessar o Mediterrâneo, mas vivendo em condições miseráveis e praticamente sem acesso a cuidados de saúde.

Nos últimos meses, recorda ainda o jornal britânico, centenas de migrantes têm sido detidos no mar e as suas embarcações enviadas de volta para a Líbia, apesar da violência e da guerra que ali se verifica, onde os gangues de tráfico humano têm uma grande capacidade de manobra.

A OIM e o ACNUR insistem na “necessidade urgente de reforçar a actual capacidade de busca e salvamento para responder aos pedidos de socorro” e criticam o facto de continuar “a não existir qualquer programa dedicado de busca e salvamento liderado pela União Europeia”.

No dia 8 de Julho, recorda o Vatican News, quando assinalou os sete anos da sua visita a Lampedusa, naquela que foi a primeira viagem do pontificado, o Papa Francisco afirmou: “Penso na Líbia, nos campos de detenção, nos abusos e nas violências que os migrantes sofrem, nas viagens da esperança, nos resgates e nas rejeições. A guerra é ruim, sim, nós sabemos, mas não se pode imaginar o inferno que se vive lá, naqueles campos de detenção. E essas pessoas vinham apenas com esperança e para atravessar o mar.”

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This