10 de julho na UAL

Pensamento de Luís Moita recordado em livro

| 4 Jul 2023

Capa do livro Em Torno do Pensamento de Luís Moita.

Os textos recolhidos neste livro organizam-se “em torno de duas vertentes fundamentais: a dimensão humanista e a dimensão das relações internacionais”, ambas “reconhecidamente sempre presentes no espírito e no exercício cívico, académico e profissional de Luís Moita”.

 

O livro Em torno do Pensamento de Luís Moita: Humanismo e Relações Internacionais é lançado na próxima segunda-feira, dia 10 de julho, às 10h00, nas instalações da Rua do Conde de Redondo da Universidade Autónoma de Lisboa, onde o professor lecionou durante décadas e de que foi vice-reitor.

Com mais de três dezenas de colaborações, o livro, segundo os seus coordenadores Luis Tomé, Luís Valença Pinto e Brígida Brito, “não visa servir nenhum propósito laudatório ou biográfico da figura do professor Luis Moita”, mas reúne “contributos de pessoas que com ele trabalharam de perto e que com ele tiveram o privilégio de aprofundar temáticas de interesse comum”. E acrescentam: “com este trabalho todos de algum modo tivemos a oportunidade de prolongar a nossa relação, o nosso reconhecimento e a nossa gratidão para com a figura de Luís Moita. Foi essa, certamente, a feliz recompensa de todos nós.”

Os textos recolhidos organizam-se “em torno de duas vertentes fundamentais: a dimensão humanista e a dimensão das relações internacionais”, ambas “reconhecidamente sempre presentes no espírito e no exercício cívico, académico e profissional de Luís Moita”.

Na abertura do livro, são recordadas algumas das ideias expressas pelo professor Moita na sua última lição a 11 de julho de 2019: “A minha convicção é sobretudo esta: que nós existimos uns por causa dos outros. É o tecido das nossas relações que nos constitui como pessoas…”; e “A ideia de relação é um conceito chave, que pode atravessar todos os nossos campos de saber, desde as partículas subatómicas ao sistema internacional e à humanidade no seu conjunto…”.

A apresentação do livro pode ser acompanhada no local, ou à distância. Mais informações em observare.autonoma.pt.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This