"Libertad", de Clara Roquet

Perder a inocência e aprender a liberdade

| 27 Set 2022

Libertad, Clara Roquet, Adolescência, Juventude,

Imagem do filme Libertad, de Clara Roquet. Foto: Direitos reservados.

 

A mim sempre me fascinou a adolescência, esse tempo fabuloso que cada homem e mulher atravessou – pelo qual foi atravessado – para se ir tornando adulto/a. Já tinha decidido ir ver o filme Libertad, porque tinha lido que falava precisamente de duas adolescentes e da amizade que construíram entre si, quando li o pequeno texto “Adolescência: o que os pais querem dos filhos e o que os filhos querem dos pais” (Sandra Sobreira, Público, 28 de Agosto de 2022).

Escreve a autora, apenas para dar um exemplo: “O filho autonomiza-se dos pais, passa a centrar a sua vida nos amigos e o mundo exterior torna-se mais atrativo do que a casa. É necessário construir uma identidade própria, o que por vezes implica distanciar-se dos pais, correr riscos, fazer experiências… A adolescência é uma época em que normalmente se quer muita coisa mas, ao mesmo tempo, não se sabe bem o que se quer. E, com frequência, tem-se medo de querer.”

É desta luta interior, em confronto com a família e com o modo como a sociedade está organizada, que nos fala – entre a ternura e a amargura – este filme da catalã Clara Roquet. Ela própria, numa entrevista ao PúblicoÍpsilon, de 26 de Agosto, diz: “A questão fulcral do filme é se a amizade entre duas raparigas é capaz de quebrar os espartilhos de classe social… Uma das questões que o filme coloca é o que é que essa rapariga aprendeu com o que lhe aconteceu. Vai recriar as mesmas normas sociais que mantêm as classes separadas ou a relação que estabeleceu com outra personagem, Libertad, mudou-a?”

É Verão e uma família rica volta, como acontece todos os anos, àquela magnífica casa na Costa Brava, onde vive a matriarca, já doente com Alzheimer, cuidada ao longo do(s) ano(s) pela empregada doméstica, Rosana, colombiana. A família da casa tem uma filha adolescente, Nora, de olhar triste e entediado, meio abandonada e sem ninguém com quem partilhar as dúvidas e sonhos que a habitam, completamente condicionada pelas regras de bom comportamento próprias do estatuto familiar que é o seu. É então que chega Libertad, filha da empregada, também ela adolescente, e que vem passar as férias com a mãe. Libertad tinha sido deixada com a avó, quando a sua mãe, sem se despedir dela, tinha emigrado para Barcelona. Libertad é liberdade, uma adolescente revoltada e provocadora, já com uma grande experiência de vida, conquistada nas ruas da cidade onde cresceu.

É por ela que Norma vai sentir-se seduzida e encantada. É com ela que Norma vai correr riscos e mentir e fazer coisas que nunca tinha feito. É com ela que vai crescer e aprender como é difícil ser livre.

E mantém-se sempre ao longo do filme a questão social, dos patrões e empregados, se quisermos dizer assim. Mas esse tempo, como se verá, significado entre outras coisas pela presença dos relógios, está desacertado da História e está a chegar ao fim. E Libertad foi o detonador dessa mudança. A própria realizadora reconhece que se trata de um filme com uma afirmação política: tomar consciência de quem se é mas também de como tem de ser a sociedade e as relações sociais.

Filme de despedidas, como alguém escreveu, este Libertad (onde os homens estão ausentes, mesmo presentes) tem muito para dar a ver quando se abrem as cortinas que escondem um choro quase sufocado, enquanto ondulam ao vento…

Libertad é talvez paradoxalmente não um filme de felicidade ilusória, mas de consistente compromisso com a realidade das perdas inevitáveis… O filme encaminha-se até ao final para sucessivas despedidas, inevitáveis e dolorosas, em que a liberdade constitui também um acto de renúncia ou contenção que tem o seu ponto alto na própria cena final.” (António Roma Torres, Público-Ípsilon, 09 de Setembro de 2022)

 

Libertad, de Clara Roquet
Com Maria Morera, Nicolle García, Nora Navas
2021, 1h44, M/12

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar).

 

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum

América Latina

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum novidade

Depois da Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e da Rede Eclesial Ecológica Mesoamericana (REGCHAG), nasce agora a Rede Eclesial Gran Chaco e Aquífero Guarani (REGCHAG), com o objetivo de proteger os territórios que lhe dão nome e as respetivas comunidades, face a ameaças como o desmatamento, a contaminação e o desrespeito pelos modos de vida.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This