Perdidos no monte errado

| 6 Jan 21

Alguns cristãos querem viver ainda no Sinai… estão perdidos no monte errado. Seguem os preceitos e a cultura do Antigo Testamento, mas a lei e os profetas passaram.

“A metáfora do Monte está muito presente nas narrativas sagradas dos povos antigos.” Foto: Abraham – Monte Sinai / Wikimedia Commons

 

A metáfora do Monte está muito presente nas narrativas sagradas dos povos antigos. Os gregos e os romanos tinham o Monte Olimpo, na Tessália, como morada dos deuses. Deus manifestara-se a Moisés no Monte Horeb. Mais tarde deu-lhe as tábuas da lei no Monte Sinai. O templo de Jerusalém estava edificado no monte do Templo. Os samaritanos cultuavam no Monte Gerizim. O Monte das Oliveiras está ligado ao ministério de Jesus. Satanás tentou Jesus do topo de um monte muito alto (segundo o evangelista Mateus). E o Monte Sião representa Jerusalém e todo o Antigo Israel.

Pelo facto de os montes serem lugares elevados, mais perto do céu, sugeriam maior proximidade com Deus. Ainda hoje há quem vá orar para um monte, com esta mesma inspiração; todavia sabemos que Deus está em todo o lugar, nos montes e nos vales. Se não fosse assim as geografias planas, as terras baixas, as ilhas sem elevações ou os mares não inspiravam a oração e a aproximação a Deus.

No Monte Sinai Deus revela-se a Moisés e transmite-lhe a sua Lei para o povo hebreu. Não foram apenas as tábuas de pedra ou os Dez Mandamentos, mas toda a lei moral, cerimonial e civil que haveria de servir de fio-de-prumo aos hebreus nos anos do deserto.

Mas há um monte mais importante para a fé cristã, o Monte da Transfiguração. O texto de Lucas 9:28-36 conta-nos o episódio em que Jesus levou consigo ao monte, Pedro, Tiago e João, com a intenção de passarem um tempo em oração e comunhão com Deus.

A certa altura Jesus transfigurou-se: “E, estando ele orando, transfigurou-se a aparência do seu rosto, e a sua roupa ficou branca e mui resplandecente” (v29). A verdade é que, sempre que oramos, o nosso olhar muda (transfigura-se). A primeira função da oração não é mudar Deus ou as circunstâncias, mas sim mudar-nos a nós mesmos, transfigurar a nossa forma de olhar.

Depois, ficamos a saber que Jesus falava com Moisés e Elias: “E eis que estavam falando com ele dois homens, que eram Moisés e Elias. Os quais apareceram com glória, e falavam da sua morte, a qual havia de cumprir-se em Jerusalém” (v30,31). É interessante observar qual era o tema dessa conversa que se situava acima do tempo e do espaço. Falavam do sacrifício de Cristo predito pelos profetas, que haveria de acontecer dentro de algum tempo, isto é, falavam da centralidade da história da Salvação, ou seja, da sua morte e ressurreição.

Pedro queria ficar ali com Jesus, Moisés e Elias: “E aconteceu que, quando aqueles se apartaram dele, disse Pedro a Jesus: Mestre, bom é que nós estejamos aqui, e façamos três tendas: uma para ti, uma para Moisés, e uma para Elias, não sabendo o que dizia” (v33). Muitas vezes queremos ficar parados no tempo, mas o tempo não pára.

O Pai testemunhou do Filho de dentro da nuvem: “E, dizendo ele isto, veio uma nuvem que os cobriu com a sua sombra; e, entrando eles na nuvem, temeram. E saiu da nuvem uma voz que dizia: Este é o meu amado Filho; a ele ouvi” (v34,35). Há muitas vozes no mundo, mas a voz que importa ouvir é a de Cristo.

A certa altura Moisés e Elias desapareceram e ficou apenas Jesus: “E, tendo soado aquela voz, Jesus foi achado só” (v36). Alguns ainda preferem estar no Sinai com Moisés em vez de estar com Jesus. Estão no monte errado. Alguns cristãos querem viver ainda no Sinai… estão perdidos no monte errado. Seguem os preceitos e a cultura do Antigo Testamento (shofar, kipá, Arca da aliança, menorá, túnicas sacerdotais, fixação obsessiva com Israel, etc.).

A lei e os profetas passaram. A conversa de Jesus com Moisés e Elias no monte foi sobre o sacrifício de Cristo que se haveria de cumprir em Jerusalém: o verdadeiro foco da história da Salvação.

Agora importa aceitar Jesus, viver em Jesus, viver para Jesus, viver por Jesus, viver para fazer a obra de Jesus, ser uma testemunha de Jesus (“ser-me-eis testemunhas”), não de Moisés nem de Elias.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo.

 

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento novidade

Há tempos e momentos que são mais propícios à reflexão e à interiorização, oferecendo-nos oportunidades de pensar, ou repensar, atitudes pessoais e realidades coletivas. E são estas oportunidades de refletir que, normalmente, nos abrem perspetivas de mudança, de ver novas formas de viver, de olhar novas respostas para combater injustiças, pobrezas e violações dos Direitos Humanos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação de um homem ao pagamento de mais de 60 mil euros à ex-companheira pelo trabalho doméstico que esta desenvolveu ao longo de quase 30 anos de união de facto. (Público, 24-2-2021)
No acórdão, datado de 14 de Janeiro (…), o STJ refere que o exercício da actividade doméstica exclusivamente ou essencialmente por um dos membros da união de facto, sem contrapartida, “resulta num verdadeiro empobrecimento deste e a correspectiva libertação do outro membro da realização dessas tarefas”.

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

Guardar o jardim do mundo novidade

Nestes tempos em que o início da Quaresma coincide com um estranho confinamento, explicado por uma pandemia que há um ano nos atinge e que vai afetar pelo segundo ano consecutivo a nossa Páscoa, importa recordar mais uma vez o que o Papa Francisco nos afirmou na encíclica Laudato Si’. Esta pandemia será ultrapassada, com mais ou menos esforço, mesmo que tenhamos de continuar a lidar com o vírus.

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Viagem ao Sul novidade

Hoje conto-vos acerca da nossa viagem ao Sul, na semana de Acção de Graças em pleno Novembro de 2020. Um dos aspectos interessantes de viver nos Estados Unidos é a possibilidade de, sem sair das fronteiras do país, encontrarmos de tudo um pouco: desde o inverno gélido de Washington DC aos cenários verdes e húmidos da Geórgia, passando pela secura e aridez do Mississípi.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This