Compostela

Peregrinos regressam em força ao Caminho de Santiago em busca de bem-estar

| 8 Jun 2021

Caminho de Santiago. © António José Paulino.

Caminho de Santiago é feito de múltiplos e antigos caminhos que percorrem a Europa, do oriente ao ocidente, e do norte para o sul. Foto © António José Paulino.

 

Alguns peregrinos já puseram pés ao caminho e muitos outros preparam a mochila e as botas, a caminho de Santiago de Compostela. Depois de um ano de confinamento, os mais fiéis suspiram pela repetição da experiência restauradora, enquanto outros não veem o dia de inaugurá-la.

A Associated Press (AP) publicou neste fim-de-semana uma desenvolvida reportagem, em que os jornalistas Joseph Wilson e Iain Sullivan dão sinais deste acordar do movimento, nesta fase, que se espera final, da pandemia. Pelos caminhos cruzaram-se ou foram ao encontro dos peregrinos: a mulher cujo casamento acabou no confinamento e agora teme ser despedida pelo banco em que trabalha; o casal de 81 e 84 anos, que sobreviveu ao vírus; o jovem checo de 25 anos, que veio caminhar três semanas, para combater o stress; e muitos outros. Incluindo o investigador da Universidade Autónoma de Barcelona que já concluiu, com uma amostra de 100 peregrinos, que fazer o Caminho traz benefícios à saúde mental.

O Caminho de Santiago é feito de múltiplos e antigos caminhos que percorrem a Europa, do oriente ao ocidente, e do norte para o sul. Como os ribeiros que vão desaguando noutros ribeiros, assim fazendo rios, assim as vias que demandam a imagem e a catedral do santo.

Dado que o Papa Francisco estendeu até 2022 as indulgências do ano jubilar, que não acontecia desde 2010, são esperados já este ano e, no próximo, centenas de milhar de caminheiros, crentes e não crentes.

Como diz o bispo de Santiago de Compostela, em declarações à AP, “o Caminho de Santiago… é um espaço que nos ajuda a recuperar a nossa paz interior, a nossa estabilidade, o nosso espírito, de que sem dúvida todos precisamos, dadas as dificuldades que temos para enfrentar a dor e os estragos da pandemia que por vezes nos deixam sem palavras”.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This