Relatórios da ICC e do UCF

Perseguição a cristãos aumenta na Birmânia e na Índia

| 14 Jul 21

freira, Birmânia, Myanmar, militares, religiosa

Nas áreas maioritariamente cristãs da Birmânia registam-se desde Março confrontos entre grupos armados, militares e a Força de Defesa do Povo. Foto: Direitos reservados.

 

Os cristãos e as minorias étnicas na Birmânia enfrentam uma opressão crescente desde que a Junta militar derrubou o Governo civil em 1 de Fevereiro e tomou conta do poder. Um relatório da ICC (International Christian Concern), organização não-governamental de monitorização das perseguições religiosas, revela detalhes da perseguição aos cristãos em áreas onde a opressão tem sido a regra, em mais de cinco décadas de governo militar.

O relatório Caught in the Crossfire (Apanhado em fogo cruzado) refere que, nas áreas maioritariamente cristãs de Kachin, Kayah, Chin e Wa, e devido a ataques aéreos e indiscriminados dos militares, milhares de pessoas fugiram das suas casas e refugiaram-se nas igrejas e na selva. Nas mesmas regiões, registam-se desde Março confrontos entre grupos armados, militares e a Força de Defesa do Povo. Em consequência de ambas as situações, o relatório fala em mais de 230 mil deslocados.

Nos últimos meses, na sequência de protestos das populações contra o poder militar, várias igrejas foram invadidas e desocupadas. Grupos de militares cercaram os recintos de igrejas. Há padres e pastores presos e vários civis desarmados, incluindo cristãos, foram mortos, diz o relatório, citado pela UCA News.

“Myanmar enfrenta não só uma crise política mas também uma crise humanitária e económica”, comentou Benedict Rogers, líder da equipa da Solidariedade Cristã Mundial, organização com base no Reino Unido. O mesmo responsável exortou a comunidade internacional a impor um embargo global de armas e sanções específicas para enfraquecer o regime militar.

“A protecção dos muitos grupos étnicos e religiosos minoritários da Birmânia deve ocupar um lugar de destaque na lista de prioridades da comunidade internacional”, diz o relatório.

Os cristãos constituem cerca de seis por cento da população de 54 milhões, enquanto o budismo, que predomina, representa quase 89 por cento. O nacionalismo religioso abrange também partes importantes da população e é uma das razões da discriminação dos cristãos.

A Birmânia está no 18º lugar na lista da Open Doors, entre os países onde os cristãos enfrentam a mais severa perseguição.

 

154 incidentes violentos na Índia
Padre jesuíta Stan Swamy, Índia

Padre jesuíta Stan Swamy, acusado de terrorismo e preso na Índia a 8 de Outubro de 2020, tendo morrido no hospital depois de ter contraído covid-19 na prisão. Foto: Direitos reservados.

 

Também na Índia, um grupo de direitos humanos que monitoriza as atrocidades contra os cristãos no país diz ter confirmado 154 incidentes de violência em 17 estados, só no primeiro semestre deste ano.

Para contrariar esta realidade, o Fórum Cristão Unido (UCF, da sigla em inglês), sediado em Nova Deli, propõe a criação de um novo Ministério de Cooperação, que possa trazer uma melhor compreensão de outras religiões, especialmente entre aqueles que se opõem ao cristianismo.

Num comunicado de imprensa, citado igualmente pela UCA News, o UCF refere 154 incidentes violentos contra cristãos, em toda a Índia, registados pelo número da linha de ajuda gratuita da organização interconfessional que luta pelos direitos dos membros da minoria cristã.

Janeiro foi o pior mês, com 34 episódios; seguem-se Junho (28), Março (27), Abril (26), Fevereiro (21) e Maio (16). Apesar disso, o UCF conseguiu obter a libertação de 84 pessoas e a reabertura de 29 locais de culto.

Os Estados centrais de Chhattisgarh e Jharkhand foram os piores, registando 22 incidentes violentos, seguidos de 19 no Uttar Pradesh e 17 em Karnataka. Houve ainda episódios nos estados de Madhya Pradesh (15), Odisha (12), Maharashtra (9), Tamil Nadu (6), Punjab (6), Bihar (6), Andhra Pradesh (4), Uttarakhand (3), Delhi (3), Haryana (2), Gujarat (2) e Telangana, Bengala Ocidental, Assam e Rajasthan (um cada).

Segundo o relatório Liberdade Religiosa no Mundo, publicado em Abril, a Índia é um dos países onde tem crescido a preocupação com as perseguições das minorias religiosas – no caso, contra cristãos e muçulmanos.

Há oito dias, como o 7MARGENS também noticiou, o padre jesuíta Stan Swamy, acusado de terrorismo pelas autoridades por andar a defender populações indígenas muito pobres, morreu no hospital depois de ter contraído covid na prisão. O Governo nacionalista de Narendra Modi nunca deu ouvidos aos apelos de múltiplas organizações e responsáveis internacionais no sentido da sua libertação, tendo em conta a idade (84 anos, já completados na prisão) e os problemas de saúde de que padecia.

 

Pregos no caixão

Pregos no caixão novidade

Como resultado de uma evolução e saturação pessoais, cheguei ao ponto de ter medo, no próprio e exacto sentido da palavra, cada vez que vejo um padre ou um bispo aparecer na TV ou ser transcrito num jornal, porque é imensa a possibilidade de das suas bocas sair forte asneira e de os seus gestos e trejeitos serem comprometedores.

“Só posso agir como cristão, como me dita a consciência”

Aristides com honras de Panteão

“Só posso agir como cristão, como me dita a consciência” novidade

Domingo, 17 de Outubro, no programa Página 2, da RTP2, António Moncada Sousa Mendes, autor do livro Aristides de Sousa Mendes – Memórias de um Neto evocou a memória do seu avô. Foi um depoimento também a referir essa perspectiva e a recordar o longo caminho de Aristides até este dia que o 7MARGENS pediu ao neto do primeiro português a ser declarado Justo Entre as Nações.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Pandemia teve impacto devastador sobre liberdade de informação

Relatório da Amnistia Internacional

Pandemia teve impacto devastador sobre liberdade de informação novidade

“Os ataques à liberdade de expressão por parte de governos, combinados com uma enchente de desinformação por todo o mundo durante a pandemia da covid-19, tiveram um impacto devastador sobre a capacidade das pessoas para acederem a informação precisa e oportuna, que as ajudasse a lidar com a crescente crise de saúde global.” A conclusão é da Amnistia Internacional.

Os dias não têm 24 horas

Os dias não têm 24 horas novidade

E se de repente nos viessem dizer que cada dia passaria a ter apenas 16 ou 17 horas? Com a falta de tempo de que sempre nos queixamos iríamos, decerto, apanhar um susto. Não saberíamos como resolver tamanho corte e, com imensa probabilidade, entraríamos em stresse, esse companheiro que nos boicota a vida num padrão que, como alguém disse, se traduz por excesso de presente.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This