Estudo internacional

Perseguição religiosa diminuiu, mas restrições dos governos estão no nível mais elevado

| 2 Out 2021

perseguição religiosa igreja clandestina foto sean warren

A análise mostrou que as restrições governamentais relativas à religião, que em 2018 haviam atingido o ponto mais alto, se mantiveram num patamar semelhante em 2019. Foto © Sean Warren.

 

O número de países onde foi registada atividade terrorista relacionada com a religião diminuiu pelo quinto ano consecutivo, concluiu o Pew Research Center no seu 12º estudo anual sobre as restrições globais à religião, divulgado esta quinta-feira, 30 de setembro. As restrições governamentais face às crenças e práticas religiosas estão, no entanto, no nível mais elevado desde que o estudo começou a ser realizado, em 2007.

O estudo, que se refere a 2019, analisou dados referentes a 198 países e territórios, tendo identificado uma diminuição dos casos de violência contra grupos religiosos por parte de indivíduos ou de outros grupos. O número de países com níveis de hostilidade “alta” ou “muito alta” diminuiu de 53 (em 2018) para 43.

Quanto ao total de países que registaram pelo menos um tipo de atos terroristas (como assassinatos, abusos físicos, detenções, destruição de propriedade ou recrutamento por parte de grupos terroristas) atingiu o seu recorde mais baixo: 49 territórios em 2019, contra 64 em 2018.

Mas a análise mostrou também que as restrições governamentais relativas à religião, que em 2018 haviam atingido o ponto mais alto desde o início do estudo, se mantiveram num patamar semelhante em 2019. A pontuação média global no Índice de Restrições Governamentais (GRI), um índice de 10 pontos com base em 20 indicadores, manteve-se nos 2,9. Esta pontuação tem vindo a crescer acentuadamente desde 2007, ano em que não passou de 1,8.

O número total de países com níveis “altos” ou “muito altos” de restrições governamentais aumentou em 2019 para 57 (o que corresponde a 29% de todos os países considerados no estudo). Trata-se de um país a mais do que em 2018, e do número mais elevado desde 2012.

O documento aponta para o fim da ocupação territorial do Estado Islâmico na Síria e no Iraque, em 2019, como uma das razões para a descida de casos de violência e perseguição religiosa grave.

Índia, Iraque, Israel, Líbia, Nigéria, Paquistão, Sri Lanka e Síria são os países que se mantêm na listagem de hostilidade social muito alta. Já em países como Marrocos, houve uma clara melhoria. De acordo com o Protestante Digital, a recente mudança de governo naquele país poderá reforçar ainda mais essa evolução positiva. Depois de dez anos à frente do executivo, o partido islamista sofreu uma estrondosa derrota e o novo chefe do Governo é o laico liberal Aziz Akhannouch. “Estamos muito orgulhosos porque o islão político saiu do governo através de umas eleições e das urnas, em vez de golpes de Estado como aconteceu no Egito ou na Argélia”, afirma uma comunidade cristã, citada pelo mesmo jornal. “Akhannouch é um homem de negócios. Não importa se adoras o sol ou a lua, não te perseguirá”, concluem.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This