Personalidades escrevem ao embaixador da Índia a apelar pelo padre Swamy

| 27 Jan 2021

Ramalho Eanes, Marisa Matias, Ana Rita Bessa, Carlos Fiolhais e Soromenho-Marques entre os subscritores de uma carta aberta ao embaixador da Índia. O documento é um apelo em favor do padre jesuíta detido há três meses e meio e dos defensores dos direitos humanos.

Jesuítas, Padre Stan Swamy, Índia

Manifestação junto da Casa da Índia, em Londres, a pedir a libertação do padre Swamy: o apelo renova-se também em Portugal. Foto: Direitos reservados

 

Meia centena de personalidades da política e da cultura, da educação e do activismo social escreveram uma carta aberta ao embaixador da Índia em Portugal, Manish Chauhan, manifestando a sua “apreensão e profunda preocupação pela violação dos direitos humanos, nomeadamente no tratamento dado” ao padre jesuíta Stan Swamy e a outros activistas, no estado de Jharkhand, da União Indiana.

“O P. Stan tem 83 anos, é defensor dos direitos humanos e trabalha há 50 anos em favor dos mais pobres e marginalizados da Índia, especialmente do povo indígena dos Adivasis”, diz o texto, publicado esta terça-feira no Diário de Notícias.

Entre os subscritores da carta, assinada em primeiro lugar pelo padre Miguel Almeida, provincial da Companhia de Jesus em Portugal, estão o antigo Presidente Ramalho Eanes, vários eurodeputados de diferentes partidos (incluindo Marisa Matias, que disputou as eleições presidenciais de domingo), deputados como Ana Rita Bessa (CDS) e Margarida Balseiro Lopes (PSD), antigos ministros e governantes como Marçal Grilo e Mota Soares, advogados como Francisco Teixeira da Mota ou professores universitários como Carlos Fiolhais e Viriato Soromenho-Marques.

O padre Stan Swamy está preso desde 8 de Outubro de 2020, acusado de terrorismo e de “ligações maoístas”. Mas a carta recorda que essas são falsas acusações, desde sempre negada pelo padre: “O jesuíta acredita que o Estado indiano o está a perseguir devido à sua oposição a algumas políticas governamentais e à sua luta pelos direitos dos Adivasis. O seu trabalho, em consonância com os valores da Constituição indiana, tem incluído a documentação do abuso de poder cometido contra os jovens indígenas e contra muitos dos que têm sido detidos por defenderem os seus direitos.”

Por outro lado, além da idade, o padre Stan sofre de Parkinson e tem uma saúde frágil. “Na prisão tem sido difícil assegurar-lhe as condições mínimas de dignidade, tendo sido forçado a dormir no chão durante vários dias e, só depois de vários protestos, foi possível dar-lhe um copo com palhinha, de que necessita para beber água autonomamente”, acrescenta o texto.

 

“Uma herança que merece ser celebrada”

A carta ao embaixador Manish Chauhan foi publicada na mesma data em que Índia celebra o seu 72º dia nacional e em que o país evoca também a entrada em vigor da sua Constituição. “É uma herança que merece ser celebrada e que resultou do esforço de tantos que se empenharam em alicerçar a Índia nos valores fundamentais do respeito pela igual dignidade humana, promovendo a justiça, a liberdade de pensamento, de expressão e de religião e a fraternidade entre iguais na unidade de um mesmo país”, lê-se no texto.

O embaixador Chauhan chegou há pouco tempo a Portugal e o texto que lhe é dirigido saúda o novo embaixador por esse facto, ao mesmo tempo que refere o ano “que ficará marcado pela cimeira União Europeia (UE)-Índia a realizar em Maio, em Portugal”.

A carta recorda ainda os relatórios internacionais que revelam “sinais preocupantes no que respeita à ameaça aos direitos humanos e à liberdade religiosa na Índia”. E cita os apelos de Michele Bachelet, Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, em Outubro, para que a Índia garanta “os direitos dos defensores dos direitos humanos no país, tendo referido nessa declaração a situação do P. Stan”; e dos 21 eurodeputados (dos três maiores grupos parlamentares: Partido Popular Europeu, Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas e grupo Renovar a Europa), dirigido ao primeiro-ministro Modi, pedindo a libertação do padre Swamy por razões humanitárias.

“Juntamo-nos agora a todos esses pedidos e, inspirados por figuras como Bhimrao Ramji Ambedkar (um dos pais da Constituição indiana) expressamos o nosso desejo de que a celebração de hoje seja ocasião para que o seu Governo se comprometa com determinação na defesa dos direitos humanos”, conclui a carta.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This