Pandemia e guerra são causas

“Perspetiva terrífica”: mais de 260 milhões vão cair na pobreza extrema

| 19 Abr 2022

pobreza mendigo foto direitos reservados

Os países desenvolvidos são os que apresentam um maior nível de desigualdade. Foto: Direitos reservados.

 

A pandemia da covid-19, a desigualdade que é cada vez mais gritante e o aumento do preço dos alimentos, provocado pela guerra na Ucrânia, vai atirar mais de 260 milhões de pessoas no mundo para a pobreza extrema, alertou a organização internacional humanitária Oxfam. “Uma perspetiva terrífica”, aponta um relatório.

Num documento divulgado esta terça-feira, a partir de projeções do Banco Mundial, a pandemia e “o agravamento da situação de desigualdade” levarão à pobreza extrema 198 milhões de pessoas, a que somarão outras 65 milhões de pessoas com “o aumento dos preços mundiais (devido à guerra)”,  num total que soma “263 milhões, o equivalente à população conjunta do Reino Unido, França, Alemanha e Espanha”.

Com a atual crise de preços, provocada pela invasão da Ucrânia pela Rússia — dois grandes produtores de cereais — já há vários governos que estão obrigados a reduzir gastos públicos para importar alimentos, combustíveis e pagar aos seus credores. O setor da alimentação já tinha sido muito penalizado com a pandemia, e agora é atingido pelo aumento dos preços.

Esta tempestade perfeita acaba por afetar principalmente as pessoas que já vivem em situação de pobreza: nos países ricos, o custo dos alimentos representa 17% dos gastos dos consumidores, enquanto que nos países subsarianos esta percentagem dispara para os 40%.

Os países desenvolvidos são os que apresentam um maior nível de desigualdade: nos EUA, por exemplo, as 20% famílias mais pobres gastam 27% do seu rendimento em alimentos, enquanto que as 20% famílias mais ricas despendem apenas 7% do rendimento para a sua alimentação, explica o relatório da Oxfam, divulgado pelo Instituto Humanitas Unisinos.

Com os salários reais estagnados ou mesmo a diminuir, a situação tende a agravar-se, destaca o relatório.“A epidemia devastou os cofres públicos de todos os governos, mas os desafios económicos enfrentados pelos países em desenvolvimento são mais graves, porque lhes foi negado o acesso igualitário às vacinas, e agora são obrigados a recorrer a medidas de austeridade”, concluem os autores do documento da Oxfam.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This