Pessah, a Páscoa judaica, a grande festa da liberdade

| 26 Mar 2021

A origem situa-se há mais de três mil anos e desde aí, cada ano, os judeus recordam o sucedido. É a grande festa da liberdade, é a “memória da libertação do Egipto, transmitindo-a aos mais novos”. Isaac Assor, hazan da sinagoga Shaaré Tikva (Portas da Esperança), em Lisboa, explica deste modo o sentido de Pessah, a Páscoa judaica, que se inicia neste sábado, 27 de Março.

A Páscoa judaica, que neste ano se prolonga até dia 4 de Abril (dia 22 de Nissan no calendário judaico) tem o seu ponto maior nestes dois primeiros dias, durante os quais se faz a Hagadah – a narrativa da libertação do Egipto, contada sobretudo no livro bíblico do Êxodo.

Na ceia de Páscoa – que em rigor não é ceia, pois não há o templo, onde eram sacrificados os cordeiros, como na Páscoa inicial – uma série de alimentos adquirem uma função simbólica. Gastronomia, cordeiro pascal, tradições, rituais e simbolismos cruzam-se nesta memória, que é feita sobretudo no âmbito familiar.

Nesta celebração, os mais novos assumem um papel importante, pois é também para que eles apreendam o que se passou que desde há três milénios se repete a mesma narrativa bíblica e tradicional.

No vídeo que pode ser visto a seguir, Isaac Assor explica a história, o sentido e os simbolismo da Páscoa judaica, intercalando a explicação com a recitação de trechos dos textos bíblicos ou das narrativas tradicionais que são incluídos na Hagadah, alguns deles em ladino, a língua dos judeus ibéricos.

 

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This