Petição na internet pede descarbonização da economia em nome da saúde pública

| 28 Jun 20

Ambiente. Atmosfera. Poluição. São Paulo.

A cidade de São Paulo debaixo de um céu poluído. Foto © paulisson miura/Wikimedia Commons.

 

Em Portugal, em 2017, morreram 3.540 pessoas com patologias relacionadas com a poluição atmosférica (morrem sete milhões, anualmente, em todo o mundo). A Assembleia da República deve colocar “na agenda legislativa com máxima prioridade” o problema da poluição atmosférica, “para que numa fase mais estável e normalizada da nossa vida colectiva possamos finalmente levar a cabo políticas públicas de conversão energética e descarbonização da nossa economia e das nossas cidades, em nome do nosso bem-estar colectivo e do das futuras gerações”.

O apelo surge numa petição que está disponível na internet, com o título “Despoluir/Descarbonizar a Economia e as Cidades – uma questão urgente de saúde pública”. Dinamizada por Ruben David Azevedo, professor e colaborador do 7MARGENS, a petição pede ainda que sejam promovidas “novas fontes de energia que há muito existem e são conhecidas”. E cita o hidrogénio, a luz solar, a electricidade, para acrescentar: “No imediato, é urgente tirar os automóveis dos centros urbanos, apostar forte nos transportes públicos, promover formas de mobilidade limpa e muito mais benéfica para a saúde física e mental, como o andar a pé, as bicicletas, etc. (…) estão a morrer cidadãos nas cidades, milhares anualmente, milhões em todo o mundo, por causa da poluição derivada da combustão fóssil”, o que significa que se trata “de uma questão de saúde pública que há muito devia estar nas agendas políticas dos estados.”

A petição fala ainda da situação criada pela pandemia, lembrando que as quarentenas impostas reduziram a poluição em 50% e que a poluição atmosférica tem contribuído “para um número crescente de mortes relacionadas com doenças cardiovasculares, cancro, doenças do foro respiratório e até do sistema nervoso”. A petição cita, além de número de vítimas em Portugal, as 13.400 que morreram em Espanha, 45.400 na Ucrânia ou 851.700 na China.

A situação vivida com a pandemia “ensina-nos, todos os dias, a dimensão das nossas fragilidades”, justifica a petição, “e o perigo de darmos por adquirido aquilo a que nos habituamos a chamar de ‘normalidade’”, bem como o facto de podermos “ainda ser vítimas de problemas que julgávamos deixados lá para trás, em eras mais ou menos longínquas”.

Por isso é necessário “reorientar com humildade e humanidade os propósitos que nos devem guiar, enquanto civilização, na direção de um mundo em que o indivíduo não seja tido apenas como engrenagem e carne para canhão a sacrificar no altar do crescimento pelo crescimento, ou do lucro pelo lucro, da razão económica ou de estado”. E em que “o ar que se respira não seja como um veneno que mata devagar, que mine irreversivelmente a qualidade de vida de um ser humano a médio/longo prazo, ou condicione negativamente a formação e o crescimento das crianças e dos jovens”.

A petição encontra-se disponível para subscrição num endereço da Petição Pública.

 

Artigos relacionados

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Fazer férias e “oferecer” o 7MARGENS a alguém amigo

Queremos multiplicar o número de leitores do 7MARGENS.
Todos os apoios são relevantes. E a ajuda para que seja cada vez mais vasta a nossa comunidade de leitores é imprescindível: com mais leitores poderemos ter mais apoios e com estes podemos fazer mais e melhor informação.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Abertura da nova sede do CELAM

Francisco relembra as três idolatrias

Recusem a mediocridade espiritual, o pragmatismo dos números e o funcionalismo que sempre ameaçam a marcha do Povo de Deus, recomendou o Papa Francisco aos bispos latino-americanos na sua mensagem por ocasião da inauguração da nova sede do Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

É notícia

Entre margens

Na ressaca da abundância

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Cultura e artes

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This