Plano de recuperação sem recuperação do plano?

| 2 Ago 20

Os planos de desenvolvimento económico e social, previstos nos artºs. 90º.-91º. da Constituição da República, nunca se efetivaram, embora sejam aprovadas anualmente as grandes opções… do plano…  No I Governo constitucional, a prof. Manuela Silva, na qualidade de Secretária de Estado responsável  pelo planeamento, elaborou, com a sua equipa, um projeto de plano, mas não conseguiu a necessária aprovação; esta não aprovação é tanto mais significativa quanto o projeto se distinguia bem dos planos de fomento anteriores a Abril de 1974 e introduzia o objetivo do pleno emprego, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), que nunca tinha sido, nem voltou a ser, assumido em Portugal.

Até agora, não existem indícios de o Plano de Recuperação Económica e Social se fazer com base num plano constitucional, até porque é curtíssimo o prazo previsto para a apresentação do respetivo projeto. Mas nada obsta a que o próprio plano de recuperação dê origem à elaboração do plano de desenvolvimento económico e social para 2022 e anos seguintes.

Com esse objetivo, talvez não se justifique a criação de uma organização idêntica ao departamento central de planeamento, criada outrora para os planos de fomento, embora devam existir uma coordenação e dinamização adequadas; com efeito, os diferentes centros de estudo e investigação existentes podem assegurar os trabalhos técnico-científicos necessários. Mas, pelo contrário, será indispensável uma participação verdadeiramente universal, desde a base até à cúpula, e vice-versa, de modo que nenhuma localidade, nenhuma pessoa, nenhum problema e nenhuma potencialidade fiquem excluídas.

Para tanto, existe atualmente um potencial enorme de capacidades não só nos órgãos de soberania mas também nas autarquias locais, nas comissões de coordenação e desenvolvimento regional; nos parceiros sociais, no Conselho Económico e Social, na Comissão Permanente de Concertação Social e em todas as organizações sindicais e profissionais, patronais e empresariais; nas iniciativas e associações de desenvolvimento local, bem como nas comissões de moradores  ou de vizinhança; nas inúmeras instituições e em todo o movimento associativo, institucionalizado ou não, no voluntariado em geral, reconhecido ou não oficialmente…; e, na base de tudo, em cada cidadão, cada pessoa, cada família, tradicional ou não, e nas pequenas comunidades.

O facto de o prof. António Costa Silva, na sua Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica e Social de Portugal 2020-2030, citar Karl Polanyi,  no ponto 2.7, a propósito das “deficiências dos mercados autorregulados”, poderia suscitar uma opção clara a favor do planeamento plural e participativo. Recordemos, a propósito,  que João Paulo II defendeu uma “planificação global”, como expressão de “solicitude global” que, “em última análise, pesará sobre os ombros do Estado”; isso não implica “uma centralização operada unilateralmente”, mas sim “uma coordenação justa e racional, no quadro da qual deve ficar garantida a iniciativa das pessoas, dos grupos livres, dos centros e dos complexos de trabalho locais”. (encíclica Laborem Exercens, 1981, nº. 18). Enquanto não existir este planeamento, sem exclusão de nenhuma pessoa, problema ou potencialidade, corremos o risco de os largos milhões de euros, esperados da União Europeia, se esgotarem nos circuitos habituais; risco afinal de manutenção da pobreza endémica e das desigualdades injustas.

 

Acácio F. Catarino é consultor social

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Afeganistão

Talibãs obrigam mulheres a cobrir-se

O Ministério afegão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício colocou cartazes por toda a capital, Cabul, ordenando às mulheres que se cobrissem. “O que eles estão a tentar fazer é espalhar o medo entre as pessoas”, disse uma estudante universitária, defensora dos direitos das mulheres.

Eurostat

Desemprego dos jovens portugueses mais distante da média da UE

A percentagem de jovens portugueses com menos de 25 anos encontrava-se nos 22,4 por cento em novembro de 2021, segundo dados que o Eurostat acaba de publicar. Essa percentagem representa uma ligeira melhoria relativamente ao mês homólogo do ano anterior, mas revela igualmente um fosso maior face à média da União Europeia.

Alianças evangélicas

O apelo à paz no Cazaquistão

A Aliança Evangélica Mundial e a Aliança Evangélica da Ásia Central vieram expressar uma grande preocupação com a atual agitação política e social no Cazaquistão, pedindo o fim imediato da violência e do incitamento à violência.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Máximo histórico

Quatro em cada dez espanhóis dizem-se ateus ou não crentes

O estudo mais recente do Centro de Investigações Sociológicas de Espanha revela que quase quatro em cada dez espanhóis (38,7%) se declaram ateus ou não crentes e são apenas 16,7% os inquiridos que se assumem como católicos praticantes. Trata-se do máximo histórico do número de não crentes e do valor mais baixo alguma vez registado em relação aos católicos praticantes. Se a tendência se mantiver, estima-se que dentro de dois anos o número de não crentes no país ultrapasse, pela primeira vez, o de crentes.

Entre margens

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

2022: aprender a construir a paz

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

“Matar os nossos deuses” – a propósito do Dia Mundial da Religião

Celebra-se neste terceiro domingo de janeiro o Dia Mundial da Religião, que promove a ideia da compreensão e a paz entre todas as religiões. Através de uma série de eventos realizados em todo o mundo, os seguidores de todas as religiões são incentivados a conhecer e a aprender mais acerca das outras religiões e respetiva fé. Reconhecendo-se que, durante séculos, as diferentes religiões e credos lutaram muitas vezes entre si, ignorando muitos dos seus valores comuns, torna-se, pois, necessário que se trabalhe em prol de um entendimento pacífico entre todos.

Cultura e artes

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Uma história de salvação, um núcleo palpitante

Nesta belíssima obra agora disponível, James Dunn – biblista britânico que dedicou a sua vida ao estudo da história do primeiro século do Cristianismo – proporciona ao leitor uma viagem através dos diversos escritos do Novo Testamento, neles buscando os traços da mensagem e da vida de Jesus.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This