Plano de recuperação… Também social?

| 13 Ago 20

Um sem-abrigo em Lisboa: o plano fala das pessoas e do combate à pobreza e às desigualdades , mas coloca as pessoas como destinatárias e não como centro das ações. Foto © Ozias Filho

 

1. A “Visão Estratégica para a Recuperação Económica e Social de Portugal 2020-2030”, proposta pelo prof. António Costa Silva (ACS) a pedido do primeiro-ministro, revela um conhecimento invulgar das realidades económicas, na perspetiva científica e na institucional, bem como forte consciência das limitações que nos condicionam. O “setor social” é abordado no ponto 3.1.4, a seguir ao 3.1.3 relativo à “saúde e o futuro”.

Para o setor social, ACS considera “imperioso colocar as pessoas no centro do Programa de Recuperação, o que significa reduzir as desigualdades e erradicar a pobreza”, através de três conjuntos de programas destinados a: (a) “Concretizar (…) investimentos sociais já previstos”; incluem-se aqui os programas relativos à habitação, às desigualdades escolares e à população mais idosa, não se referindo a portadora de deficiência;  (b) “Enfrentar, desde o início, problemas sociais que podem ser agravados pelo próprio sucesso do programa de recuperação”; incluem-se aqui os programas de apoio à manutenção de postos de trabalho menos qualificados e de criação de emprego social;  (c) Assegurar a sustentabilidade da segurança social, tendendo eventualmente para o financiamento com base no valor acrescentado.

2. Os três grandes objetivos preconizados pelo autor da “Visão Estratégica…” – as pessoas, as desigualdades e a pobreza – sintetizam bem algumas linhas de rumo fundamentais para o futuro, mas não têm correspondência adequada na aludida “Visão Estratégica…”. De facto, as pessoas surgem aí como destinatárias de ações do Governo e de outras entidades, e não como centro ativo e determinante de ação (cf., a propósito e em sentido diferente, a Constituição [do Concílio Vaticano II] Gaudium et Spes, nº. 25). Por outro lado, a redução das desigualdades não está associada à erradicação das que são injustas nem a um esboço de estratégia eficaz. Também não está clarificado o conceito de erradicação da pobreza nem se esboça a respetiva estratégia.

Deste modo, corre-se o risco de persistir a subalternidade dos problemas e dinamismos sociais perante a força da economia. Talvez se atenuasse, ou infletisse, a subalternidade se fosse cumprida a Constituição da República no articulado relativo aos planos de desenvolvimento económico e social (artºs. 90º.-91º.); e, melhor ainda, se fosse promovido o desenvolvimento local, a partir da freguesia e do protagonismo de cada pessoa e instituição.

3. Os três conjuntos de programas atrás referidos – para a concretização de investimentos previstos, para a correção de efeitos negativos do Plano de Recuperação e para a sustentabilidade da segurança social – não correspondem, por enquanto, às necessidades atuais nem às previsíveis, porque:

3.1. A designação do primeiro conjunto deveria abranger não só os programas que vêm do passado, mas também todos os necessários no presente e no futuro. Considerando a vastidão de tais necessidades e a provável insuficiência orçamental para lhes fazer face, impor-se-ão uma clarividência social, um rigor tecnocientífico e uma parcimónia financeira bastante exigentes. Registe-se, a propósito, que ainda não existe um plano de respostas sociais para cobertura adequada de todas as pessoas em situação de necessidade, e também ainda não se verificam algumas condições, para que ele seja elaborado e executado, tais como: a difusão de estatísticas sobre os casos sociais acompanhados nas diferentes localidades ao longo do ano; a complementaridade da atual “Carta Social”, difundida regularmente pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, que abrange a oferta de respostas sociais, mas não a respetiva procura nem as necessidades não atendidas; o reconhecimento efetivo da ação social de vizinhança, que já é bastante apreciada, e até louvada, nas situações de calamidade ou afins; um órgão nacional de coordenação da ação/intervenção social em que participem representantes, pelo menos, do Governo, das autarquias locais, das instituições particulares de solidariedade social e do voluntariado; o funcionamento efetivo, em todos os municípios e freguesias, dos respetivos conselhos locais de ação social e das comissões sociais de freguesia…

3.2. Os programas e medidas destinados à correção dos efeitos negativos do Plano de Recuperação precisam de maior abrangência e profundidade do que as previstas no documento de ACS. Tais programas deveriam ser indissociáveis dos planos de desenvolvimento económico e social, com a vertente local, vinculados à satisfação das diferentes necessidades e ao desabrochamento de todas as potencialidades. Além disso, há que ter em conta os inúmeros e insistentes contributos, neste domínio, da Organização Internacional do Trabalho, da União Europeia e de outras organizações internacionais;

3.3. Relativamente à sustentabilidade da segurança social, importa considerar não só o respetivo financiamento, mas também as suas responsabilidades, incluindo a de não votar ao abandono nenhuma pessoa necessitada, mesmo que escasseiem as prestações adequadas. Registe-se que nunca foi estimado o custo financeiro das responsabilidades sociais decorrentes da Constituição da República (cf., em especial, os artºs. 63º.-72º.) nem se procedeu à união de esforços para que nenhuma pessoa fique votada ao abandono; abundam experiências orientadas por tal propósito, mas falta uma ação estratégica verdadeiramente universal – local e nacional.

4. Enquanto não se alterarem os contornos socioeconómicos em que temos vivido… há séculos, não existem motivos consistentes para confiarmos na dimensão social dos milhares de milhões de euros esperados da União Europeia; se se mantiverem as tendências do passado, eles não contribuirão decisivamente para a erradicação da pobreza e das desigualdades injustas nem para o desenvolvimento de todo o povo português e imigrantes, sem exclusões.

 

Acácio F. Catarino é consultor social

 

UE: Cipriota Christos Stylianidis velará pela liberdade religiosa

UE: Cipriota Christos Stylianidis velará pela liberdade religiosa novidade

“Agradeço profundamente ao Colégio de Comissários da Comissão Europeia pela minha nomeação como Enviado Especial para a promoção da liberdade de religião ou crença fora da União Europeia”. Foi assim que o político cipriota Christos Stylianidis reagiu à escolha do seu nome para dar continuidade a uma função que tinha sido interrompida em 2019 e que alguns entendiam não ser imprescindível.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

Quadrado da serenidade ou testemunho de ser novidade

Desde há mais de um ano que uma percentagem muito significativa do que aparece escrito tem, direta ou indiretamente, a ver com o mundo em que o nosso mundo se transformou diante da invasão por esta pandemia de covid-19. Não se trata de uma secagem da imaginação humana, mas da pregnância que este fenómeno de tão larga escala assumiu.

Hans Küng, de “A Igreja” ao “Projeto Para Uma Ética Mundial” novidade

Küng é um profeta do nosso tempo, e isso viu-se quando a Congregação para a Defesa da Fé (antiga Santa inquisição) o sancionou, retirando-lhe a cátedra e o múnus. Hans Küng deixou na sua obra a beleza de ser cristão, da reflexão sem cadeias e a proposição de que as questões infalíveis não o são; por isso a Igreja deve estar-lhe grata e aprofundar o seu pensamento. Um dia a história saberá quem foi este grande teólogo.

O desaparecimento dos gigantes da fé

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Cultura e artes

Ter uma casa não é ter um lar novidade

Apesar de uma carreira já muito premiada (vencendo inclusive os Óscares para Melhor Filme, Melhor Realizador e Melhor Actriz, dos seis para que estava nomeado) Nomadland – Sobreviver na América nunca será um filme consensual. E cada um vê-lo-á de um ponto de vista diferente, como sempre. Eu digo, desde já, que é um filme que vale muito a pena ver.

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This