Cinema

Plantar uma árvore no mar

| 14 Out 21

A Metamorfose dos Pássaros, de Catarina Vasconcelos

 

Comecemos então por aqui, por aquele barco no mar que leva uma planta e duas personagens. Apesar de Catarina Vasconcelos dizer (nas suas entrevistas) que não é crente, ao contrário da avó e do avô, são muitos os sinais e as memórias do que podíamos chamar uma linguagem evangélica. Ao ver aquele barco arrastado e a entrar no mar carregado com uma planta não pude deixar de pensar no incrível repto de Jesus, justamente a propósito da fé: “Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a essa amoreira: ‘Arranca-te daí e planta-te no mar’, e ela havia de obedecer-vos.” (Evangelho de Lucas 17,6).

Para não falar também da casa como que invadida pelas plantas, nascidas, diz um dos narradores, de todas as pequenas sementes que a mãe guardava pela casa e que, como o grão de trigo, morreram para se multiplicarem e fazerem vida nova.

A Metamorfose dos Pássaros, de Catarina Vasconcelos

Estou a tentar falar de um dos mais belos filmes que já pude ver, A Metamorfose dos Pássaros. Diria que é uma serena e belíssima meditação sobre a vida depois da morte, da vida de nós que continuamos a viver depois de nos morrerem aqueles que mais amámos: “Mas a mim interessa-me saber como lidamos com a morte, como continuamos.” É uma meditação encantada e encantadora sobre o sentido da vida que redescobrimos ou reencontramos nos pequenos gestos, pequenos objectos e sinais, fotografias, recantos, memórias, espelhos, entre o desfocado e o ampliado para se poder ver melhor. Tendo a casa como espaço e mesmo personagem central, porque lugar onde estão guardadas e gravadas as maiores vivências da família.

Ainda antes de acrescentar só mais alguma coisa sobre o filme, deixem-me fazer esta inconfidência: no dia em que o fui ver, por acaso, tinha estado de manhã a fazer uma pequena gravação para um vídeo-documentário sobre o poeta Daniel Faria, já falecido, mas que faria este ano cinquenta anos de vida. E mais do que uma vez, me lembrei de alguns dos seus poemas, pensava eu ‘condicionado’ por ter estado a falar dele. Mas, já depois, quando fui ler a entrevista da realizadora no Ípsilon/Público, de 8 de outubro, encontrei esta confissão: “À parte disto tudo, há um poeta, Daniel Faria… não tenho palavras para explicar o que sinto quando o leio, a relação com o transcendente, com o religioso. Não sou religiosa mas consigo relacionar-me com o não palpável.” Alguns versos de um seu poema: “As mulheres aspiram a casa para dentro dos pulmões/ E muitas transformam-se em árvores cheias de ninhos… É à janela dos filhos que as mulheres respiram/ Sentadas nos degraus olhando para eles e muitas/ Transformam-se em escadas// Muitas mulheres transformam-se em paisagens/ Em árvores cheias de crianças trepando que se penduram/ Nos ramos… As mulheres aspiram para dentro/ E geram continuamente…”

A Metamorfose dos Pássaros é sobre o luto. No centro do filme e como sua fonte está a morte, a morte da avó – que a realizadora não conheceu e queria ter conhecido – e a morte da mãe – quando Catarina tinha apenas dezassete anos. Diz ela: “Eu tinha esta ideia de falar do luto, da morte de alguém, e realmente o luto é uma enorme aventura.” “A ideia de que quando se passa pela perda de alguém a vida continua mas ficamos num sítio, mulheres e homens estátua, uma parte de nós morre, e esse luto não é só a morte de uma pessoa exterior é também a morte do nosso interior, essa ideia do tableau vivant é uma ideia muito interior, de nos sentirmos fora de tempo. São as chaves do luto, da perda.”

A Metamorfose dos Pássaros, de Catarina Vasconcelos

 

“Jacinto – diz ela ainda na referida entrevista – é a junção dos nossos medos, das nossas saudades, de coisas que aconteceram e que não aconteceram, e das nossas mães”.

Voltemos à imagem inicial deste texto e deixemo-nos embarcar na consoladora aventura deste filme, feito de fragmentos de memórias – como quem constrói um puzzle – mais reais ou mais imaginadas, de amor e de ternura, do passado e do presente, de afectos e de saudades.

“O meu filme é uma tentativa de controlar coisas que são incontroláveis. É a tentativa de explicar uma coisa inexplicável: a morte. Acontece-nos. E temos de lidar com isso”, diz ainda a realizadora. Nunca mais esquecerei esta poética meditação sobre essa dor que nos dilacera. E tentarei recordar as histórias que são fonte de ressurreição.

“Trabalho a partir da existência da luz.” (Daniel Faria)

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar).

A Metamorfose dos Pássaros, de Catarina Vasconcelos
Documentário, Biografia
M/12; POR, 2021, cores, 101 min.

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This