Dia Mundial dos Pobres

Pobres: “envolver-se pessoalmente é a vocação de todo o cristão”

| 18 Nov 2023

 

Hoje, 19 de novembro, assinala-se o Dia Mundial dos Pobres, instituído há oito anos pelo Papa Francisco. Não é de somenos importância falar de pobres e não de pobreza. Estamos a falar de pessoas e não da pobreza enquanto objeto sociológico, universo de estudo económico ou estratégia de políticas públicas. Pessoas concretas: pais, mães, crianças, jovens, famílias, velhos abandonados à sua solidão, sem-abrigo… Talvez um nosso vizinho num bairro próximo. O mote para este sétimo Dia Mundial dos Pobres, “Nunca afastes de algum pobre o teu olhar”, convida-nos à proximidade, ao acolhimento, a olhar para a realidade do outro e colocarmo-nos no seu lugar, a olhar olhos nos olhos sem receios ou preconceitos. A frase é um combate à indiferença. Não basta delegar ou praticar uma caridade assistencialista, é necessário mudar transformando-nos. Como escreveu o Papa Francisco no ponto 4 da sua mensagem:
Vivemos um momento histórico que não favorece a atenção aos mais pobres. O volume sonoro do apelo ao bem-estar é cada vez mais alto, enquanto se põe o silenciador relativamente às vozes de quem vive na pobreza. Tende-se a ignorar tudo o que não se enquadre nos modelos de vida pensados sobretudo para as gerações mais jovens, que são as mais frágeis perante a mudança cultural em curso. Coloca-se entre parênteses aquilo que é desagradável e causa sofrimento, enquanto se exaltam as qualidades físicas como se fossem a meta principal a alcançar. A realidade virtual sobrepõe-se à vida real, e acontece cada vez mais facilmente confundirem-se os dois mundos. Os pobres tornam-se imagens que até podem comover por alguns momentos, mas quando os encontramos em carne e osso pela estrada, sobrevêm o fastídio e a marginalização. A pressa, companheira diária da vida, impede de parar, socorrer e cuidar do outro. A parábola do bom samaritano (cf. Lc 10, 25-37) não é história do passado; desafia o presente de cada um de nós. Delegar a outros é fácil; oferecer dinheiro para que outros pratiquem a caridade é um gesto generoso; envolver-se pessoalmente é a vocação de todo o cristão.

O 7MARGENS por diversas vezes tem chamado a atenção para o drama da pobreza. Mais recentemente, importa ler ou reler os textos que Eugénio Fonseca escreveu sobre a mensagem de Francisco para este dia. Ou ainda o programa da última sexta-feira 7MARGENS / Antena1.

Na sua mensagem do primeiro Dia Mundial dos Pobres, cujo tema foi “Não amemos com palavras, mas com obras”, escreveu Francisco:
Não pensemos nos pobres apenas como destinatários duma boa obra de voluntariado, que se pratica uma vez por semana, ou, menos ainda, de gestos improvisados de boa vontade para pôr a consciência em paz. Estas experiências, embora válidas e úteis a fim de sensibilizar para as necessidades de tantos irmãos e para as injustiças que frequentemente são a sua causa, deveriam abrir a um verdadeiro encontro com os pobres e dar lugar a uma partilha que se torne estilo de vida.(…) Portanto somos chamados a estender a mão aos pobres, a encontrá-los, fixá-los nos olhos, abraçá-los, para lhes fazer sentir o calor do amor que rompe o círculo da solidão. A sua mão estendida para nós é também um convite a sairmos das nossas certezas e comodidades e a reconhecermos o valor que a pobreza encerra em si mesma.


(…) Infelizmente, nos nossos dias, enquanto sobressai cada vez mais a riqueza descarada que se acumula nas mãos de poucos privilegiados, frequentemente acompanhada pela ilegalidade e a exploração ofensiva da dignidade humana, causa escândalo a extensão da pobreza a grandes sectores da sociedade no mundo inteiro. Perante este cenário, não se pode permanecer inerte e, menos ainda, resignado. À pobreza que inibe o espírito de iniciativa de tantos jovens, impedindo-os de encontrar um trabalho, à pobreza que anestesia o sentido de responsabilidade, induzindo a preferir a abdicação e a busca de favoritismos, à pobreza que envenena os poços da participação e restringe os espaços do profissionalismo, humilhando assim o mérito de quem trabalha e produz: a tudo isso é preciso responder com uma nova visão da vida e da sociedade.

Quando em 2022, 10,3% das pessoas que mesmo trabalhando e tendo já em conta as transferências sociais recebidas têm rendimentos inferiores ao limiar do risco de pobreza, cai por terra a ideia tão enraizada na sociedade portuguesa de que os pobres não querem trabalhar. Isto significa que sendo o salário parte fundamental da luta contra a pobreza, ele não é a única condicionante. Além de profundamente injusto, é inumano que quem contribui para a produção de riqueza seja impedido dela usufruir. Há ainda que recordar que quase 25% dos jovens estão em risco de pobreza ou exclusão social. Este é um problema demasiado sério na medida que veda aos jovens a possibilidade de futuro, mas também porque coloca em causa a sustentabilidade e a sobrevivência da sociedade.

Há algo no discurso sobre a pobreza e, de modo muito particular, sobre a procura de soluções para a sua erradicação, que é não apenas ilusório como também contribui para que sobre o problema a sociedade não tenha uma consciência crítica que possibilite uma verdadeira transformação. Quando nos referimos à pobreza como se de uma entidade se tratasse em vez de a olharmos como consequência de uma realidade diversa, desigual e injusta e que atinge pessoas concretas, acabamos por omitir as causas ou até mesmo desvalorizá-las. Centrar o foco na pobreza como um todo, sendo compreensível, torna-a aos olhos da sociedade como algo subjetivo e distante, acabando por responsabilizar os próprios pela sua situação.

Em Outubro de 2020, para assinalar o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, o governo criou uma comissão  (Edmundo Martinho como coordenador, Amélia Bastos, Carlos Farinha Rodrigues, Fernanda Rodrigues, Rui Marques, Rute Guerra e Ana Rita Gonçalves) que tinha como objetivo elaborar, até dezembro desse ano, a Estratégia Nacional de Combate à Pobreza ouvindo várias entidades da sociedade civil, do setor da Economia Social e Solidária e do Desenvolvimento Local. Passados três anos, e após debate publico, o governo apresentou em outubro passado a Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP), a qual inclui mais de 270 medidas e que terá dois planos de ação com dois horizontes temporais diferentes para as concretizar (2022-2025 e 2026-2030). Foi ainda criada a comissão técnica de acompanhamento da Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP) 2021-2030, presidida por Sandra Araújo, coordenadora nacional da Estratégia Nacional de Combate à Pobreza e da qual fazem parte  Carlos Farinha Rodrigues, Fernanda Perpétua Rodrigues e Rui Marques. A Comissão Técnica integra as áreas governativas e serviços com envolvidos na execução das medidas que executam a ENCP: Presidência, Educação, Segurança Social, Saúde, Infraestruturas, Habitação e Coesão Territorial.

Espera-se que a ENCP atinja os seus objetivos e que da sua implementação e resultados se vá dando conta. Contudo, tal como chamou a atenção Eugénio Fonseca no programa 7MARGENS/Antena1, é um erro pensar-se que a questão da pobreza se resolve com medidas avulsas. É verdade que essas medidas são importantes e contribuem para melhorar a situação das pessoas, mas depois? Uma sociedade que gera pobreza no seu seio é porque sofre de males profundos, nomeadamente o tipo de organização e a forma como a riqueza é redistribuída. Num momento em que as sociedades se confrontam com mudanças profundas, nomeadamente antropológicas, ver-nos-emos obrigados a ir muito mais longe e a encetar uma reflexão profunda sobre o que valorizamos e que sociedade desejamos enquanto coletivo. E dificilmente se resolve se não envolvermos na procura de soluções os que mais sofrem: os pobres.

Enquanto exercício de cidadania, e já agora enquanto crentes, cabe-nos sermos exigentes com quem tem o poder de decisão. Trata-se de uma árdua tarefa coletiva que não se resolve com solidariedade, mesmo se necessária em tempos de maior urgência, mas com consciência social. Ou seja, a capacidade que temos de individual e coletivamente, no nosso quotidiano, construirmos uma sociedade mais justa, democrática, sustentável e inclusiva.

Como escreveu Francisco na sua mensagem: a tudo isso é preciso responder com uma nova visão da vida e da sociedade.

 

José Centeio é editor da opinião no 7Margens e membro do Cesis (Centro de Estudos para a Intervenção Social )contacto: jose.centeio@gmail.com 

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This