Pobreza, vergonha de todos nós

| 3 Ago 20

Cerca de 21,6 % da população que vive em Portugal, mais de uma em cada cinco pessoas, segundo dados do INE, vive uma situação de pobreza ou exclusão social. Mesmo as pessoas com emprego podem também ser consideradas pobres ou em risco de pobreza, se o seu ordenado não ultrapassar os 500 euros mensais. Se a degradada situação social do país já era um problema grave, com a chegada da covid-19, esta chaga social ainda mais se dilatou.

As razões desta grave situação são bem conhecidas. O elevado aumento de desemprego, causado pela pandemia, tem gerado um volume de desempregados, em quase todos os setores da nossa vida económica, apesar de alguns apoios do Governo. São famílias inteiras desempregadas, pelas mais diversas razões, relacionadas sobretudo com a pandemia que colocou a economia em cuidados intensivos.

Lembremos ainda a situação periclitante relativa aos jovens que têm entrado no mercado do trabalho, muitas vezes obrigados a aceitar condições indignas de um ser humano, sem contratos de trabalho ou contratos que não respeitam as leis vigentes do país. Por tudo isto, a pobreza ou a exclusão social, neste momento, devido ao elevado desemprego, atinge uma situação alarmante, com 58,4% da população em risco de pobreza, se a economia não arrancar nos próximos tempos. Certamente, com a preciosa e indispensável ajuda da União Europeia, que já acenou com a promessa de alguns milhões de euros.

Lembremos ainda a chegada de emigrantes, oriundos de várias partes do mundo. Nomeadamente, do Médio Oriente, sírios e libaneses. Do norte de África, sobretudo de Marrocos, e ainda da Ásia. Quase todos eles a viverem em péssimas instalações, no limiar da miséria. Como nos mostram as reportagens da comunicação social, encontram-se espalhados pelo país, mas sobretudo, nas obras da construção civil, em fábricas e na agricultura, sobretudo no Alentejo e no Algarve. Aceitando qualquer salário, vendem a sua força de trabalho por ordenados de miséria e em condições indignas, próximas da escravatura.

Note-se que mesmo as pessoas empregadas podem também pertencer à categoria dos pobres, desde que tenham alguns filhos ou familiares a seu cargo. Já não falando dos divórcios que, por vezes, deixam as pessoas numa degradada situação económica. Como uma recente reportagem da televisão mostrou, muitos destes casos acabam por levar algumas mulheres e mães a uma situação de prostituição forçada, para darem alimento e cuidados aos seus filhos. Junte-se a estes casos dolorosos o elevado número de crianças e jovens em risco de pobreza, a atingirem um quinto da população mais jovem.

O que hoje é novo na nossa situação de pobreza é a falta de autonomia económica e o elevado número de novos casos no país. Quem não ouviu já referir na comunicação social que mesmo pessoas da classe média e, por vezes alta, se encontram a receber apoios do Banco Alimentar, à procura do pão nosso de cada dia para quem, de um momento para o outro, tudo faltou, pelas mais diversas razões das suas vidas?

Perante esta nova e preocupante realidade, temos de olhar para este novo tipo de pobreza, que faz com que haja pessoas a passar momentos muito difíceis e sem saídas à vista, sobretudo nas grandes cidades.

Segundo o cardeal Tolentino, no genial discurso proferido no Dia de Portugal e das Comunidades, “ninguém pode ser deixado para trás”, numa altura em que o país vegeta, com pedintes de todos os setores da sociedade civil, procurando ajuda do Estado para as suas empresas, as hoje hibernadas pequenas e médias.

Face a esta situação, um recente documento enviado ao Governo, por um conjunto de individualidades da nossa sociedade, pedia que “este inscreva o combate à pobreza, como a primeira prioridade do país”. Este problema, nesta altura complexa e de tamanha desolação, remata o texto, “deve ser a prioridade das prioridades”.

O mesmo documento referia ainda que, “segundo os dados da OCDE, Portugal é dos países desenvolvidos onde é mais difícil sair da pobreza ou, do outro lado, deixar de ser rico”.

Este pertinente documento pedia ainda que o Governo garanta uma política social e solidária com uma ação multidisciplinar e integrada junto das famílias pobres, combatendo os problemas estruturais do país. Só assim, a pobreza e o escândalo da miséria poderão deixar de ser a vergonha de nós todos.

 

Florentino Beirão é professor do ensino secundário. Contacto: florentinobeirao@hotmail.com

 

Artigos relacionados

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas” novidade

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Eurorpeia a 23 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia

Mais de 220 milhões de crianças são vítimas de exploração sexual

No Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Pessoas, assinalado esta quarta-feira, 23 de setembro, as Missões Salesianas alertaram para o facto de existirem atualmente no mundo mais de 150 milhões de meninas e 73 milhões de rapazes vítimas de exploração sexual, ou obrigados a manter relações sexuais sem o seu consentimento. Outros dois milhões de menores são ainda vítimas de tráfico para fins de exploração sexual, de acordo com a Organização Internacional de Trabalho. Para combater esta “forma de escravidão do século XXI”, os Salesianos têm em marcha projetos de educação e prevenção em diversos países, nomeadamente na Nigéria, Índia e Gana.

Cardeal Tolentino recebe o hábito dominicano

O cardeal José Tolentino Mendonça vai receber o hábito dominicano, no próximo dia 14 de novembro, no Convento de São Domingos, em Lisboa. A iniciativa surgiu da Ordem dos Pregadores (nome pelo qual são conhecidos oficialmente os dominicanos), devido à amizade de longa data que os une ao cardeal e ao reconhecimento da sua forte identificação com o carisma dominicano. “Foi um convite que lhe fizemos e ele aceitou de imediato por se identificar com o carisma de São Domingos, e deu-se a feliz coincidência de, quando ele foi feito cardeal, ter ficado titular da igreja de São Domingos e São Sisto, em Roma. Ele próprio assumiu nesse dia a sua ligação aos Dominicanos”, recordou frei Filipe Rodrigues, mestre de noviços e dos estudantes à agência Ecclesia.

Padre polaco acusa cardeal Dziwisz de encobrir abusos de menores

O padre polaco Isakowicz-Zaleski divulgou no seu blogue pessoal a carta que terá entregue em mãos ao cardeal Stanislaw Dziwisz, arcebispo de Cracóvia, em 2012, na qual denunciava a prática de atos de pedofilia por parte de um outro padre, Jan Wodniak. Zaleski acusa Dziwisz de ter encoberto tais atos, o que o levou a traduzir a carta para italiano e enviá-la, um ano depois, diretamente à Congregação para a Doutrina da Fé, no Vaticano. Wodniak viria a ser condenado em 2014. Dziwisz diz nunca ter recebido a carta de Zaleski.

Justiça angolana encerra todos os templos da IURD no país

No mesmo fim de semana em que foram retomados os cultos religiosos em Luanda, suspensos desde março devido à pandemia de Covid-19, a justiça angolana iniciou um processo de encerramento e apreensão de todos os templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) no país. Desde novembro do ano passado que a IURD tem estado envolvida em diversas polémicas em Angola. Em agosto, a Procuradoria-Geral da República tinha já apreendido sete templos em Luanda, no âmbito de um processo-crime por alegadas práticas dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e exportação ilícita de capitais.

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco