Os rituais de nascimento rongas e portugueses

| 30 Jan 19

“A natureza dos homens é a mesma, são os seus hábitos que os mantêm separados” (Confúcio: séc. V a C.).

A frase epigrafada é inspiradora e desafiadora, por permitir, entre outras questões, fazer-se uma reflexão sobre o desconhecimento mútuo entre povos.

Tentando encontrar exemplos que a expliquem, foi possível analisar o baptismo na Cultura e Religião Bantu (CRB) (especificamente a ronga, do sul de Moçambique) e o mesmo ritual de nascimento, na perspetiva da Tradição Católica Apostólica Portuguesa (TCA).

Nesse sentido, algumas questões podem ser levantadas: como será que o ritual tem sido realizado em cada uma dessas tradições? Serão utilizados os mesmos símbolos? Terá ele as mesmas funções? Os mesmos equivalentes? Os mesmos significados? Será que a análise, compreensão e partilha do seu modus operandi poderá contribuir para o fomento da interculturalidade e conhecimento mútuo entre diferentes povos?

Estas ou outras questões do mesmo género têm sido colocadas na área das Ciências Sociais e Humanas. É de lá que vêm algumas respostas simples, mas profundas, sobre a importância de se estimular o conhecimento entre culturas e povos. Casos esclarecedores, sugeridos a partir do contexto em análise, podem ser encontrados tanto na Literatura moçambicana, como na portuguesa.

Por exemplo, José Tolentino Mendonça afirma que: […] “até agora somos o esterco do mundo” […], de onde se depreende que urge que se nos ensine a dialogar. Outros autores, através de textos de géneros diferentes, mas com o mesmo título, “Civilização” dizem-nos: […] “O riso acabou” […] (Eça de Queirós) e “Antigamente (antes de Jesus Cristo)/os homens erguiam estádios e templos/e morriam na arena como cães./Agora…/também já constroem Cadillacs” (José Craveirinha). A questão central nestas abordagens é a de que com os grandes avanços tecnológicos e científicos, aparentemente a humanidade cresceu, mas os Homens ainda não são civilizados. Daí a importância do diálogo para se fomentar o conhecimento mútuo porque, afinal, eles têm a mesma natureza.

Que conhecimento será que poderá ser explicado a partir de rituais de nascimento? Observando as acções desencadeadas na iniciação da criança nas duas tradições em análise, verifica-se a existência de semelhanças culturais que podem estimular o diálogo intercultural.

Descrevendo, de modo muito breve, a CRB, verifica-se que há quatro etapas a serem seguidas, nomeadamente: a imposição do nome à criança (Kutxula vito), dando-se-lhe um nome dos espíritos dos seus antepassados, o de um chefe da sua família/comunidade, o de um vizinho ou um nome ligado a um evento. Em qualquer dos casos, o nome recebido será daquele que passará a ser ou a simbolizar o padrinho da criança. Para realizar essa imposição é necessário que se invoquem os espíritos dos antepassados da família envolvida no acto (o kuphahla, pedido de bênçãos aos antepassados – eles é que intercedem pelas famílias bantu, junto a Deus). Esse evento deverá ser realizado logo a seguir à primeira lua nova após o nascimento da criança.

De entre vários pequenos actos que sucedem ao surgimento da lua nova, há que se destacar o grito que é dado pela primeira pessoa da aldeia que a vê e diz “Quengelekezeeeeeeeeee”, marcando o momento de as mães acabadas de dar a luz à uma criança serem purificadas e passarem a purificar os seus recém-nascidos. (Este momento e parte do ritual do baptismo são representados no poema “Lua Nova”, c.f. NORONHA, Rui. Os meus versos. Maputo: Texto Editores. Pp166-171. Importa ainda dizer que, do ponto de vista antropológico o baptismo ronga pode ser lido em JUNOD, Henri. Usos e Costumes dos Bantu. Tomo I. Maputo: AHM. 1996.)

É dessa sequência que o baptismo da criança ou a sua purificação é realizado, sendo designado Kutsivela. O mesmo consiste em defumar o corpo da criança com recurso a um composto de pedaços de pele de diferentes animais, seguida da sua disposição por cima de cinza. Segue-se depois o Kuyandla, no qual o doutor da família invoca os deuses do menor (os espíritos dos seus antepassados), dizendo: “Aqui está a criança, que cresça e se torne homem, graças a estas mesinhas”. A seguir, a mãe mostra ao bebé a sua lua (a primeira surgida, após o seu nascimento). Esse ritual termina com o Kubieketa, que é a entrega simbólica da criança à sua comunidade.

Do que consta, relativamente ao baptismo de bebés na TCA, é que este consiste da imposição do nome à criança; seguido pela marcação com o óleo do crisma, significando a necessidade de se afastar o diabo – num ritual durante o qual se realizava o kyrie eleison.

Nesse sentido, a celebração do nascimento da criança, marca o renascimento pela fé, num ritual cuja presença da comunidade é importante, até porque é necessária a existência de um padrinho, para que se realize o baptismo. Além dele, o mais importante é o reconhecimento de um ente superior, Senhor da vida e do universo a quem a criança deve ser entregue ou apresentada, logo à nascença. Este ritual é marcado pela presença da luz da vela, com o desejo de que ilumine a vida da criança, desde tenra idade.

Em síntese, nas duas tradições a função do baptismo é a mesma, a da purificação à nascença, realizada a partir da unção da criança com cinza ou com óleos (ainda que invertendo ou abdicando-se de parte das etapas, dependendo do presidente da cerimónia e das épocas). Há equivalentes que se podem estabelecer, por em ambas se marcar o renascimento com recurso à recepção da luz da lua ou da vela, esta que guiará a criança para os caminhos considerados aceites na comunidade ou pela religião na qual nasce e renasce. Tanto num como noutro evento a ideia é reinserir a criança na sociedade, algo desencadeado a partir da fé em um ente superior ao Homem (Deus), até porque é necessário invocarem-se os espíritos, ou através do kuphahla ou através do kyrie eleison. Por fim, há que se destacar a existência de testemunhas, que são a sociedade e os padrinhos.

Em ambas as tradições, os símbolos utilizados na realização do ritual são praticamente os mesmos. Na CRB: fumo, água, tiçãs (com óleo), lua, cinza, invocação dos espíritos dos antepassados (kuphahla); na TCA: fumo, água, óleo, velas e invocação de santos (kyrie eleison). A única grande questão é que esse ritual é realizado de modos diferentes nas duas tradições.

Depreende-se após essa descrição que “a natureza dos homens é a mesma, são os seus hábitos que os mantêm separados”. Daí a premência em estimular-se o diálogo intercultural entre povos. E o exemplo trazido através da comparação dos modos de fazer o baptismo poderão constituir um espaço de compreensão/diálogo moçambicanos e portugueses e quiçá entre muitos outros diferentes povos pelo mundo.

Sara Jona Laisse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica (Maputo, Moçambique)

Breves

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita novidade

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Boas notícias

Não há cerveja no Mundial do Qatar… mas há bagels casher

Iniciativa de dois rabinos

Não há cerveja no Mundial do Qatar… mas há bagels casher

A proibição da venda de bebidas alcoólicas nos recintos desportivos do Qatar tem gerado polémica, e chegou a temer-se que a comida casher (preparada de acordo com as leis judaicas) também tivesse sido banida. No entanto, graças a dois rabinos fãs de bagels e à Qatar Airways (que disponibilizou um espaço para a cozinha), os adeptos de futebol que sejam judeus praticantes não passarão fome durante o Mundial.

Outras margens

Cultura e artes

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima novidade

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

A narrativa que faltava ainda sobre os seminários

Livro “No Seminário Maior”

A narrativa que faltava ainda sobre os seminários

O romance “No Seminário Maior”, de Joaquim Tenreira Martins, antigo aluno desta instituição religiosa da Guarda, abre diversos cenários vividos, por centenas de jovens nos anos 60. Possuidor de várias licenciaturas, especializou-se em Ciências Políticas e Direito. O autor, de 77 anos, natural de Vale de Espinho, no concelho do Sabugal, trabalhou nas áreas sociais e culturais da Embaixada da Bélgica, desde 1972. Escreveu outros livros, tendo como pano de fundo a problemática da emigração portuguesa, naquele país.

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

Clássicos em Cena em 7ª edição

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

A Castro, de António Ferreira, e outras duas peças clássicas, serão objecto de duas leituras encenadas nas próximas sexta-feira e domingo. As sessões incluem-se no programa da 7ª edição dos Clássicos em Cena, que decorre na Livraria/Galeria Sá da Costa (R. Serpa Pinto, 19, ao Chiado, em Lisboa), com entrada livre, e também no canal do Teatro Maizum no YouTube.

Pessoas

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes

Hong Kong

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes novidade

O cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, foi condenado esta sexta-feira, 25 de novembro, a pagar uma multa de cerca de 500 euros pela sua colaboração com o 612 Humanitarian Relief Fund, que apoiou manifestantes pró-democracia a pagar multas e fianças em 2019. Sobre ele, recai ainda a acusação de conluio com forças estrangeiras, pelo que poderá vir a enfrentar penas mais graves.

Sete Partidas

Desobediência

Desobediência

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Sentido e valor da dualidade sexual

Sentido e valor da dualidade sexual novidade

A sociedade edifica-se a partir da colaboração entre as dimensões masculina e feminina. Em primeiro lugar, na sua célula básica, a família. É esta que garante a renovação da sociedade através da geração de novas vidas e assegura o desenvolvimento harmonioso e complexo da educação das novas gerações. Por isso, nunca um ou mais pais pode substituir uma mãe e nunca uma ou mais mães podem substituir um pai.»

Crentes e discípulos

Crentes e discípulos

Apesar de muitos confundirem os dois conceitos, a verdade é que ser crente no Deus dos cristãos é muito diferente de ser um discípulo de Jesus Cristo. Vejamos alguns contrastes entre ambos.

Valores, religiosidade e idade secular

Valores, religiosidade e idade secular

A publicação de Valores e Religiosidade em Portugal – Comportamentos e Atitudes Geracionais (Afrontamento, 2022) do cónego Eduardo Duque constitui oportunidade para refletirmos sobre a necessidade de compreender a importância dos valores éticos e religiosos na sociedade contemporânea. Importa recordar o que Hermann Broch (1886-1951) afirmou sobre o “vazio de valores”, que afeta a sociedade contemporânea e os seus efeitos na fragilização comunitária.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This