Os rituais de nascimento rongas e portugueses

| 30 Jan 19

“A natureza dos homens é a mesma, são os seus hábitos que os mantêm separados” (Confúcio: séc. V a C.).

A frase epigrafada é inspiradora e desafiadora, por permitir, entre outras questões, fazer-se uma reflexão sobre o desconhecimento mútuo entre povos.

Tentando encontrar exemplos que a expliquem, foi possível analisar o baptismo na Cultura e Religião Bantu (CRB) (especificamente a ronga, do sul de Moçambique) e o mesmo ritual de nascimento, na perspetiva da Tradição Católica Apostólica Portuguesa (TCA).

Nesse sentido, algumas questões podem ser levantadas: como será que o ritual tem sido realizado em cada uma dessas tradições? Serão utilizados os mesmos símbolos? Terá ele as mesmas funções? Os mesmos equivalentes? Os mesmos significados? Será que a análise, compreensão e partilha do seu modus operandi poderá contribuir para o fomento da interculturalidade e conhecimento mútuo entre diferentes povos?

Estas ou outras questões do mesmo género têm sido colocadas na área das Ciências Sociais e Humanas. É de lá que vêm algumas respostas simples, mas profundas, sobre a importância de se estimular o conhecimento entre culturas e povos. Casos esclarecedores, sugeridos a partir do contexto em análise, podem ser encontrados tanto na Literatura moçambicana, como na portuguesa.

Por exemplo, José Tolentino Mendonça afirma que: […] “até agora somos o esterco do mundo” […], de onde se depreende que urge que se nos ensine a dialogar. Outros autores, através de textos de géneros diferentes, mas com o mesmo título, “Civilização” dizem-nos: […] “O riso acabou” […] (Eça de Queirós) e “Antigamente (antes de Jesus Cristo)/os homens erguiam estádios e templos/e morriam na arena como cães./Agora…/também já constroem Cadillacs” (José Craveirinha). A questão central nestas abordagens é a de que com os grandes avanços tecnológicos e científicos, aparentemente a humanidade cresceu, mas os Homens ainda não são civilizados. Daí a importância do diálogo para se fomentar o conhecimento mútuo porque, afinal, eles têm a mesma natureza.

Que conhecimento será que poderá ser explicado a partir de rituais de nascimento? Observando as acções desencadeadas na iniciação da criança nas duas tradições em análise, verifica-se a existência de semelhanças culturais que podem estimular o diálogo intercultural.

Descrevendo, de modo muito breve, a CRB, verifica-se que há quatro etapas a serem seguidas, nomeadamente: a imposição do nome à criança (Kutxula vito), dando-se-lhe um nome dos espíritos dos seus antepassados, o de um chefe da sua família/comunidade, o de um vizinho ou um nome ligado a um evento. Em qualquer dos casos, o nome recebido será daquele que passará a ser ou a simbolizar o padrinho da criança. Para realizar essa imposição é necessário que se invoquem os espíritos dos antepassados da família envolvida no acto (o kuphahla, pedido de bênçãos aos antepassados – eles é que intercedem pelas famílias bantu, junto a Deus). Esse evento deverá ser realizado logo a seguir à primeira lua nova após o nascimento da criança.

De entre vários pequenos actos que sucedem ao surgimento da lua nova, há que se destacar o grito que é dado pela primeira pessoa da aldeia que a vê e diz “Quengelekezeeeeeeeeee”, marcando o momento de as mães acabadas de dar a luz à uma criança serem purificadas e passarem a purificar os seus recém-nascidos. (Este momento e parte do ritual do baptismo são representados no poema “Lua Nova”, c.f. NORONHA, Rui. Os meus versos. Maputo: Texto Editores. Pp166-171. Importa ainda dizer que, do ponto de vista antropológico o baptismo ronga pode ser lido em JUNOD, Henri. Usos e Costumes dos Bantu. Tomo I. Maputo: AHM. 1996.)

É dessa sequência que o baptismo da criança ou a sua purificação é realizado, sendo designado Kutsivela. O mesmo consiste em defumar o corpo da criança com recurso a um composto de pedaços de pele de diferentes animais, seguida da sua disposição por cima de cinza. Segue-se depois o Kuyandla, no qual o doutor da família invoca os deuses do menor (os espíritos dos seus antepassados), dizendo: “Aqui está a criança, que cresça e se torne homem, graças a estas mesinhas”. A seguir, a mãe mostra ao bebé a sua lua (a primeira surgida, após o seu nascimento). Esse ritual termina com o Kubieketa, que é a entrega simbólica da criança à sua comunidade.

Do que consta, relativamente ao baptismo de bebés na TCA, é que este consiste da imposição do nome à criança; seguido pela marcação com o óleo do crisma, significando a necessidade de se afastar o diabo – num ritual durante o qual se realizava o kyrie eleison.

Nesse sentido, a celebração do nascimento da criança, marca o renascimento pela fé, num ritual cuja presença da comunidade é importante, até porque é necessária a existência de um padrinho, para que se realize o baptismo. Além dele, o mais importante é o reconhecimento de um ente superior, Senhor da vida e do universo a quem a criança deve ser entregue ou apresentada, logo à nascença. Este ritual é marcado pela presença da luz da vela, com o desejo de que ilumine a vida da criança, desde tenra idade.

Em síntese, nas duas tradições a função do baptismo é a mesma, a da purificação à nascença, realizada a partir da unção da criança com cinza ou com óleos (ainda que invertendo ou abdicando-se de parte das etapas, dependendo do presidente da cerimónia e das épocas). Há equivalentes que se podem estabelecer, por em ambas se marcar o renascimento com recurso à recepção da luz da lua ou da vela, esta que guiará a criança para os caminhos considerados aceites na comunidade ou pela religião na qual nasce e renasce. Tanto num como noutro evento a ideia é reinserir a criança na sociedade, algo desencadeado a partir da fé em um ente superior ao Homem (Deus), até porque é necessário invocarem-se os espíritos, ou através do kuphahla ou através do kyrie eleison. Por fim, há que se destacar a existência de testemunhas, que são a sociedade e os padrinhos.

Em ambas as tradições, os símbolos utilizados na realização do ritual são praticamente os mesmos. Na CRB: fumo, água, tiçãs (com óleo), lua, cinza, invocação dos espíritos dos antepassados (kuphahla); na TCA: fumo, água, óleo, velas e invocação de santos (kyrie eleison). A única grande questão é que esse ritual é realizado de modos diferentes nas duas tradições.

Depreende-se após essa descrição que “a natureza dos homens é a mesma, são os seus hábitos que os mantêm separados”. Daí a premência em estimular-se o diálogo intercultural entre povos. E o exemplo trazido através da comparação dos modos de fazer o baptismo poderão constituir um espaço de compreensão/diálogo moçambicanos e portugueses e quiçá entre muitos outros diferentes povos pelo mundo.

Sara Jona Laisse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica (Maputo, Moçambique)

Breves

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Abertas as inscrições

Vai nascer o Coro e Ensemble Diocesano de Jovens de Lisboa

“Fazer música, aliando-a à Fé”… é esse o mote para a criação do Coro e Ensemble Diocesano de Jovens de Lisboa (CDJL), que terá como missão garantir o serviço musical necessário nas atividades organizadas pelo Serviço da Juventude do Patriarcado. Todos os cantores e instrumentistas ligados às paróquias e movimentos da diocese de Lisboa, com idades entre os 15 e os 35 anos, e que estejam interessados em integrar este grupo podem desde já fazer a sua pré-inscrição online.

Boas notícias

Líder do Conselho Mundial de Igrejas com líderes políticos e religiosos na Terra Santa para fazer ouvir o apelo a “uma paz justa”

Visita termina esta quinta-feira

Líder do Conselho Mundial de Igrejas com líderes políticos e religiosos na Terra Santa para fazer ouvir o apelo a “uma paz justa”

Ao longo dos últimos seis dias, o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Jerry Pillay, empenhou-se a 100% naquela que designou de “uma missão especial”. E não é caso para menos. O líder religioso – que representa 352 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e evangélicas em todo o mundo – esteve em Israel e na Palestina, numa tentativa de “tornar mais forte” e verdadeiramente audível o apelo que há muito vem fazendo “por uma paz justa” na região.

Outras margens

Cultura e artes

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

Pessoas

A poesia que era um punhal contra si mesma

Daniel Faria morreu há 25 anos

A poesia que era um punhal contra si mesma novidade

“A Poesia de Daniel Faria ou a sua vocação poética” é o mote para os três encontros – o primeiro dos quais já nesta sexta-feira, 23 – que o Seminário do Bom Pastor promove, nos 25 anos da morte de Daniel Faria (1999-2024), o monge beneditino que desapareceu aos 28 anos.

Sete Partidas

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

O apelo da desrazão – NATO versus Rússia

O apelo da desrazão – NATO versus Rússia novidade

Vão soando avisos aqui e ali sobre a eventualidade de uma guerra direta entre a NATO e a Rússia. Parece que há quem esteja preocupado em preparar a opinião pública para essa eventualidade – se é que, nos bastidores que movem o mundo, não se decidiu já que será mais do que uma eventualidade, e em breve. O maior exercício militar da NATO desde a Guerra Fria começou no dia 22 de janeiro – o “Steadfast Defender 24” -, mobilizando 90 mil soldados da Aliança. [Texto de Rúben Azevedo]

Nossa Senhora dos Milagres, um santuário para descobrir

Nossa Senhora dos Milagres, um santuário para descobrir

Na freguesia de Dois Portos, concelho de Torres Vedras, numa modesta elevação do terreno, rodeada por vinhas e campos agrícolas, ergue-se uma pequena construção, caiada de branco, que chama a atenção do viajante. As placas indicativas, na estrada M535, despertam a nossa curiosidade: referem que se trata da capela de Nª Senhora dos Milagres. [Texto de Joaquim Jesus]

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This