Os rituais de nascimento rongas e portugueses

| 30 Jan 19 | Entre Margens, Últimas

“A natureza dos homens é a mesma, são os seus hábitos que os mantêm separados” (Confúcio: séc. V a C.).

A frase epigrafada é inspiradora e desafiadora, por permitir, entre outras questões, fazer-se uma reflexão sobre o desconhecimento mútuo entre povos.

Tentando encontrar exemplos que a expliquem, foi possível analisar o baptismo na Cultura e Religião Bantu (CRB) (especificamente a ronga, do sul de Moçambique) e o mesmo ritual de nascimento, na perspetiva da Tradição Católica Apostólica Portuguesa (TCA).

Nesse sentido, algumas questões podem ser levantadas: como será que o ritual tem sido realizado em cada uma dessas tradições? Serão utilizados os mesmos símbolos? Terá ele as mesmas funções? Os mesmos equivalentes? Os mesmos significados? Será que a análise, compreensão e partilha do seu modus operandi poderá contribuir para o fomento da interculturalidade e conhecimento mútuo entre diferentes povos?

Estas ou outras questões do mesmo género têm sido colocadas na área das Ciências Sociais e Humanas. É de lá que vêm algumas respostas simples, mas profundas, sobre a importância de se estimular o conhecimento entre culturas e povos. Casos esclarecedores, sugeridos a partir do contexto em análise, podem ser encontrados tanto na Literatura moçambicana, como na portuguesa.

Por exemplo, José Tolentino Mendonça afirma que: […] “até agora somos o esterco do mundo” […], de onde se depreende que urge que se nos ensine a dialogar. Outros autores, através de textos de géneros diferentes, mas com o mesmo título, “Civilização” dizem-nos: […] “O riso acabou” […] (Eça de Queirós) e “Antigamente (antes de Jesus Cristo)/os homens erguiam estádios e templos/e morriam na arena como cães./Agora…/também já constroem Cadillacs” (José Craveirinha). A questão central nestas abordagens é a de que com os grandes avanços tecnológicos e científicos, aparentemente a humanidade cresceu, mas os Homens ainda não são civilizados. Daí a importância do diálogo para se fomentar o conhecimento mútuo porque, afinal, eles têm a mesma natureza.

Que conhecimento será que poderá ser explicado a partir de rituais de nascimento? Observando as acções desencadeadas na iniciação da criança nas duas tradições em análise, verifica-se a existência de semelhanças culturais que podem estimular o diálogo intercultural.

Descrevendo, de modo muito breve, a CRB, verifica-se que há quatro etapas a serem seguidas, nomeadamente: a imposição do nome à criança (Kutxula vito), dando-se-lhe um nome dos espíritos dos seus antepassados, o de um chefe da sua família/comunidade, o de um vizinho ou um nome ligado a um evento. Em qualquer dos casos, o nome recebido será daquele que passará a ser ou a simbolizar o padrinho da criança. Para realizar essa imposição é necessário que se invoquem os espíritos dos antepassados da família envolvida no acto (o kuphahla, pedido de bênçãos aos antepassados – eles é que intercedem pelas famílias bantu, junto a Deus). Esse evento deverá ser realizado logo a seguir à primeira lua nova após o nascimento da criança.

De entre vários pequenos actos que sucedem ao surgimento da lua nova, há que se destacar o grito que é dado pela primeira pessoa da aldeia que a vê e diz “Quengelekezeeeeeeeeee”, marcando o momento de as mães acabadas de dar a luz à uma criança serem purificadas e passarem a purificar os seus recém-nascidos. (Este momento e parte do ritual do baptismo são representados no poema “Lua Nova”, c.f. NORONHA, Rui. Os meus versos. Maputo: Texto Editores. Pp166-171. Importa ainda dizer que, do ponto de vista antropológico o baptismo ronga pode ser lido em JUNOD, Henri. Usos e Costumes dos Bantu. Tomo I. Maputo: AHM. 1996.)

É dessa sequência que o baptismo da criança ou a sua purificação é realizado, sendo designado Kutsivela. O mesmo consiste em defumar o corpo da criança com recurso a um composto de pedaços de pele de diferentes animais, seguida da sua disposição por cima de cinza. Segue-se depois o Kuyandla, no qual o doutor da família invoca os deuses do menor (os espíritos dos seus antepassados), dizendo: “Aqui está a criança, que cresça e se torne homem, graças a estas mesinhas”. A seguir, a mãe mostra ao bebé a sua lua (a primeira surgida, após o seu nascimento). Esse ritual termina com o Kubieketa, que é a entrega simbólica da criança à sua comunidade.

Do que consta, relativamente ao baptismo de bebés na TCA, é que este consiste da imposição do nome à criança; seguido pela marcação com o óleo do crisma, significando a necessidade de se afastar o diabo – num ritual durante o qual se realizava o kyrie eleison.

Nesse sentido, a celebração do nascimento da criança, marca o renascimento pela fé, num ritual cuja presença da comunidade é importante, até porque é necessária a existência de um padrinho, para que se realize o baptismo. Além dele, o mais importante é o reconhecimento de um ente superior, Senhor da vida e do universo a quem a criança deve ser entregue ou apresentada, logo à nascença. Este ritual é marcado pela presença da luz da vela, com o desejo de que ilumine a vida da criança, desde tenra idade.

Em síntese, nas duas tradições a função do baptismo é a mesma, a da purificação à nascença, realizada a partir da unção da criança com cinza ou com óleos (ainda que invertendo ou abdicando-se de parte das etapas, dependendo do presidente da cerimónia e das épocas). Há equivalentes que se podem estabelecer, por em ambas se marcar o renascimento com recurso à recepção da luz da lua ou da vela, esta que guiará a criança para os caminhos considerados aceites na comunidade ou pela religião na qual nasce e renasce. Tanto num como noutro evento a ideia é reinserir a criança na sociedade, algo desencadeado a partir da fé em um ente superior ao Homem (Deus), até porque é necessário invocarem-se os espíritos, ou através do kuphahla ou através do kyrie eleison. Por fim, há que se destacar a existência de testemunhas, que são a sociedade e os padrinhos.

Em ambas as tradições, os símbolos utilizados na realização do ritual são praticamente os mesmos. Na CRB: fumo, água, tiçãs (com óleo), lua, cinza, invocação dos espíritos dos antepassados (kuphahla); na TCA: fumo, água, óleo, velas e invocação de santos (kyrie eleison). A única grande questão é que esse ritual é realizado de modos diferentes nas duas tradições.

Depreende-se após essa descrição que “a natureza dos homens é a mesma, são os seus hábitos que os mantêm separados”. Daí a premência em estimular-se o diálogo intercultural entre povos. E o exemplo trazido através da comparação dos modos de fazer o baptismo poderão constituir um espaço de compreensão/diálogo moçambicanos e portugueses e quiçá entre muitos outros diferentes povos pelo mundo.

Sara Jona Laisse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica (Maputo, Moçambique)

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Fale connosco