Polícia angolana acusada de matar jovens por causa do estado de emergência

| 26 Ago 20

Angola. Polícia. Violência policial. Jovens. Direitos humanos

Manifestação de jovens angolanos em protesto contra a violência policial. Foto: Omunga/Direitos reservados

 

A Amnistia Internacional (AI) e a Omunga, organização angolana de defesa dos direitos humanos, acusam a polícia de Angola de ter morto pelo menos sete jovens que terão violado as regras em vigor com o objectivo de travar a pandemia de covid-19.

De acordo com um comunicado da AI, que pode ser lido na íntegra na página digital da Omunga, as duas organizações reuniram testemunhos que apontam para que, entre Maio e Junho de 2020, a polícia terá morto sete jovens do sexo masculino, tendo o mais novo apenas 14 anos.

As duas organizações pensam que o número real de mortes será provavelmente muito mais elevado. As forças da ordem, acusam, têm usado “força excessiva e ilegal na sua resposta a infrações às normas do estado de emergência impostas para conter a propagação da pandemia” e as histórias contadas por testemunhas são “aflitivas”, diz Deprose Muchena, director da AI para a África Oriental e Austral.

Este responsável refere exemplos: “Um adolescente, que já estava prostrado no chão, ferido, foi baleado no rosto; outro foi morto quando a polícia disparou contra um grupo de amigos que jogavam num campo desportivo.” E comenta: “O estado de emergência não justifica de forma alguma violações de direitos humanos tão chocantes.”

A AI e a Omunga consideram que é “imperativo que seja ordenada uma investigação completa, independente, imparcial, transparente e eficaz a estes homicídios e que os seus autores sejam presentes à justiça e submetidos a julgamentos justos”, diz Muchena. “Tem que haver uma supervisão atenta que assegure o cumprimento das normas internacionais de direitos humanos pelas forças de segurança angolanas responsáveis pela aplicação das medidas de prevenção da Covid-19.”

Os relatos de testemunhas oculares relatam uso excessivo da força e de armas de fogo pela Polícia Nacional de Angola (PNA) e militares das Forças Armadas Angolanas (FAA), tendo como alvo exclusivo bairros mais carenciados.

 

Baleado na cara, morto quando fugia

Num dos episódios, as testemunhas contam que, na noite de 13 de julho, José Quiocama Manuel, motorista de moto-táxi conhecido como Cleide, foi morto a tiro pela polícia no bairro do Prenda, no município de Luanda, peto da casa de um amigo. Cleide e Maurício, de 16 anos de idade, tentaram esconder-se, mas um agente da polícia disparou contra eles. Maurício foi atingido num ombro e sobreviveu, Cleide teve morte instantânea.

Dias antes, a 4 de julho, Clinton Dongala Carlos, de 16 anos, foi baleado nas costas pela polícia, quando regressava a casa de um jantar em casa da sua tia, a 300 metros da sua, no município do Cacuaco (Luanda). Clinton terá sido perseguido por um grupo de dois militares das FAA e três agentes da PNA, tendo um destes disparado quando ele corria para casa.

“As testemunhas relataram que os agentes pediram água aos residentes locais e deitaram-na na cara de Clinton, que estava prostrado no chão, ferido. Os vizinhos, que se tinham escondido, aterrorizados, ouviram então um segundo tiro. Quando os agentes se afastaram, viram que Clinton tinha sido baleado na cara”, descreve a AI.

Dia 3 de julho, por volta das 7h00, a polícia disparou mortalmente contra Mabiala Rogério Ferreira Mienandi, conhecido por Kilson, que estava num campo desportivo com um grupo de amigos, a jogar futebol e a dançar. Dizem os relatos das testemunhas que um veículo da polícia se aproximou e, sem qualquer aviso, os agentes começaram a disparar enquanto os rapazes fugiam para tentar escapar aos tiros. “Kilson foi atingido por uma bala. As testemunhas relataram que três agentes saíram do carro e aproximaram-se de Kilson. Deram-lhe três pontapés e depois afastaram-se de carro.”

 

Salvar vidas ou assassinar cidadãos?

João Malavindele, director executivo da Omunga, acusa as autoridades de usarem “as medidas de emergência para impor restrições arbitrárias aos direitos humanos”. Mas, sublinha, “todo e qualquer uso da força por agentes da autoridade deve ser de carácter excepcional e respeitar as obrigações internacionais do Estado no domínio dos direitos humanos e em particular a obrigação de respeitar e proteger o direito de todas as pessoas à vida e à integridade física e segurança”. E acrescenta: “O principal objetivo do combate à propagação da covid-19 deve ser o de salvar vidas e proteger os meios de subsistência. Quando os agentes estatais são responsáveis pelo assassinato de cidadãos, esse objetivo é totalmente anulado.”

No comunicado, relatam-se ainda os pormenores dos outros casos: João de Assunção Eliseu, 20 anos, com problemas de coração e hipertensão, morreu dia 17 de Junho, depois de intimidado e humilhado por agentes da PNA. A 5 de Junho, Altino Holandês Afonso, 15 anos terá sido perseguido por um agente, supostamente embriagado, que o atingiu com um tiro no estômago, mesmo à porta da casa. Mário Palma Romeu (Marito), 14 anos de idade, foi morto na manhã de 13 de maio, depois de ir comprar açúcar para a mãe na praça da praia das Tombas (Benguela). Dia 9 de Maio, António Vulola (Toni Pi), 21 anos, tinha convidado amigos para celebrar o nascimento da sua primeira filha e, cerca das 22h00, depois de acompanhar amigos à paragem dos transportes públicos, notou que cinco agentes da PNA espancavam e dispersavam um ajuntamento de jovens. Sem máscara, Toni correu de regresso a casa com outro amigo e um agente disparou, atingindo-o mortalmente na cabeça.

A AI diz que há investigações criminais em curso contra os suspeitos da autoria das mortes de Mário, Altino, Clinton, Mabiala Kilson, João, António e José Cleide. A associação Mãos Livres, por seu lado, tem oferecido apoio jurídico garantir uma investigação completa e independente de modo a que os presumíveis responsáveis sejam presentes à justiça e as famílias das vítimas recebam reparações eficazes, incluindo uma indemnização adequada.

“As autoridades angolanas devem assegurar que as investigações em curso sejam ágeis, independentes e imparciais. Os suspeitos de responsabilidade por violações e abusos de direitos humanos devem prestar contas pelos seus actos e devem ser proporcionadas às famílias justiça, verdade e reparação”, disse João Malavindele.

O director da Omunga acrescenta: “Ninguém deveria ter que temer pela sua vida e as autoridades angolanas devem responsabilizar qualquer pessoa que arbitrariamente prive outra dos seus direitos, nomeadamente o direito à vida.”

 

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Breves

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja novidade

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão novidade

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver? novidade

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Leprosários novidade

A mais recente Responsum ad dubium[1] da Congregação para a Doutrina da Fé relativa à bênção de uniões homossexuais tem feito correr rios de tinta. Se, por um lado, haja quem veja um retrocesso no caminho de inclusão delineado pelo Papa Francisco, outros encaram esta resposta como um travão necessário à prática de bênçãos a casais homossexuais, em total coerência com a linha da doutrina moral da Igreja.

Para condenar não me chamem

Após vinte e dois anos de trabalho dentro de uma prisão ainda me pergunto: que falta faz um padre na prisão? Talvez seja necessário responder antes a uma outra: para que serve a prisão? O sistema prisional devia ter dois objetivos fundamentais: proteger a sociedade de condutas criminosas e proporcionar aos reclusos uma hipótese de reabilitar as suas vidas.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This