Desde 9 de Maio

Polícia de Israel fez campanha repressiva discriminatória contra palestinianos, acusa Amnistia

| 25 Jun 2021

Forças israelitas na aldeia de Beit Ummar Foto © Amnesty International Andrea Bodekull

Forças israelitas na aldeia de Beit Ummar: Amnistia relata várias situações de violência, espancamentos e uso ilegal de força. Foto © Amnesty International / Andrea Bodekull.

 

A polícia israelita cometeu múltiplas violações de direitos humanos contra palestinianos em Israel e em Jerusalém Oriental, durante e após as hostilidades armadas em Israel e Gaza, denunciou a Amnistia Internacional (AI). Tratou-se, diz a organização, de uma campanha repressiva discriminatória, desde o dia 9 de Maio, que levou à prisão mais de 2150 pessoas e que incluiu detenções em massa, utilizando a força ilegal contra manifestantes pacíficos e sujeitando os detidos a tortura e outros maus-tratos.

Num comunicado divulgado quinta-feira, 24 de Junho, a AI diz que houve ainda estratégias violentas de dissuasão de manifestações, assim como situações de violência, destruição, assédio e vandalização de locais.

A polícia israelita também não protegeu cidadãos palestinianos de Israel de ataques premeditados de grupos de supremacistas judeus armados, mesmo quando os planos foram divulgados antecipadamente e a polícia os conhecia, diz a AI.

“As provas reunidas pela Amnistia Internacional pintam um quadro condenatório de discriminação e de força excessiva impiedosa por parte da polícia israelita contra os palestinianos em Israel e em Jerusalém Oriental ocupada”, afirmou Saleh Higazi, director-adjunto para o Médio Oriente e Norte de África na Amnistia Internacional.

Os investigadores da Amnistia Internacional falaram com 11 testemunhas e o Laboratório de Provas de Crise da organização verificou 45 vídeos e outras formas de meios digitais para documentar mais de 20 casos de violações da polícia israelita entre 9 de Maio e 12 de Junho de 2021. Centenas de palestinianos foram feridos durante a repressão e um rapaz de 17 anos foi morto a tiro, situações que são resumidas no curto vídeo que se pode ver a seguir:

 

O comunicado refere várias situações de medidas repressivas discriminatórias e uso ilegal da força contra os manifestantes, incluindo o caso de Muhammad Mahmmad Kiwan, um rapaz de 17 anos, que foi baleado na cabeça perto de Umm el-Fahem, a norte de Israel, e morreu uma semana mais tarde, ou a dispersão pela força, sem aviso prévio, de uma manifestação pacífica em Nazaré.

“A polícia israelita deveria estar a proteger o direito à liberdade de reunião, e não a lançar ataques contra manifestantes pacíficos. A Comissão de Inquérito do Conselho de Direitos Humanos da ONU, criada em Maio de 2021, deve investigar o padrão alarmante de violações por parte da polícia israelita”, comentou Saleh Higazi.

Há ainda relatos de violência policial, tortura e outros maus-tratos, como o que sofreu Ibrahim Souri, alvejado na cara por polícias israelitas enquanto usava o telemóvel para filmar a polícia a patrulhar a rua a partir da varanda da sua casa em Jaffa, a sul de Tel Aviv, a 12 de Maio. No mesmo dia, pelo menos oito pessoas foram vistas a ser espancadas na esquadra do Campo Russo (Moskobiya, em Nazaré). “Os oficiais batiam nos jovens com vassouras e pontapeavam-nos com botas de aço”. Quatro deles tiveram de ser levados de ambulância, e um deles tinha um braço partido, de acordo com o relato de uma testemunha.

Soldado israelita © Jacob Burns_Amnesty International

Soldado israelita: figuras proeminentes de Israel incitaram abertamente à violência contra os palestinianos sem serem responsabilizadas, acusa o director da AI-Israel. Foto © Jacob Burns_Amnesty International.

 

No que respeita às falhas de protecção dos palestinianos contra ataques de grupos supremacistas judeus, no dia 12 de Maio, no Bat Yam Promenade (centro de Israel, junto ao Mediterrâneo), Said Musa foi um dos espancados por grupos convocados pelo Poder Judaico, um dos grupos extremistas.

“O fracasso reiterado da polícia israelita em proteger os palestinianos de ataques organizados por grupos de supremacistas judeus armados e a falta de responsabilização por tais ataques é vergonhosa e mostra o desprezo das autoridades pela vida palestiniana”, comentou entretanto Molly Malekar, director da Amnistia Internacional Israel.

“O facto de cidadãos judeus de Israel, incluindo figuras proeminentes, terem incitado abertamente à violência contra os palestinianos sem serem responsabilizados destaca a extensão da discriminação institucionalizada enfrentada pelos palestinianos e a necessidade urgente de protecção”, acrescentou o mesmo responsável, citado no comunicado, que pode ser lido na íntegra, em inglês, na página digital da Amnistia.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

[Margem 8]

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu novidade

O Simão ainda tem o tamanho de menino que consegue caminhar por baixo da mesa de jantar. Inclina um bocadinho a cabeça, risonho, e passa de um lado ao outro com as suas aventuras. Tem os olhos que são todo um convite para o mundo. A vida é atraída por aqueles olhos e vai por ali adentro em torrente, com o entusiasmo de um ribeiro.

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria novidade

Na minha infância este tempo era lúgubre, como um véu de tristeza que tudo cobria, nos rostos dos fiéis, nas decorações, na exaltação do sofrimento. Nunca o compreendi nem me associei até que as amêndoas, doces e o início da primavera me salvavam. Na ortodoxia, a Páscoa celebra-se este ano no dia 16 de Abril de 2023.

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras

Igreja Católica solidária

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras novidade

O Brasil mobiliza-se para salvar o povo Yanomami e o seu território, abandonado pelos serviços do Estado e atacado pelos garimpeiros e os interesses que estão por detrás deles, nas últimas décadas. O ataque foi tão brutal que as novas autoridades de Brasília já falam em genocídio. O Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente brasileiro, o Exército, e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) são algumas das entidades que têm mobilizado esforços, nas últimas semanas, para acudir a uma situação que além de crise humanitária é considerada também “uma tragédia ambiental”.

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!”

Francisco no Sudão do Sul

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!” novidade

As ruas estão mais limpas que nunca, algumas foram alcatroadas, e a uma delas até lhe mudaram o nome: agora chama-se Rua Papa Francisco. A cidade de Juba está a postos para receber aquela que é a primeira viagem de um Pontífice ao mais jovem país do mundo, o Sudão do Sul, e entre os milhares que vão procurando um lugar para ver o Papa passar há um grande desejo comum: o de que esta visita contribua, definitivamente, para a paz.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This