Refugiados e migrantes

Polícia europeia de fronteiras com avaliação fortemente negativa

| 8 Jun 21

Há “lacunas nas informações” e nas “atividades de luta contra a imigração ilegal” por parte da polícia de fronteira da UE, acusa o Tribunal de Contas Europeu. Foto © Paul Jeffrey/WCC-CMI

 

Já severamente criticada pelas organizações não-governamentais que desenvolvem ação humanitária junto dos migrantes e refugiados, a Frontex acaba de receber nota negativa do Tribunal de Contas Europeu (TCE), quanto ao seu papel, eficiência e gestão.

A Frontex, que tem sede em Varsóvia e é o primeiro órgão armado da União Europeia, tem por missões o controlo das fronteiras exteriores da União Europeia e a luta contra a migração ilegal e o crime.

O relatório aponta a esta agência “lacunas nas informações” e “nas suas atividades de luta contra a imigração ilegal”; falta de apoio eficaz à luta contra a criminalidade transfronteiriça; e falta de preparação para “executar eficazmente o mandato” que recebeu em 2019.

A estas críticas de gestão e funcionamento somam-se a dos ativistas dos direitos humanos. De facto, diversas ONG têm criticado a Frontex por adotar frequentemente comportamentos desumanos, nomeadamente perante as frágeis condições em que muitos africanos se fazem ao mar em demanda de solo europeu.

A avaliação negativa por parte do Tribunal de Contas é particularmente dura no que toca ao apoio aos Estados-membros na gestão das fronteiras externas, área que considera “particularmente preocupante”, dado que a Frontex verá as suas responsabilidades, meios e orçamento significativamente aumentadas nos próximos anos.

A agência, que é atualmente dirigida pelo francês Fabrice Leggeri terá, até 2027, um contingente de 10.000 agentes e um orçamento anual de cerca de 900 milhões de euros.

Neste contexto, o TCE denuncia o facto de esta organização não ter tido avaliação do impacto das mudanças que se operaram nas suas atribuições e que não teve qualquer avaliação externa desde 2015.

O relatório tem também uma versão em português, disponível num documento digital do Tribunal de Contas Europeu.

 

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O outro sou eu

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This