Polónia: Nobel da Literatura recusa receber homenagem juntamente com bispo anti-LGBT

| 29 Set 20

Olga Tokarczuk, Foto_ Martin Kraft _ Wikimedia Commons

Olga Tokarczuk venceu o Prémio Nobel da Literatura em 2018 e é assumidamente ateia. Foto: Martin Kraft / Wikimedia Commons.

 

A escritora polaca vencedora do Nobel da Literatura, Olga Tokarczuk, recusou-se a receber a cidadania honorária da Baixa Silésia, região da Polónia onde reside, porque a mesma honra seria atribuída em simultâneo a um bispo católico que tem feito comentários hostis em relação à comunidade LGBT.

A autora de Conduz o Teu Arado sobre os Ossos dos Mortos publicou um post na sua conta de Twitter na passada sexta-feira, 25 de setembro, explicando que, apesar de ter ficado satisfeita com a homenagem, “infelizmente” não poderá aceitar a cidadania honorária, pois recebê-la ao mesmo tempo que o bispo Ignacy Dec destacaria a “dolorosa fenda” que existe na Polónia em relação aos direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transgénero.

Ignacy Dec, bispo da diocese de Świdnica, referiu-se por diversas vezes, publicamente, ao movimento pelos direitos LGBT como uma ameaça à Igreja Católica e à Polónia, país predominantemente católico.

Também o presidente do país, Andrzej Duda, descreveu o movimento LGBT como “pior do que o comunismo”, durante a sua campanha de reeleição no início deste ano, recorda o jornal Crux.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção novidade

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This