Porque (não) falo de Aylan

| 22 Set 20

A folha virtual aberta no ecrã do computador apresenta um branco que não é menos penoso nem menos frustrante que o branco níveo de uma folha de papel. A possibilidade de lhe diminuir a intensidade do brilho torna-a momentaneamente mais cinzenta, mas não resolve o drama: devo escrever?

Os temas sucedem-se numa vertigem desenfreada a cada dia que passa e sobre todos há incontáveis textos de opinião, qual deles o mais acutilante e incisivo, o mais profundo e bem escrito. Creio que há todo um mundo, paralelo ao mundo concreto, que é simplesmente feito de opiniões. É um mundo-avatar em que os fazedores de opinião são como personagens que sofrem danos e ganham vidas, tal como na linguagem dos jogos virtuais. E tal como nos jogos, há personagens de cartas altas (os que conquistam grande visibilidade mediática e opinam em abundância) e os personagens de cartas baixas (os anónimos que vão dizendo coisas no mundo modesto, mas não menos agressivo, das redes sociais – às vezes, com sorte, ganham vidas suficientes e passam para outro patamar do jogo).

Volto ao ponto de partida. Devo escrever? O que escrever, então, de modo a que o texto de opinião não seja um mero exercício de vaidade intelectual, pelo qual se procura escrever melhor para parecer que se pensa melhor? A minha pergunta pode aqui ser travada pelo alerta de que um pensamento assim pode acabar por confundir-se com um cinismo pessimista que desconsidera o facto de a produção de opinião ser, em si mesma, um exercício de cidadania. E, como ato de liberdade de pensamento que é, não pode estar sempre refém da necessidade de trazer consigo algo de substancialmente diferente, um dado novo, um conhecimento, de algo, enfim, que justifique a sua existência para lá do simples facto de ser uma opinião.

Concordo. Mas o facto de concordar não faz desaparecer o que me perturba. E o que me perturba é a força desta espécie de mundo paralelo em que a percepção não é apenas lente, nem a opinião apenas a tradução daquilo que a lente vê, mas em que ambos acabam por se tornar numa realidade em si mesma, que se sobrepõe à própria realidade palpável.

Procurando concretizar um pouco melhor: quantas vezes damos por nós a seguir um determinado assunto apenas pela leitura das opiniões que sobre ele se escrevem, e pela leitura das opiniões já feitas sobre essas primeiras opiniões? No fundo, que sabemos sobre esse assunto? Que pensamos nós sobre ele que seja realmente nosso? Numa espécie de ‘deixa’ pós-moderna, alguém contudo poderia atirar com a pergunta retórica “mas o que é a realidade senão o que dela julgamos perceber?”

Não tendo competências filosóficas para argumentar com um pós-modernista, e reconhecendo que a opinião é também ela uma forma de ‘tatear’ o mundo exterior tão válida como qualquer outra, creio todavia que há um limite para a dependência que possamos ter relativamente às opiniões como meio de perceber (e sobretudo, sublinho, de transformar o mundo), porque a verdade é que esse mundo concreto existe e existe para lá daquilo que julgamos saber sobre ele e sobre o qual tanto opinamos.

Vejamos, a criança que passa fome ou a mulher violentada, o homem sem emprego ou o idoso esquecido, têm uma fome, uma dor, uma angústia, um abandono que são concretos, que são seus, da sua carne e do seu espírito, que existem para lá dos artigos de opinião que eu e outros possamos escrever sobre eles. Não são os meus artigos nem os de ninguém que lhes dão substância e existência. Podem quando muito dar-lhes visibilidade.

E aí, entra a última parte da minha reflexão: Se escrevo, escrevo para quê? Para dizer o quê? É para que a visibilidade dada resulte em ações transformativas que ajudem a mudar a condição real de sofrimento, de injustiça, de infelicidade do Outro, ou é apenas para alimentar a presença dessas realidades no mundo-avatar das opiniões? E foi com estas inquietações que dei por mim a pensar se deveria ou não escrever sobre Aylan, a criança síria que há cinco anos chegou morta a uma praia turca.

E chego à conclusão, ao cabo desta página que fui ‘borratando’ de caracteres, de que não devo escrever. Não tenho legitimidade para o fazer. A minha página sobre Aylan tem de ficar em branco, porque a realidade que ele foi e é merece muito mais do que mais uma opinião. Mais um a achar que pelo facto de se lembrar que Aylan encheu de estrelas a espuma do mar que o cobria, há cinco anos numa praia turca, suplanta o facto de nada ter feito nem antes, nem depois desse dia. Seria mais um a querer fazer justiça a Aylan apenas no mundo-avatar das opiniões bonitas, mas politicamente inconsequentes.

 

Isabel Estrada Carvalhais é deputada pelo Partido Socialista ao Parlamento Europeu, professora associada da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho e doutorada em Sociologia.

 

Precisamos de nos ouvir (24) – Ivo Neto: O que aprendemos na saúde mental com a pandemia?

Precisamos de nos ouvir (24) – Ivo Neto: O que aprendemos na saúde mental com a pandemia? novidade

A avó estava a dias de fazer 90 anos e a mesa para juntar a família reservada, não muito longe de casa para ela não se cansar. Tinha começado há dias no Público e a Rita estava animada com a viagem aos Açores marcada para Maio. Ela foi a primeira. Veio para casa a pensar que na quarta-feira regressava ao trabalho, ao ginásio e, no fundo, à vida normal. Mas não. Na semana seguinte foi a minha vez de fazer da casa, a redacção.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net” novidade

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação de um homem ao pagamento de mais de 60 mil euros à ex-companheira pelo trabalho doméstico que esta desenvolveu ao longo de quase 30 anos de união de facto. (Público, 24-2-2021)
No acórdão, datado de 14 de Janeiro (…), o STJ refere que o exercício da actividade doméstica exclusivamente ou essencialmente por um dos membros da união de facto, sem contrapartida, “resulta num verdadeiro empobrecimento deste e a correspectiva libertação do outro membro da realização dessas tarefas”.

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This