Dia Nacional com várias iniciativas

Portugal é um dos países com maior liberdade religiosa no mundo, diz o Parlamento por unanimidade

| 22 Jun 2023

Augusto Santos Silva, Kaiciid, Liberdade religiosa

O presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, assinando o livro de honra do Kaiciid, na sua visita ao Centro (22 Junho 2023), para assinalar o Dia Nacional da Liberdade Religiosa. Foto © António Marujo/7MARGENS

 

A instituição do Dia Nacional da Liberdade e do Diálogo Inter-Religioso, decidida pela Assembleia da República (AR) em 2019, reflectiu “o chão comum” que todo o país partilha, “enquanto comunidade, quanto a este tema, onde religião rima, cada vez mais, com liberdade e com diálogo”. E esse chão “faz de Portugal um dos países com maior liberdade religiosa no mundo”, diz um voto de saudação ao Dia Nacional aprovado ao início da tarde desta quinta-feira, 22 de Junho, pela unanimidade dos deputados – e que pode ser lido na íntegra na página da AR.

O voto foi proposto pelo presidente do Parlamento, Augusto Santos Silva, e subscrito pelo conjunto dos deputados, que o votaram em plenário no início da sessão plenária da tarde. No texto, o Parlamento afirma que a Lei de Liberdade Religiosa, aprovada neste mesmo dia em 2001, “exprime bem a compatibilidade entre a natureza laica do Estado e a importância espiritual, cultural e social do fenómeno religioso, reconhecendo e valorizando plenamente a liberdade de fé”. Essa garantia, lê-se ainda no texto, é “devida a todas as religiões em condições de igualdade, independentemente da sua representatividade, com o único limite do respeito pelos valores constitutivos da sociedade democrática”.

No documento, o Parlamento afirma que o Estado português “reconhece o pluralismo das expressões religiosas, assim como o diálogo dentre elas”, o que se deve entender como a “emanação da essência da própria democracia: reconhecer e respeitar as diferenças e a pluralidade que nos distingue e enriquece enquanto comunidade, incentivando e promovendo os consensos”.

Antes de 2001, e até à nova lei, os dois diplomas fundamentais que, além da Constituição, regulavam a matéria – “a Concordata de 1940 e a chamada Lei de liberdade religiosa de 1971 – denunciavam, como notava o projeto de lei que deu origem à lei de 2001, a marca do regime antidemocrático em que tinham sido concebidas”. Ou seja, traduziam “um entendimento da liberdade religiosa e da separação entre o Estado e as religiões inconciliável com a Constituição democrática e, também, com a doutrina católica do Concílio Vaticano II”.

A aprovação do voto de saudação foi uma das iniciativas com que o Parlamento assinalou o Dia Nacional. De manhã, o Presidente da AR, Augusto Santos Silva, deslocou-se ao Centro de Diálogo Internacional Kaiciid (designação actual do ex-Centro Internacional Rei Abdullah bin Abdulaziz para o Diálogo Inter-religioso e Intercultural), que recentemente mudou a sua sede para Lisboa. Santos Silva e a delegação parlamentar que o acompanhava encontrou-se com os responsáveis da instituição e com representantes de várias religiões.

 

Aplicar as leis

Augusto Santos Silva, Kaiciid, Liberdade religiosa

O secretário-geral do Kaiciid com o presidente da Assembleia da República, a delegação parlamentar e representantes de diferentes comunidades religiosas: as religiões querem as leis a ser cumpridas e formação para os mais jovens. Foto © António Marujo/7MARGENS

 

Na conversa de cerca de uma hora, e de acordo com o que vários líderes religiosos presentes contaram ao 7MARGENS, estes insistiram na necessidade de fazer aplicar as leis na sua totalidade – deram o exemplo de, na assistência religiosa em hospitais, nem sempre o acesso de ministros religiosos ser facilitado pelas administrações; e, no caso dos hospitais privados, também não é fácil acompanhar doentes.

Também o redobrar da formação das novas gerações para a pluralidade religiosa, nomeadamente nas escolas, foi uma necessidade referida por vários dos representantes – que incluíam membros da Igreja Católica, de igrejas protestantes, da Aliança Evangélica e outras confissões cristãs, e ainda das comunidades islâmica, ismaili, hindu, judaica e budista.

No livro de honra do Kaiciid, Santos Silva manifestou o seu elogio aos fundadores e patronos (Espanha, Áustria, Arábia Saudita e Santa Sé) pelo incremento da instituição ao diálogo inter-religioso. “Em circunstâncias tão desafiadoras para a humanidade, é fundamental fomentar a liberdade de religião, o diálogo e a aliança entre as religiões e promover a compreensão mútua e a tolerância”, acrescentou.

Já em declarações aos jornalistas, Santos Silva recordou que a liberdade religiosa, enquanto liberdade fundamental, é “uma das competências exclusivas” do Parlamento. “As várias confissões que operam em Portugal cooperam entre si em total liberdade”, sublinhou, para destacar também a importância de o Kaiciid ser mais um elemento a ajudar a estreitar relações do Parlamento com as comunidades religiosas e destas entre si. “A diversidade enriquece, o que empobrece sempre é o preconceito”, acrescentou.

O secretário-geral do Kaiciid, o saudita Zuhair Alharthi, manifestou a sua satisfação por receber a delegação parlamentar, como reconhecimento do “papel vital da religião e do diálogo inter-religioso em Portugal”. A instituição que dirige, e que se sente “calorosamente acolhida em Lisboa”, estará empenhada também durante a visita do Papa a Portugal por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, em Agosto, acrescentou o responsável. Mas a ideia é que o Kaiciid, organização intergovernamental cujo objectivo é a promoção da paz e da compreensão através do diálogo inter-religioso e intercultural, possa fazer ainda mais, com diferentes comunidades religiosas, organizações não-governamentais e instituições políticas – nomeadamente o Parlamento.

 

Democracia é o maior aliado

Liberdade religiosa, AIS, Padre Bernard Adukwu, José Vera Jardim, Augusto Santos Silva, Catarina Martins Bettencourt, José Manuel Fernandes

Apresentação do relatório sobre a Liberdade Religiosa no Parlamento: Santos Silva vai propor aos líderes parlamentares a associação da Assembleia à “Semana Vermelha”, que evoca as pessoas perseguidas por serem religiosas. Foto © Ecclesia/OC

 

Depois da aprovação do voto de saudação ao início da tarde, o Parlamento abriu as portas, já depois da sessão plenária, à apresentação do relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, divulgado na manhã desta quinta-feira pela Ajuda à Igreja que Sofre, como o 7MARGENS dá conta noutra notícia.

Nessa sessão, o presidente da Assembleia da República afirmou que “não há maior inimigo da liberdade religiosa do que o autoritarismo político”, destacando a democracia como o mais importante aliado da liberdade de culto e de consciência. Ao mesmo tempo, apelou à atenção diante de sinais “muito preocupantes” e “sementes” de perseguição.

O presidente da Comissão para a Liberdade Religiosa, José Vera Jardim, também interveniente na sessão, referiu-se ao documento como de “consulta indispensável” para quem se “ocupa e preocupa” com este direito fundamental, de acordo com a Ecclesia.

José Manuel Fernandes, director do Observador, que apresentou o documento, afirmou que, “quando falamos de limitações e atentados à liberdade religiosa, não falamos sempre dos mesmos problemas”, referindo exemplos como a China, onde os cidadãos são sujeitos a uma grande vigilância, ou a Índia, onde o nacionalismo hindu está no poder promovendo fenómenos de perseguição, discriminação e extremismo.

 

Parlamento organiza mais iniciativas

Parlamento

O Parlamento promoverá várias iniciativas sobre liberdade religiosa até final do ano. Foto: Direitos reservados. 

 

De acordo ainda com a Ecclesia, o padre nigeriano Bernard Adukwu, dos Missionários Espiritanos, deu um testemunho sobre a situação no norte do país, um dos classificados na “categoria vermelha”, a mais grave do relatório, que inclui 28 países que se “transformaram, de alguma forma nos locais mais perigosos do mundo para a prática livre da religião”.

Esta categoria aborda situações de perseguição, crimes de ódio e violência desencadeada por motivos religiosos, representando 14% dos 196 países sob análise no Relatório 2023 sobre a Liberdade Religiosa no Mundo.

África é precisamente “uma das regiões do globo onde a perseguição por motivos religiosos se acentuou mais” e continua a ser “o continente mais violento”, o que torna a situação da liberdade religiosa “ainda mais alarmante”, de acordo com o relatório.

Para os próximos tempos, o Parlamento tem previstas várias iniciativas no âmbito da liberdade religiosa. Na próxima semana, terá lugar um colóquio sobre “A democracia e a liberdade religiosa”. A partir das 18 horas, sucedem-se intervenções de José de Sousa Brito, juiz conselheiro e principal redactor da Lei da Liberdade Religiosa, Maria Lúcia Amaral, Provedora de Justiça, Esther Mucznik, da Comissão da Liberdade Religiosa, e David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa.

Além de uma exposição para assinalar as duas décadas da Lei da Liberdade Religiosa [ver outra notícia no 7MARGENS] outros dois colóquios decorrerão ainda até final do ano, dedicados aos temas “A liberdade religiosa e a liberdade de expressão” e “As religiões – património da humanidade”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This