Portugal é um dos países de acolhimento dos migrantes que a Itália recusa receber

| 30 Jan 19

Enquanto se multiplicam os apelos para que Itália socorra os migrantes a bordo do navio Sea Watch, o primeiro-ministro daquele país, Giuseppe Conte, anuncia que eles serão acolhidos em cinco países. Portugal é um deles.

Mais de cinquenta associações, representativas dos sectores mais variados da sociedade italiana, pediram ao primeiro-ministro Conte, nesta segunda-feira, dia 28, que permita o desembarque dos menores que se encontram a bordo do navio Sea Watch, que recolheu 47 pessoas de um bote à deriva no Mediterrâneo central, a cerca de 26 milhas do litoral da Líbia. Entre os resgatados, encontravam-se 13 crianças, oito delas não acompanhadas por qualquer familiar.

Numa carta aberta, as organizações, que reúnem, por exemplo, profissionais que cuidam da saúde física e mental de crianças e jovens, defensores dos direitos humanos ou crentes de distintas confissões religiosas, pedem ao primeiro-ministro para assumir as suas responsabilidades para que o doloroso episódio acabe imediatamente com o desembarque de todos, de modo a possibilitar que se possam prestar os cuidados devidos aos menores. A bordo, dizem os signatários, encontram-se pessoas que já foram vítimas de violência e de privação durante a viagem, tendo-se o sofrimento prolongado por demasiado tempo, incumbindo às instituições italianas a responsabilidade de pôr fim a esta situação.

As associações – entre as quais, a Associação Italiana para a Saúde Mental Infantil, a Amnistia Internacional, o Conselho Italiano para os Refugiados, a Comunidade de Santo Egídio, os Médicos Sem Fronteiras, os Médicos do Mundo, a Oxfam, a Save The Children ou a Terre des Hommes – recordam a Giuseppe Conte as disposições da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, o direito marítimo internacional, a Convenção Europeia dos Direitos Humanos, a Constituição italiana e as leis nacionais de protecção de menores de 18 anos que fazem com que o desembarque dos menores se imponha como um dever, que tem vindo a ser retardado sem motivos compreensíveis.

Um anterior apelo, subscrito pela Conferência Episcopal Italiana, pela Federação das Igrejas Protestantes na Itália, pela Junta Valdense e pela Comunidade de Santo Egídio, que subscreveram uma declaração intitulada “Vamos permanecer humanos”, reclamou um espírito de humanidade e de solidariedade para com os migrantes.

Os apelos não surtiram efeito, mas Giuseppe Conte, falando na segunda-feira à noite, no final da V Cimeira dos Países do Sul da Europa, em Nicósia, anunciou que cinco países europeus, entre os quais Portugal, aceitaram receber os 47 migrantes, que esperam há dez dias por uma autorização para desembarcar do navio humanitário. Citado pela agência italiana ANSA, Giuseppe Conte referiu que Portugal, Alemanha, França, Malta e Roménia são os países para onde os migrantes serão encaminhados.

(Na página de abertura: Refugiados em fila para serem atendidos, em Itália; foto © Sean Hawkey/World Council of Churches)

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

Outras margens

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc novidade

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Pessoas

Não esquecer a memória

Não esquecer a memória

Não lembrei pessoalmente nestas páginas ainda a partida de Frei Mateus Cardoso Peres, O.P. (1933-2020), personalidade fascinante com uma rica obra de apostolado e de reflexão, e devo fazê-lo. Conheci-o bem e tenho pela sua vida e ação uma grande estima. O grupo de que fez parte dos “católicos inconformistas” integrou alguns dos meus grandes amigos, como António Alçada Baptista, Helena e Alberto Vaz da Silva e João Bénard da Costa.

Sete Partidas

A reunião de trabalho novidade

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana” novidade

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Os jovens do Torne na luta por “uma Igreja nova num Portugal novo”

Na década de sessenta do século passado, e até 1974, surgiu na paróquia de São João Evangelista (Vila Nova de Gaia), da Igreja Lusitana, Católica, Apostólica, Evangélica (IL), um grupo de jovens, que se intitulou Jovens do Torne – JT. No princípio englobado na “Liga do Esforço Cristão de Gaia”, foram prosseguindo um caminho ecuménico, alargado a todas as religiões e ateus.

Fale connosco