Em 2022

Portugal registou 417 objetores de consciência

| 15 Mai 2023

Militares fardados, Foto © Kuzma

Entre os que obtiveram o estatuto de objetor de consciência em 2022, 236 eram homens e 181 mulheres. Foto © Kuzma.

 

O Ministério da Defesa registou no ano passado 417 objetores de consciência, jovens que invocaram “não poder usar a violência, de qualquer forma, contra o semelhante, quer se trate de defesa nacional, coletiva ou pessoal”, por “motivos de ordem religiosa, moral, humanística ou filosófica”, notícia o Jornal de Notícias de dia 15 de maio.

Por força do serviço militar ter deixado de ser obrigatório, a objeção de consciência, quando aceite, implica que esses jovens sejam dispensados da obrigação de comparecer às atividades do Dia da Defesa Nacional e fiquem, em qualquer caso, fora de uma eventual chamada extraordinária que venha a existir. De acordo com dados do Instituto Português da Juventude – instituição que organiza os processos dos pedidos de objeção de consciência – fornecidos à agência Lusa, nos últimos oito anos foram reconhecidos 3.222 estatutos dos mais de 3.500 pedidos recebidos. A figura do objetor de consciência está prevista na lei 7/92 de 12 de maio.

Entre os que obtiveram o estatuto de objetor de consciência em 2022, 236 eram homens e 181 mulheres. No total, representavam menos de 0,5 por cento dos 137.870 que se apresentaram para participar no Dia da Defesa Nacional.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This