Portugueses, não tenham medo de olhar para o retrovisor!

| 12 Mai 2021

 Costuma dizer-se que a memória dos povos é curta. Depressa esquecemos as páginas douradas do passado, mas ainda mais depressa esquecemos as negras. Mas conhecer a história colectiva dum país continua a ser o melhor antídoto para evitar cair nos mesmos erros, sempre que as oportunidades espreitam.

Espelho

” Costuma dizer-se que a memória dos povos é curta. Depressa esquecemos as páginas douradas do passado, mas ainda mais depressa esquecemos as negras.” Foto © Inga Gezalian / Unsplash

 

Passados que são quarenta e sete anos sobre a mudança de regime, pela primeira vez Portugal ouve um Presidente da República aproveitar a cerimónia oficial da efeméride no Parlamento para apelar a uma reflexão serena sobre a história do país, restaurando na memória colectiva a totalidade do que fomos e somos. O apelo claro é a que sejamos capazes de assumir tudo, sem “autocontemplações globais indevidas” ou “autoflagelações globais excessivas” e que tal exercício nos sirva de lição para o presente e o futuro.

Todos sabemos que não se faz história no dia seguinte a um evento. É necessário um distanciamento cronológico e emocional suficiente para se poder ser objectivo na análise dos acontecimentos históricos. Muitas vezes a simples circunstância de os protagonistas ainda estarem vivos dificulta uma abordagem de isenção ao fenómeno em estudo.

Marcelo Rebelo de Sousa percebeu que o actual espectro político-partidário não só permite como exige um olhar desapaixonado sobre a história de Portugal, incluindo a saga dos Descobrimentos e a colonização, e muito em particular o anterior regime, incluindo a Guerra Colonial, a implantação da democracia e a descolonização. Ele sabe que o emergir da extrema-direita, assim como a captura da direita democrática pela tentação racista e fascista, aliada ao desconhecimento que as novas gerações revelam de como era a vida dos portugueses durante o salazarismo pode conduzir a uma ruptura democrática, ou pelo menos a uma divisão complicada na sociedade portuguesa. Daí a importância do que denominou uma “serenidade lúcida”.

Só em democracia é possível ouvir um alto magistrado da nação assumir que a história do seu país é feita de glórias e fracassos, não se colocando numa barricada para acusar os adversários políticos dos fracassos e assumindo as glórias para si. Por muito que possa não parecer, só numa democracia consolidada é possível a um presidente confessar que é filho do regime ditatorial derrubado em Abril de 1974: “filho de um governante na ditadura e no império que viveu o ocaso tardio inexorável desse império, e viveu depois, como constituinte, o arranque de um novo tempo democrático, charneira entre duas histórias da mesma História.”   

Costuma dizer-se que a memória dos povos é curta. Depressa esquecemos as páginas douradas do passado, mas ainda mais depressa esquecemos as negras. Mas conhecer a história colectiva dum país continua a ser o melhor antídoto para evitar cair nos mesmos erros, sempre que as oportunidades espreitam e os radicalismos de esquerda e direita afloram no campo político e ideológico.

A física demonstra que para cada acção existe sempre uma reacção. Na arena política a resposta a uma dada acção pode ser uma resistência por reacção. Aquilo que Marcelo veio propor foi coisa diferente, em vez de resistência, resiliência, isto é flexibilidade. A resistência ou reacção pode ocasionar a ruptura dos materiais, mas a flexibilidade não. Em suma, é tempo de nos adaptarmos todos a uma assumpção de toda a história portuguesa, atendendo aos contextos em que ela se desenrolou, seja a fase da Expansão e da colonização, seja o período da monarquia absolutista ou constitucional, o tempo da I República, do Estado Novo ou da revolução, da democracia ou da descolonização. A velha casa portuguesa é feita de todas estas divisões e muitas mais. O que somos resulta do que fomos, mas se não soubermos tratar os mosaicos da história nunca conseguiremos projectar-nos no futuro.

Tal como a história da humanidade, também o percurso dos povos, dos países, das instituições e das religiões é sempre acidentado e inclui momentos de degradação mas também de redenção. Os ingleses foram esclavagistas mas acabaram com a escravatura, os americanos foram segregacionistas mas acabaram por aprovar a lei dos direitos civis, mesmo à custa de uma convulsão social. Os sul-africanos criaram o odioso apartheid, mas também foram eles que o mataram, os franceses fizeram a Revolução, sofreram o jacobinismo e toleraram Napoleão. Apesar dos erros, dramas e traumas nenhum povo deixou de olhar sempre em frente.

Já fomos imperialistas – dividimos o mundo com os espanhóis – e um dia o ciclo do império fechou-se. A Britain rules the waves acabou um dia e a América está em declínio. Não há que ter medo de olhar para o retrovisor e ver o que ficou lá atrás com o devido distanciamento, pois é isso que nos ajuda a construir um futuro sem cair nos mesmos erros. Até porque sem retrovisor a condução torna-se muito mais perigosa.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência”

Cartas de Luiza Andaluz em livro

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência” novidade

Preocupações com um homem que estava preso, com o funcionamento de uma oficina de costura para raparigas que não tinham trabalho, com a comida para uma casa de meninas órfãs. E também o relato pessoal de como sentiu nascer-lhe a vocação. Em várias cartas, escritas entre 1905 e 1971 e agora publicadas, Luiza Andaluz, fundadora das Servas de Nossa Senhora de Fátima, dá conta das preocupações sociais que a nortearam ao longo do seu trabalho e na definição do carisma da sua congregação.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This