Portugueses valorizam a fé mas têm pouca confiança nos padres

| 3 Jun 19 | Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Portugal, Sociedade, Últimas

Uma sondagem publicada neste domingo, 2 de junho, na edição do seu 131º aniversário, o Jornal de Notícias revela as percepções dos portugueses quanto à fé e quanto à confiança que lhes merecem diferentes profissões, entre as quais os padres.

Uma primeira questão perguntava aos portugueses o que acham de si próprios. A sondagem revela que os inquiridos consideram haver na sociedade portuguesa uma forte valorização do cuidado das crianças, mas uma fraca preocupação com as gerações mais velhas. De facto, só 22 por cento dos inquiridos entendem que existe uma forte ou muito forte preocupação com os idosos (se comparado com os animais, por exemplo, esse valor sobe aos 34%).

Numa listagem de 12 possibilidades, as mais pontuadas são as que os dão como “desenrascados” e “trabalhadores”. No fundo da tabela estão características como “ser organizado” e “ser racista”, que os respondentes entendem que os portugueses são pouco ou nada. Por outro lado, bem posicionada aparece a característica dos portugueses como “pessoas de fé”. De facto, 63 por cento entendem que isso é muito ou totalmente verdade e apenas 6 por cento têm posição contrária.

Era também fornecida aos inquiridos uma lista de nove profissões, solicitando que indicassem o grau de confiança que depositavam em cada uma delas. As de enfermeiro e de médico são as que merecem mais confiança, situando-se a de advogado na última posição e a de padre na penúltima.

Comentando a convite do jornal o aparente desfasamento entre a adesão à fé e a confiança no clero, o sociólogo João Teixeira Lopes, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, adianta a possibilidade de se estar perante “uma fé sem igreja”, explicando: “Somos religiosos à la carte. Há uma relação com Deus, mas a vida é dissociada das instituições religiosas“.

A sondagem foi feita para o JN  e rádio TSF e resultou de dados recolhidos pela empresa Pitagórica via telefone junto de 605 indivíduos, entre os dias 10 e 19 de maio último (margem de erro máxima de +-4,07% e para um nível de confiança de 95,5%).

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco