Inquérito 7M: sínodo católico em Portugal

Positivo, algumas falhas, muito clero, poucas mulheres e quase sem jovens

| 2 Jun 2022

sinodo 2023 foto cnbb

Um curto inquérito do 7MARGENS procurou avaliar de que modo está a ser recebido, preparado e posto em marcha o Sínodo da Igreja Católica. Foto  © CNBB.

 

Um balanço genericamente positivo no que se refere à participação dos católicos e mesmo à tomada de consciência de algumas falhas e limitações. Um caminho que a generalidade das pessoas quer que continue. Algumas tentativas de dialogar com os não-crentes ou outras confissões religiosas. A tomada de consciência de conflitos adormecidos ou de modelos de paróquias e comunidades ainda clericalistas. Por outro lado, as comissões diocesanas de um sínodo que pretende dinamizar a participação de todos os membros da Igreja são compostas por 40% de clérigos, incluindo apenas um terço de mulheres e quase sem jovens.

Estas são algumas conclusões de um curto inquérito feito pelo 7MARGENS aos responsáveis das 21 dioceses portuguesas (20 territoriais, mais a diocese castrense), procurando avaliar de que modo está a ser recebido, preparado e posto em marcha o Sínodo da Igreja Católica. Uma iniciativa, recorde-se, convocada pelo Papa Francisco e cuja etapa de mobilização que se vive actualmente, envolvendo católicos de todo o mundo, é considerada decisiva.

A maior parte das dioceses já realizou ou irá realizar neste mês a sua assembleia sinodal, para aprovação da respectiva síntese diocesana, que em princípio deve ser elaborada a partir dos contributos de paróquias, grupos, movimentos e outras estruturas. Como o 7MARGENS noticiou a 9 de Maio, na sequência de uma primeira parte deste inquérito, a maior parte das dioceses decidiu que esses contributos não serão divulgados.

Agora, pretendíamos saber que avaliação genérica fazem os responsáveis diocesanos sobre o caminho percorrido até aqui, pedindo ao mesmo tempo indicações sobre a composição das comissões.

Houve seis dioceses que não responderam às perguntas: Algarve, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Viseu e Bragança-Miranda. Esta última escusou-se à resposta com o argumento de que, estando sem bispo, isso não seria oportuno. O anterior prelado, agora arcebispo de Braga, ainda nomeou uma comissão diocesana com duas pessoas – um padre e uma professora –, e o 7MARGENS sabe que houve grupos a reunir e dar contributos. Publicamente, no entanto, os responsáveis contactados optaram pelo silêncio.

Olhando para a composição das comissões diocesanas, verifica-se desde logo que todos os coordenadores ou responsáveis das comissões diocesanas são padres – ou, no caso da diocese militar, o próprio bispo, Rui Valério. Nas 15 dioceses que responderam, há 110 pessoas que as integram (ver tabela, no final deste texto). Dessas, 40 são padres (ou seja, 36% do total) e 59 são leigos (há ainda sete freiras e um frade). Mulheres são apenas 34 (sete das quais religiosas) e pessoas abaixo dos 30 anos não passam da dezena (podem ser mais do que os nove indicados, pois entre as dioceses respondentes algumas não indicam claramente este dado).

 

Poucos jovens e poucas mulheres
sinodo 2023 comissao diocesana guarda foto diocese da guarda

Na Guarda, o padre Jorge Castela (segundo a contar da esquerda) destaca dois factos: as 3500 pessoas mobilizadas “numa diocese pequena e do interior”, e a possibilidade criada de “escutar vozes fora do âmbito eclesial, sobretudo através dos fóruns realizados”. Foto  © Diocese da Guarda.

 

O número de clérigos nas diferentes dioceses tem os seus extremos em Braga, Leiria e Porto (um padre em comissões de oito ou nove elementos) e, do outro lado, Portalegre e Castelo Branco (a comissão é composta por três padres). Mas, olhando a tabela, verifica-se também que é grande o peso das pessoas que integram serviços diocesanos ou estruturas equivalentes. Entre os não-clérigos, dominam as profissões liberais (professores, médicos, técnicos superiores…). Sectores como o operariado ou profissionais menos qualificados em termos académicos são praticamente inexistentes, a avaliar pelos dados fornecidos pelas dioceses.

A quase ausência de pessoas com menos de 30 anos não deixa de ser significativa, num momento em que a Igreja Católica está, em Portugal, a um ano e pouco (Agosto 2023) de acolher centenas de milhar de jovens de todo o mundo para a Jornada Mundial da Juventude. Do mesmo modo, a baixa percentagem de mulheres que integram as comissões diocesanas é outro dado relevante, se tivermos em conta a observação de Nathalie Becquart, subsecretária do Sínodo dos Bispos, em entrevista publicada quarta-feira, 1 de Junho, pelo 7MARGENS.

“Todos os dados mostram que, em todo o mundo – vemos o que se passa na Ucrânia – as primeiras vítimas das migrações, das guerras, das violências, são as mulheres. As primeiras vítimas do desemprego e da pobreza são as mulheres. Por isso, a Igreja, que tem na sua essência o procurar estar sempre junto dos mais pobres e escutá-los, e se as mulheres são as primeiras a ser afectadas, tem de as escutar”, dizia aquela responsável do Vaticano.

Estes dados não inibem, no entanto, os responsáveis diocesanos de avaliar de forma positiva o caminho percorrido até aqui. Mesmo se, como recorda o coordenador de Angra, padre José Medeiros Constância, a pandemia “atrasou os trabalhos”, que se vieram também sobrepor ao terceiro e último ano da caminhada sinodal diocesana.

A escuta que este processo tem permitido, em vários âmbitos, e a mobilização de muitos grupos e milhares de pessoas são dois factos sublinhados por vários dos coordenadores. Em Braga, o padre Sérgio Torres diz que se percebe que “este foi um exercício de escuta do agrado das pessoas” e que se sente o “desejo de continuidade”. Manuel Carvalheiro Dias, em Coimbra, diz que o processo “teve a virtude de provocar o debate, a reflexão, o encontro e a partilha”. No Funchal, o padre Manuel Ramos nota que se verificou “a necessidade de mais diálogo nas estruturas da Igreja” e também destas “com a sociedade em geral”.

Na Guarda, o padre Jorge Castela destaca dois factos: as 3500 pessoas mobilizadas “numa diocese pequena e do interior”, e a possibilidade criada de “escutar vozes fora do âmbito eclesial, sobretudo através dos fóruns realizados”. O mesmo se tentou em Beja, conta o padre Manuel António do Rosário, onde se procuraram “estabelecer pontes com cristãos de outras Igrejas, crentes de outras religiões e pessoas sem qualquer filiação religiosa”. E em Lamego, Diamantino Duarte diz também que foi “evidente o interesse, a curiosidade e a valorização” que os participantes nos encontros sinodais demonstravam pelo próprio tema da sinodalidade.

“Uma excelente experiência de Igreja comunhão, participação e missão”, é como José Augusto Rodrigues se refere ao que viveu em Leiria-Fátima, enquanto o padre Rui Pedro Carvalho, de Lisboa, acredita que o envolvimento conseguido (1.700 grupos e mais de 15. 000 pessoas, pelo menos) manifesta “um desejo de se caminhar em conjunto e de uma Igreja mais sinodal, que envolva a participação de todos”. E na diocese das Forças Armadas e de Segurança, o major-capelão Leonel castro nota uma “grande participação e interesse na mensagem que o sínodo pretende transmitir a todo o povo de Deus”.

 

Clericalismos e frustrações
sinodo 2023 questionarios foto diocese leiria fatima

Uns assinalam a “alegria de participar”, outros lamentam que o processo não tenha chegado a todos. Foto  © Diocese de Leiria-Fátima.

O processo tem também provocado a tomada de consciência dos limites de muitas realidades eclesiais. Ainda em Lisboa, o mesmo responsável refere que muitos grupos notaram “a falta de envolvimento e compromisso da comunidade e o pouco envolvimento dos jovens”.

Em Aveiro, Licínio Cardoso sublinha o facto e ter ficado mais claro “o modelo de Igreja e de pastoral que está instituído: vê-se claramente quais são as paróquias de funcionamento clericalista (tudo com os padres, os leigos como ‘extensão do braço da hierarquia’) e as paróquias com dinâmica que envolve leigos e padres em sã colaboração. Uma das notas que sobressaiu ainda, acrescenta, é que “quanto mais novos são os padres, mais clericalismo existe”.

Sérgio Torres, de Braga, diz que se nota “uma clara acentuação dos aspectos negativos e das críticas à vida da Igreja, às suas estruturas, ao seu funcionamento, à sua transparência”. E Manuel do Rosário, em Beja, recorda o sentimento de frustração que ficou de anteriores experiências: no Sínodo diocesano, “inicialmente mobilizador e depois gradualmente rotineiro e pouco envolvente”, houve pessoas que “não se sentiram identificadas nas sínteses que então foram apresentadas, pelo que ‘desligaram’ e passaram a responder com alguma indiferença aos apelos de maior empenho”.

Em Portalegre e Castelo Branco, o padre Amândio Bártolo Mateus sublinha que houve uma dificuldade inicial de compreender o propósito do processo sinodal, incluindo na necessidade de afrontar o clericalismo da Igreja na Europa, como tantas vezes insiste o Papa. De Vila Real, Márcio Martins admite que essa dimensão se manifestou também: “O processo não chegou a todos e deveria ter havido mais envolvência do clero.”

O padre Joaquim Santos, do Porto, sublinha que a par da “alegria de participar” e da “esperança de que daqui resultem verdadeiros processos de transformação que vençam a inércia, sem cair na ideologia da mudança, nem na mera cosmética”, o processo revelou também “conflitos adormecidos que pedem um caminho sem prazo de resposta”.

 

Membros das comissões sinodais diocesanas

(do número total há pessoas que podem acumular várias condições; por exemplo, um/a jovem é também contado/a como leigo/a e uma religiosa é também contada nas mulheres)

Notas
* Neste campo, não se indicam tarefas específicas dos padres.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This