Pré-publicação 7MARGENS do novo livro do Papa: “Tem de se ir às periferias se se quer ver o mundo como ele é”

| 11 Jan 21

Nesta terça-feira, dia 12, será posto à venda em Portugal o novo livro do Papa Francisco, Sonhemos Juntos (ed. Planeta). Preparado a partir de uma conversa com o jornalista inglês Austen Ivereigh, autor de O Grande Reformador e O Pastor Ferido (ambos editados pela Vogais), o livro é uma extensa e intensa reflexão do Papa sobre a crise provocada pela pandemia e as possibilidades que se oferecem para renovar as sociedades a partir dela.

Organizado à base do método ver-julgar-agir, usado pelos movimentos de Acção Católica há décadas, os seus três capítulos reformulam esses verbos, mas propondo a mesma dinâmica espiritual: Um tempo para ver; Um tempo para escolher; Um tempo para agir.

Na apresentação do livro, o Papa reflecte sobre a ideia da crise. No primeiro capítulo, Francisco faz uma volta ao mundo pelas crises mais graves da contemporaneidade (entre as quais a questão ambiental e os refugiados), propondo um olhar sobre elas a partir do evangelho no segundo capítulo – e aqui, insiste em algumas ideias que propôs na encíclica Fratelli Tutti, publicada no início de Outubro. No terceiro, apresenta algumas reflexões sobre o que é necessário para mudar as sociedades, com a ideia da máxima inclusão de todas as pessoas.

No início do primeiro capítulo, partindo da questão da crise, o Papa refere que a quarentena talvez nos tenha ajudado a “recuperar um pouco da fraternidade da qual os nossos corações tanto sentiram falta”, com a “esperança impaciente” de que o mundo possa organizar-se de forma diferente. E diz: “Tem de se ir às periferias se se quer ver o mundo como ele é.”

É um excerto desse início do primeiro capítulo que o 7MARGENS reproduz a seguir.

 

Rohyngia resgatados por guarda costeira do Bangladesh

Rohyngia resgatados por guarda costeira do Bangladesh: “Tenho um carinho especial pelo povo rohingya. Os rohingyas são, neste momento, o grupo mais perseguido da Terra.” Foto partilhada na página da Rohingya Women’s Education Initiative na rede Twitter.

 

Neste último ano de mudança e crise, tanto a minha mente como o meu coração transbordam de nomes. Pessoas em quem penso e por quem rezo, e com quem choro, por vezes: pessoas com muitos nomes e rostos, pessoas que morreram sem poder despedir-se daqueles que amavam, famílias em dificuldade porque não há trabalho e inclusivamente passam fome.

Às vezes, quando se pensa globalmente, pode-se ficar paralisado: há tantos focos de conflito que parecem não dar tréguas, há tanto sofrimento e tantas necessidades. Mas ajuda-me muito concentrar-me no concreto das situações, assim veem-se rostos ansiosos de vida e amor, vê-se a realidade de cada pessoa, de cada povo. Vê-se a esperança estampada na história de cada nação, que é gloriosa porque é uma história feita de sacrifícios, de luta quotidiana, de vida, de dedicação e entrega, e isso, mais do que impressionar-te, convida-te a ponderar e a dar uma resposta de esperança.

Tem de se ir às periferias se se quer ver o mundo como ele é. Sempre pensei que o mundo se vê com mais clareza a partir das periferias, mas nestes últimos sete anos como Papa acabei por o comprovar. Tem de se ir às periferias para encontrar um futuro novo. Quando Deus quis regenerar a Criação, quis ir à periferia: aos lugares de pecado e miséria, de exclusão e sofrimento, de doença e solidão, porque também eram lugares cheios de possibilidades: porque «onde abundou o pecado, sobreabundou a graça» (Rm 5, 20).

Mas não se pode ir à periferia em abstrato. Penso muitas vezes nos povos perseguidos: os pobres rohingyas, os uigures, os yazidis – o que o Daesh lhes fez foi de uma crueldade inaudita – ou os cristãos no Egito e no Paquistão, mortos por bombas que explodiram enquanto rezavam nas igrejas. Tenho um carinho especial pelo povo rohingya. Os rohingyas são, neste momento, o grupo mais perseguido da Terra. Procuro estar próximo deles na medida do possível. Não são católicos nem cristãos, mas são nossos irmãos e irmãs, um pobre povo maltratado por todos os lados, que não tem para onde ir. Presentemente, há milhares deles em campos de refugiados no Bangladesh, onde a covid-19 está descontrolada. Imagina o que se passa com o vírus num campo de refugiados. É uma injustiça que brada aos céus.

Reuni-me com os rohingyas em 2017, em Daca. São gente boa, gente que quer trabalhar e cuidar das suas famílias, mas isso não lhes é permitido. Uma população inteira acantonada e encurralada. No entanto, há algo que também me emociona, a generosidade fraterna demonstrada pelo Bangladesh. É um país pobre e densamente povoado; apesar disso, abriu as suas portas a 600 000 pessoas. A primeira-ministra de então disse-me que, para que um rohingya pudesse comer, os cidadãos do Bangladesh renunciavam a uma refeição por dia. Quando, no ano passado, me deram um prémio em Abu Dhabi – uma quantia importante –, mandei-o diretamente para os rohingyas: um reconhecimento de muçulmanos para outros muçulmanos.

Ir às periferias no concreto, como neste caso, permite tocar o sofrimento e as carências de um povo, mas permite também que se descubram as alianças possíveis que já se estão a fazer para as apoiar e encorajar. O abstrato paralisa-nos, mas focar-nos no concreto abre caminhos de possibilidades.

Enfermagem

Hospital de Santa Maria, Santa Maria, Brasília, DF, Brasil 19/2/2018: “Na quarentena, rezei muitas vezes por aqueles que procuraram, por todos os meios, salvar a vida de outros.” Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília.

 

Este tema da ajuda aos outros acompanhou-me durante estes últimos meses. Na quarentena, rezei muitas vezes por aqueles que procuraram, por todos os meios, salvar a vida de outros. Não quero dizer que com isto foram imprudentes ou negligentes; é claro que não procuravam morrer e fizeram todo o possível por evitar a morte, mas por vezes não puderam evitá-la, porque não tinham a proteção necessária. Não escolheram salvar as suas vidas antes das dos outros. Muitos enfermeiros, médicos e profissionais de saúde pagaram o preço do amor, juntamente com sacerdotes, religiosos e religiosas e tantas outras pessoas com vocação de serviço. Retribuímos o seu amor chorando por eles e prestando-lhes homenagem.

Não importa se o fizeram conscientemente ou não, a opção que fizeram foi testemunho daquilo em que acreditavam: é melhor uma vida dedicada ao serviço dos outros do que uma vida resistindo a esse chamamento. Por isso, em muitos países, as pessoas aplaudiram-nos desde as suas casas, como gesto de reconhecimento e admiração. Estes santos próximos da nossa vida quotidiana, são os que despertaram algo de importante no nosso coração, e tornaram credível, uma vez mais, o que desejamos cultivar com a pregação.

São esses os anticorpos contra o vírus da indiferença. Recordam-nos que a vida é um dom e que crescemos quando nos damos aos outros; não se trata de nos preservarmos, mas sim de nos entregarmos para servir.

Que sinal tão oposto ao individualismo, à obsessão pelo individual e à falta de solidariedade que parece impor-se nas nossas sociedades mais desenvolvidas! Será que estes cuidadores, que infelizmente já não estão connosco, nos mostram o caminho para a reconstrução?

O Amazonas, na zona de Manaus (Brasil): “Como nos tornámos cegos à beleza da criação? Como nos esquecemos dos dons de Deus e dos nossos irmãos?”. Foto © António Marujo

 

Nascemos, criaturas amadas pelo nosso Criador, Deus amor, num mundo que tem muitos mais anos de vida do que nós. Pertencemos a Deus, pertencemos uns aos outros e somos parte de toda a criação. E este facto, que entendemos com o coração, deve fazer fluir o nosso amor pelos outros; um amor que não se ganha nem se compra, porque tudo o que somos e temos é um dom imerecido.

Como nos persuadimos do contrário? Como nos tornámos cegos à beleza da criação? Como nos esquecemos dos dons de Deus e dos nossos irmãos? Como podemos explicar que vivemos num mundo onde a natureza está sufocada, onde os vírus se propagam como o fogo e causam o desmoronamento das nossas sociedades, onde a pobreza mais dilacerante convive com a riqueza mais inconcebível, onde povos inteiros – como os rohingyas – estão relegados à lixeira?

Creio que o que nos persuadiu foi o mito da autossuficiência, esse sussurro ao ouvido que nos diz que a terra existe para ser explorada; que os outros existem para satisfazer as minhas necessidades; que o que temos e o que nos falta é o que nós – e os outros – merecemos; que o meu prémio é a riqueza, mesmo que isso implique que o destino inevitável de outros seja a pobreza.

Em momentos como estes, sentimos uma impotência radical da qual não podemos sair sozinhos. É então que recuperamos «o sentido» e vemos esta cultura egoísta em que estamos submersos e que nos faz negar o melhor de nós mesmos. E se, nesse momento, nos arrependemos e dirigimos o olhar para o Criador e para os outros, talvez possamos recordar a verdade que Deus pôs no nosso coração: que lhe pertencemos a Ele e aos nossos irmãos.

Talvez porque durante a quarentena pudemos recuperar um pouco da fraternidade da qual os nossos corações tanto sentiram falta, muitos de nós começámos a sentir uma esperança impaciente de que o mundo possa organizar-se de forma diferente, para refletir assim essa verdade.

Descuidámos e maltratámos os nossos vínculos com o nosso Criador, com a criação e com as demais criaturas. A boa nova é que existe uma Arca que nos espera, para nos levar a um novo amanhã. A pandemia da covid-19 é o nosso «momento Noé», sempre que encontramos o caminho da Arca dos laços que nos unem, da caridade, da pertença comum.

A história de Noé, no Génesis, não fala apenas de como Deus ofereceu uma saída da destruição, também fala de tudo o que se passou depois. A regeneração da sociedade humana implicou voltar a respeitar os limites, a travar a corrida pela riqueza e pelo poder, a cuidar daqueles que vivem na periferia. A incorporação do Sábado e do Jubileu – momentos de recuperar e de reparar, de perdoar dívidas e restabelecer vínculos – foram as chaves para essa regeneração e deu tempo à terra para se reacomodar, para que os pobres encontrassem novas esperanças, para que os seres humanos encontrassem outra vez a sua alma.

É essa graça que se nos oferece agora, a luz no meio das nossas dificuldades. Não a desperdicemos.

 

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares novidade

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Semana pela Unidade dos Cristãos: Aplicação disponibiliza orações em árabe novidade

Pela primeira vez, os cristãos de língua árabe podem acompanhar as orações e meditações bíblicas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (que se assinala entre 18 e 25 de janeiro) no seu próprio idioma, graças à tradução assegurada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Conselho de Igrejas do Médio Oriente (MECC) e a aplicação bíblica You Version – The Bible App.

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Bispo Manuel Martins evocado nos 94 anos do seu nascimento novidade

Naquele que seria o dia do 94º aniversário do primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins, um grupo coordenado por Eugénio Fonseca promove uma sessão de evocação e homenagem, durante a qual intervém Manuel Malheiros, da Liga Portuguesa dos Direitos Humanos/Civitas.  

Indonésia: Paróquias acolhem 15 mil desalojados após terramoto

Na sequência do violento terramoto que atingiu a Ilha de Sulawesi, na Indonésia, na noite de quinta para sexta-feira, dia 15, a Cáritas local criou um centro de emergência para apoio à população afetada, tendo acolhido em duas paróquias um total de 15 mil pessoas que ficaram sem casa. A Conferência Episcopal Italiana (católica) doou, por seu lado, 500 mil euros para ajudar as famílias mais atingidas.

“Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, apela o arcebispo de Manaus

Com o aumento vertiginoso de casos de covid-19 no Estado do Amazonas (Brasil), particularmente na capital Manaus, e com as principais unidades de saúde já sem oxigénio disponível, o arcebispo da diocese, Leonardo Ulrich Steiner, gravou um vídeo apelando à solidariedade de todos. “Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, pediu na mensagem divulgada esta sexta-feira, 15 de janeiro, pelo Vatican News, sublinhando que a região se encontra “num momento de pandemia, quase sem saída”, em que as pessoas estão a morrer “por falta de oxigénio, por falta de camas” nas unidades de cuidados intensivos.

Bangladesh: Incêndio em campo de refugiados rohingya deixa 3.500 sem casa

Um incêndio devastou esta quinta-feira, 14 de janeiro, o campo de refugiados da cidade portuária de Cox’s Bazar, no sul do Bangladesh, tendo destruído mais de 550 casas que abrigavam cerca de 3.500 pessoas da minoria rohingya. Não são conhecidas até ao momento quaisquer vítimas mortais ou feridos graves, mas este incidente “terá roubado a muitas famílias o abrigo e dignidade que lhes restava”, afirmou o diretor da ONG Save the Children no país, Onn van Manen.

Entre margens

“Re-samaritanização” na “Fratelli Tutti” novidade

O Papa Francisco entendeu por bem dedicar o segundo capítulo da encíclica Fratelli Tutti (FT) à parábola do Bom Samaritano (Lc 10, 25-37). E a maneira como aborda o tema permite-nos falar de “re-samaritanização”, por dois motivos: primeiro, porque vem recordar que este modelo tão antigo de caridade e de ação-intervenção social mantém plena atualidade; e, em segundo lugar, porque interpreta a parábola de maneira diferente da mais comum e tradicional.

A fraude do nacionalismo cristão novidade

A secção de língua inglesa da International Bonhoeffer Society (fundada em 1973), um grupo de teólogos e académicos dedicados a estudar a vida e os escritos deixados pelo pastor luterano alemão e resistente antinazi Dietrich Bonhoeffer, executado em 1945 num campo de concentração, juntou-se ao crescente coro de autoridades eleitas, académicos e líderes religiosos que pedem a destituição do Presidente Donald Trump.

Euforia, esperança ou amnésia coletiva

2020 foi um ano em que, em boa parte, nos perdemos. Alguns arriscaram, mas, perante as consequências do destemor inicial, recuaram e reposicionaram a sua forma de vida. Outros não aprenderam nada e exibiram-se heróis, como se os riscos comprovados não existissem, como se as ameaças fossem coisa de fracos e de gente fora de moda. Pois é mesmo disso que tenho medo – de uma amnésia coletiva.

Cultura e artes

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Auscultar a expressão de um Povo

A chamada Caixa de Correio de Nossa Senhora constitui um arquivo do santuário de Fátima no qual se conservam as mensagens ali enviadas de todo o mundo, a partir da década de 40 do século passado, dirigidas à Mãe de Jesus. Trata-se de cartas, bilhetes, postais, ex-votos, num número que atinge os milhões e que constituem uma expressão de devoção íntima e pessoal de inúmeros católicos de todas as origens sociais, económicas e familiares.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This