Pré-publicação exclusiva 7MARGENS: A “crise duradoura” do sacerdócio, segundo Sarah e Ratzinger

| 7 Fev 20

Há uma “crise duradoura que o sacerdócio atravessa desde há vários anos” e por isso Joseph Ratzinger propôs-se “abordar as raízes profundas do problema”. Esta é a justificação para que o agora papa emérito Bento XVI tenha dado início a “um trabalho de reflexão teológica” sobre o tema. A idade e “uma certa lassidão” levaram-no a deixar de lado o estudo, mas as suas “trocas de impressões” com o cardeal da Guiné-Conacri, Robert Sarah, prefeito da Congregação para a o Culto Divino, deram-lhe “força” para retomar e concluir o texto.

É desta forma que Ratzinger explica a origem do texto agora incluído no livro Do Fundo dos Nossos Corações, que será posto à venda nas livrarias portuguesas na próxima quarta-feira, 12 de Fevereiro. A edição em português resulta do acordo editorial entre a Princípia Editora (através da sua chancela Lucerna) e a Fundação AJB – A Junção do Bem e o 7MARGENS faz aqui, em exclusivo, a pré-publicação da Introdução do cardeal Sarah, apresentando ainda algumas das ideias do papa emérito.

O aparecimento do livro esteve envolto em polémica, já esmiuçada no 7MARGENS, por ter sido visto como uma forma de pressionar o Papa Francisco, a propósito do documento pós-sínodo sobre a Amazónia, no qual pode vir a ser permitida a ordenação de homens casados. Inicialmente, a obra foi apresentada – e tem essa capa na edição original francesa – como sendo de co-autoria entre Bento XVI e Sarah.

Num segundo momento, o secretário particular de Ratzinger, o arcebispo alemão Georg Gänswein, negou que o papa emérito soubesse que o texto fosse para publicar num livro com estas características.

O cardeal Sarah, no entanto, publicou a correspondência trocada com Ratzinger, desmentindo as afirmações do secretário – e, em última instância, do próprio Ratzinger, já que Gänswein fez declarações em nome do seu superior.

O caso teve até agora, pelo menos, a consequência de afastar Gänswein do seu cargo de prefeito da Casa Pontifícia, lugar que também ocupa desde há sete anos, pouco antes de Bento XVI ter resignado, conforme o 7MARGENS noticiou também.

“Na base da situação grave em que se encontra hoje o sacerdócio, encontramos um defeito metodológico na recepção das Escrituras como Palavra de Deus”, escreve o papa emérito. No seu artigo – 20 páginas, em pouco menos de uma centena de texto útil –, Ratzinger começa por examinar as “estruturas ministeriais essenciais da primeira comunidade de Jesus”: apostolos são os enviados aprovados por Deus e designados para uma incumbência; os episkopos traduzem a ideia do protector ou do supervisor e predominante nos ambientes greco-cristãos dos primeiros tempos; e os presbyteros, equivalentes aos episkopos no meio judaico-cristão.

Apesar de referir o carácter “laico” do primeiro movimento de Jesus, bem como o carácter não cultual e não sacerdotal dos primeiros ministérios cristãos, Bento XVI considera que ele não resulta “de uma opção anticultual e antijudaica”, mas são, antes, “consequência da situação particular do sacerdócio do Antigo Testamento, na qual o sacerdócio está exclusivamente reservado para a tribo de Aarão-Levi”.

Uma outra nota é que, apesar da estrutura inicia deste “movimento de Jesus”, a palavra “presbítero” – uma designação muito mais própria do Novo Testamento cristão do que sacerdote – é usada apenas oito vezes no livro de Sarah/Ratzinger, que preferem sacerdote ou sacerdócio, uma palavra mais ligada ao judaísmo anterior ao século I.

Sarah com Ratzinger: o livro é publicado “num espírito de amor pela unidade da Igreja” e também “num espírito de caridade”. Foto: Unisinos/Direitos reservados

“Três textos para esclarecer a noção cristã de sacerdócio”

O papa emérito toma depois três textos bíblicos – dois do Antigo Testamento e um do Novo – para falar do sacerdócio cristão, defendendo “a unidade profunda” entre os dois Testamentos bíblicos, através “da passagem do Templo de pedra ao Templo que é o Corpo de Cristo”.

O primeiro texto são dois versículos do Salmo 16, que eram utilizados antes do II Concílio do Vaticano (1962-65), num dos ritos que levava à ordenação de novos padres: “Senhor, minha herança e meu cálice, a minha sorte está nas tuas mãos. Na partilha foram-me destinados lugares aprazíveis e é preciosa a herança que me coube.” Estas palavras, escreve, exprimiam, nesse rito, “a aceitação na comunidade sacerdotal”.

Do livro do Deuteronómio (10, 8 e 18, 5-8): “as palavras ‘estar diante do Senhor para O servir’ servem para definir a essência do sacerdócio”, escreve Ratzinger a partir da análise desse texto bíblico. “Em seguida, foram incorporadas na oração eucarística da Igreja de Jesus Cristo para exprimir a continuidade e a novidade do sacerdócio na Nova Aliança. O que se dizia outrora da tribo de Levi e respeitava exclusivamente a ela aplica-se agora aos sacerdotes e aos bispos da Igreja.”

Finalmente, o papa emérito toma dois versículos da chamada oração sacerdotal de Jesus, o longo discurso de despedida que Cristo faz aos seus discípulos, antes de ser preso e condenado à morte e que é reproduzido no evangelho de São João.

“Consagra-os [santifica-os] na Verdade. A tua palavra é a Verdade. Assim como Tu Me enviaste ao mundo, também Eu os enviei ao mundo”, diz esse excerto.

“Quando o texto diz ‘Consagra-os [santifica-os] na Verdade’, o Senhor [Jesus] pede ao Pai que inclua os Doze na sua missão, que os ordene sacerdotes”, escreve.

 

Pré-publicação: Introdução

Na Introdução, que agora aparece como um texto “escrito por Robert Sarah, lido e aprovado por Bento XVI”, o cardeal guineense diz que o livro é publicado “num espírito de amor pela unidade da Igreja” – “Se a ideologia divide, a verdade une os corações” – e também “num espírito de caridade”.

Cardeal Robert Sarah. Foto François-Régis Salefran/Wikimedia Commons

 

O 7MARGENS publica na íntegra o texto desta introdução:

 

Porque temeis?

Numa carta endereçada ao bispo donatista Maximinus, Santo Agostinho anuncia a intenção que tem de publicar a sua correspondência. «Que posso fazer», pergunta ele, «a não ser ler aos fiéis católicos as nossas cartas para que eles possam ser instruídos por elas (1)?». Decidimo-nos a seguir o exemplo do bispo de Hipona.

Nos últimos meses, enquanto o mundo fazia eco do ruído criado por um estranho sínodo dos meios de comunicação social que se sobrepunha ao sínodo real, encontrámo-nos. Trocámos as nossas ideias e preocupações. Rezámos e meditámos em silêncio. E cada um dos nossos encontros confortou-nos e apaziguou-nos mutuamente. As nossas reflexões, seguindo por caminhos diferentes, levaram-nos a trocar correspondência. A similaridade das nossas preocupações e a convergência das nossas conclusões decidiram-nos a colocar o fruto do nosso trabalho e da nossa amizade espiritual à disposição dos fiéis, à semelhança de Santo Agostinho.

Efetivamente, podemos afirmar tal como ele: «Silere non possum! – “Não posso calar-me!”. Sei, com efeito, até que ponto o silêncio seria pernicioso para mim. Porque não quero comprazer-me nas honras eclesiásticas, mas penso que é a Cristo, o primeiro dos pastores, que terei de prestar contas das ovelhas confiadas ao meu cuidado. Não posso calar-me nem fingir que ignoro (2)».

Philippe de Champaigne (1602–1674), Santo Agostinho: o bispo de Hipona escrevia “Não posso calar-me”; o cardeal Sarah toma essa citação para justificar o livro.

 

Enquanto bispos, somos portadores da solicitude de todas as igrejas. Com um grande desejo de paz e de unidade, oferecemos portanto a todos os nossos irmãos bispos, sacerdotes e fiéis leigos do mundo inteiro o benefício das nossas conversas.

Fazemo-lo num espírito de amor pela unidade da Igreja. Se a ideologia divide, a verdade une os corações. Perscrutar a doutrina da salvação só pode unir a Igreja em torno do seu Divino Mestre.

Fazemo-lo num espírito de caridade. Pareceu-nos útil e necessário publicar este trabalho num momento em que os espíritos parecem ter-se apaziguado. Cada qual poderá completá-lo ou criticá-lo. A procura da verdade só pode ter lugar mediante a abertura do coração.

Oferecemos portanto fraternalmente estas reflexões ao povo de Deus e, é claro, num espírito de filial obediência, ao Papa Francisco.

Pensámos particularmente nos sacerdotes. O nosso coração sacerdotal quis confortá-los, encorajá-los. Com todos os sacerdotes, rezamos: salva-nos, Senhor, que perecemos! O Senhor dorme enquanto se desencadeia a tempestade. Parece abandonar-nos às correntes da dúvida e do erro. Sentimo-nos tentados a perder a confiança. De todos os lados, as vagas do relativismo abatem-se sobre a barca da Igreja. Os apóstolos têm medo. A sua fé diminui. Também a Igreja parece por vezes vacilar. No meio da tempestade, a confiança dos apóstolos no poder de Jesus ficou abalada. Vivemos o mesmo mistério. Contudo, estamos profundamente em paz, porque sabemos que é Jesus quem conduz a barca. Sabemos que ela nunca se afundará. Acreditamos que só ela pode conduzir-nos ao porto da salvação eterna.

Sabemos que Jesus está aqui, connosco, na barca. Queremos transmitir-Lhe a nossa confiança e a nossa fidelidade absoluta, plena, exclusiva. Queremos voltar a dizer-Lhe o grande «sim» que Lhe dissemos no dia da nossa ordenação. É esse «sim» total que o nosso celibato sacerdotal nos faz viver em cada dia. Porque o nosso celibato é uma proclamação de fé. É um testemunho porque nos leva a entrar numa vida que só tem sentido a partir de Deus. O nosso celibato é testemunho, ou seja martírio. A palavra grega tem os dois significados. Durante a tempestade, nós, os sacerdotes, devemos reafirmar que estamos dispostos a perder a vida por Cristo. Dia após dia, damos esse testemunho graças ao celibato por meio do qual entregamos a nossa vida.

Jesus dorme na barca. Mas, se ganha a hesitação, se temos medo de depositar n’Ele a nossa confiança, se o celibato nos faz recuar, então receemos ouvir a sua crítica: «Porque temeis, homens de pouca fé?» (Mt 8, 26).

 

Cidade do Vaticano, setembro de 2019

Texto escrito por Robert Sarah, lido e aprovado por Bento XVI

Notas

(1) Santo Agostinho, Epist. 23, 7.

(2) Santo Agostinho, Epist. 23, 7.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco