“Precariado” e novas explorações laborais atingem quase milhão e meio – e diocese de Braga debate o tema

| 19 Mar 21

Acção sindical pelo direito a horários compatíveis com a vida familiar, em Lisboa (Dezembro de 2019): a sobrecarga de uns contrasta com a precariedade e a subutilização de outros. Foto © CESP

 

Há pelo menos 712.500 trabalhadores com contratos precários em Portugal, de acordo com dados do INE (Instituto Nacional de Estatística). Mas além destas devem contar-se outras 748.800 que, em Janeiro, estavam consideradas “subutilizadas” – ou seja, pessoas em situação de desemprego, de subemprego ou de inactividade (que eram 669.600 em 2020, mas tinham chegado às 836.300 pessoas em Julho de 2020).

É todo este panorama que será o tema do último debate do ciclo Nova Ágora, da diocese de Braga, que decorre nesta sexta-feira, 19 de Março, a partir das 21h, e que pode ser acompanhado através dos canais YouTube e Facebook da diocese. Com o título “Precariado: Novas explorações laborais”, o debate conta com a participação da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

Este é o terceiro e último encontro de uma série onde já foram debatidos os temas da emergência climática e conversão, e da genética, sempre com a participação de crentes e não-crentes.

No encontro desta sexta participam ainda o investigador Paulo Marques e o antropólogo social Paulo Granjo, com moderação da jornalista Graça Franco.

No Igreja Viva, suplemento do Diário do Minho, destacam-se vários números sobre Portugal, que dão contexto ao debate: por exemplo, o da percentagem de trabalhadores por conta de outrem com percentagem do salário mínimo que subiu de 7,4% em 2008, para 22,1% dez anos depois. (mais dados podem ser consultados na edição digital, procurando o botão “imprimir”, em baixo).

A participação no debate inclui a possibilidade de fazer perguntas aos intervenientes.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção novidade

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This