Precisamos de nos ouvir (15) – Catarina Leal: A necessidade torna todas as coisas comuns

| 25 Fev 2021

Servirmo-nos de uma coisa alheia, tomada às ocultas, em caso de necessidade extrema,
não tem natureza de furto, propriamente falando.
Porque essa necessidade torna nosso
o de que nos apoderamos para o sustento da nossa própria vida. (…)
Em caso de semelhante necessidade também nos podemos apoderar da coisa alheia
para socorrermos ao próximo assim necessitado.
(Tomás de Aquino, Suma Teológica, II-II, q. 66, a. 7.)

Pobreza, sem-abrigo, Lisboa, rua,

Uma pessoa sem-abrigo em Lisboa: há “uma gritante carência de infraestruturas que permitam condições de vida dignas na cidade.” Foto © Miguel Veiga.

 

Em meados de março de 2020, no início do primeiro confinamento provocado pela pandemia da covid-19, diversas ondas de solidariedade foram brotando um pouco por todo o país. Em Arroios e outras freguesias de Lisboa, vizinhos e vizinhas juntaram-se para formar, voluntariamente, serviços de apoio mútuo, como cantinas, lojas, mercearias e lavandarias gratuitas. Em maio do mesmo ano, algumas destas pessoas inauguraram, num edifício devoluto, um centro de dia a que chamámos Seara – Centro de Apoio Mútuo de Santa Bárbara.

A experiência de dois meses de contacto com pessoas em situações económicas e sociais fragilizadas – como trabalhadores precários, recém-desempregados, pensionistas, imigrantes e, principalmente, moradores de rua – levou-nos a compreender que existia uma gritante carência de infraestruturas que permitam condições de vida dignas na cidade de Lisboa. Como se faz quarentena sem casa? Como é possível que, depois de ir buscar uma refeição gratuita em take-away, não existam bancos públicos disponíveis onde as pessoas se possam sentar a comer? Porque escasseiam os pontos de água na cidade? Porque fecharam mais de metade dos balneários públicos em plena pandemia?

Perante este cenário, decidimos organizarmo-nos, entre nós e com as pessoas que necessitavam destes apoios, para, em conjunto, inaugurar a Seara e fazer daquele espaço um local de encontro e de partilha. Todos os dias, o centro de dia abria entre as 13h e as 16h, para receber pessoas que traziam as refeições entregues pelas cantinas do bairro, para que pudessem sentar-se a uma mesa a tomar essas refeições condignamente. Para além disto, as pessoas podiam lavar e secar roupa, usar casas de banho, carregar telemóveis ou usar a internet.

Pobreza, sem-abrigo, mesa, comida, partilha

“… poder sentar e tomar uma refeição condignamente…” Foto © Miguel Veiga

 

Inaugurámos ainda uma loja grátis, com roupa e calçado doados, e formámos um pequeno escritório onde colocámos um painel de classificados para procura ativa de trabalho. Os turnos incluíam também atividades diversas: sessões de pintura, de karaoke, cortes de cabelo, entre outras. Num fim-de-semana organizámos pequenos concertos que foram transmitidos por uma rádio amiga. Logo à entrada do espaço, para que todas estas atividades pudessem ser feitas em segurança, eram disponibilizadas máscaras e álcool gel a todas as pessoas. No final de cada turno, toda a gente se juntava para limpar o espaço e deixá-lo pronto para o dia seguinte.

A gestão do espaço e das atividades era pensada e discutida em assembleias semanais em que participavam tanto os vizinhos não carenciados, como as pessoas que usufruíam mais diretamente do espaço. A Seara dispunha de um ginásio suficientemente espaçoso para que todos – cerca de 50 pessoas – estivessem presentes cumprindo as normas de distanciamento físico impostas pela pandemia.

A Seara nasceu num antigo infantário da freguesia de Arroios, fechado em 2018, que na altura foi comprado à IPSS Inválidos do Comércio pela Spark Capital – empresa de serviços imobiliários que promove negócios de investidores estrangeiros com vista à obtenção de vistos gold. No início de junho, a mando da advogada representante destes novos proprietários, seguranças privados irromperam pelo centro de dia e expulsaram todas as pessoas do espaço.

Foi um dia muito violento, com cargas policiais – que apoiaram a ação dos seguranças – e lágrimas geradas não só pelo gás lacrimogéneo, como também pela ansiedade de quem se depara com tamanha injustiça. Mas foi também um dia de uma solidariedade enorme, em que centenas de pessoas se juntaram numa manifestação espontânea em frente do espaço, onde permaneceram, até de madrugada, a exigir o que todos nós queríamos que tivesse acontecido: “Seara fica!”

Dias depois do despejo da Seara, a população sem-abrigo decidiu organizar, pela primeira vez em Portugal, uma manifestação em frente à Assembleia da República: “Somos todos invisíveis” era o mote da convocatória.

O espaço que viu nascer a Seara continua hoje emparedado e nas arcadas da Av. Almirante Reis aumenta, de dia para dia, o número de pessoas em condição de sem-abrigo. As respostas do Estado são ainda claramente insuficientes para enfrentar os problemas sociais e económicos que já existiam antes da pandemia, mas que se agravaram entretanto.

comida, alimento, Jesus, ir. Eric, Taizé

Jesus alimenta a multidão, detalhe de pintura de ir. Eric, de Taizé. Foto © Maria do Carmo Marques Lito.

 

Alguns de nós continuam a participar em diversas acções bairro, ainda que com menos fôlego. Por exemplo, semanalmente, todas as quartas e domingos, o espaço da Associação Recreativa dos Anjos disponibiliza condições para que quem precise possa confeccionar refeições, para si e para os seus amigos. São dois dias por semana em que se prolonga o espírito de solidariedade da primeira vaga da pandemia.

 

Catarina Leal é bolseira da FCT e doutoranda em Antropologia. Mais recentemente participou na redação de uma série de artigos para o MAPA, jornal trimestral de informação crítica, numa rubrica intitulada “pandemia solidária”.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This