Precisamos de nos ouvir (15) – Catarina Leal: A necessidade torna todas as coisas comuns

| 25 Fev 2021

Servirmo-nos de uma coisa alheia, tomada às ocultas, em caso de necessidade extrema,
não tem natureza de furto, propriamente falando.
Porque essa necessidade torna nosso
o de que nos apoderamos para o sustento da nossa própria vida. (…)
Em caso de semelhante necessidade também nos podemos apoderar da coisa alheia
para socorrermos ao próximo assim necessitado.
(Tomás de Aquino, Suma Teológica, II-II, q. 66, a. 7.)

Pobreza, sem-abrigo, Lisboa, rua,

Uma pessoa sem-abrigo em Lisboa: há “uma gritante carência de infraestruturas que permitam condições de vida dignas na cidade.” Foto © Miguel Veiga.

 

Em meados de março de 2020, no início do primeiro confinamento provocado pela pandemia da covid-19, diversas ondas de solidariedade foram brotando um pouco por todo o país. Em Arroios e outras freguesias de Lisboa, vizinhos e vizinhas juntaram-se para formar, voluntariamente, serviços de apoio mútuo, como cantinas, lojas, mercearias e lavandarias gratuitas. Em maio do mesmo ano, algumas destas pessoas inauguraram, num edifício devoluto, um centro de dia a que chamámos Seara – Centro de Apoio Mútuo de Santa Bárbara.

A experiência de dois meses de contacto com pessoas em situações económicas e sociais fragilizadas – como trabalhadores precários, recém-desempregados, pensionistas, imigrantes e, principalmente, moradores de rua – levou-nos a compreender que existia uma gritante carência de infraestruturas que permitam condições de vida dignas na cidade de Lisboa. Como se faz quarentena sem casa? Como é possível que, depois de ir buscar uma refeição gratuita em take-away, não existam bancos públicos disponíveis onde as pessoas se possam sentar a comer? Porque escasseiam os pontos de água na cidade? Porque fecharam mais de metade dos balneários públicos em plena pandemia?

Perante este cenário, decidimos organizarmo-nos, entre nós e com as pessoas que necessitavam destes apoios, para, em conjunto, inaugurar a Seara e fazer daquele espaço um local de encontro e de partilha. Todos os dias, o centro de dia abria entre as 13h e as 16h, para receber pessoas que traziam as refeições entregues pelas cantinas do bairro, para que pudessem sentar-se a uma mesa a tomar essas refeições condignamente. Para além disto, as pessoas podiam lavar e secar roupa, usar casas de banho, carregar telemóveis ou usar a internet.

Pobreza, sem-abrigo, mesa, comida, partilha

“… poder sentar e tomar uma refeição condignamente…” Foto © Miguel Veiga

 

Inaugurámos ainda uma loja grátis, com roupa e calçado doados, e formámos um pequeno escritório onde colocámos um painel de classificados para procura ativa de trabalho. Os turnos incluíam também atividades diversas: sessões de pintura, de karaoke, cortes de cabelo, entre outras. Num fim-de-semana organizámos pequenos concertos que foram transmitidos por uma rádio amiga. Logo à entrada do espaço, para que todas estas atividades pudessem ser feitas em segurança, eram disponibilizadas máscaras e álcool gel a todas as pessoas. No final de cada turno, toda a gente se juntava para limpar o espaço e deixá-lo pronto para o dia seguinte.

A gestão do espaço e das atividades era pensada e discutida em assembleias semanais em que participavam tanto os vizinhos não carenciados, como as pessoas que usufruíam mais diretamente do espaço. A Seara dispunha de um ginásio suficientemente espaçoso para que todos – cerca de 50 pessoas – estivessem presentes cumprindo as normas de distanciamento físico impostas pela pandemia.

A Seara nasceu num antigo infantário da freguesia de Arroios, fechado em 2018, que na altura foi comprado à IPSS Inválidos do Comércio pela Spark Capital – empresa de serviços imobiliários que promove negócios de investidores estrangeiros com vista à obtenção de vistos gold. No início de junho, a mando da advogada representante destes novos proprietários, seguranças privados irromperam pelo centro de dia e expulsaram todas as pessoas do espaço.

Foi um dia muito violento, com cargas policiais – que apoiaram a ação dos seguranças – e lágrimas geradas não só pelo gás lacrimogéneo, como também pela ansiedade de quem se depara com tamanha injustiça. Mas foi também um dia de uma solidariedade enorme, em que centenas de pessoas se juntaram numa manifestação espontânea em frente do espaço, onde permaneceram, até de madrugada, a exigir o que todos nós queríamos que tivesse acontecido: “Seara fica!”

Dias depois do despejo da Seara, a população sem-abrigo decidiu organizar, pela primeira vez em Portugal, uma manifestação em frente à Assembleia da República: “Somos todos invisíveis” era o mote da convocatória.

O espaço que viu nascer a Seara continua hoje emparedado e nas arcadas da Av. Almirante Reis aumenta, de dia para dia, o número de pessoas em condição de sem-abrigo. As respostas do Estado são ainda claramente insuficientes para enfrentar os problemas sociais e económicos que já existiam antes da pandemia, mas que se agravaram entretanto.

comida, alimento, Jesus, ir. Eric, Taizé

Jesus alimenta a multidão, detalhe de pintura de ir. Eric, de Taizé. Foto © Maria do Carmo Marques Lito.

 

Alguns de nós continuam a participar em diversas acções bairro, ainda que com menos fôlego. Por exemplo, semanalmente, todas as quartas e domingos, o espaço da Associação Recreativa dos Anjos disponibiliza condições para que quem precise possa confeccionar refeições, para si e para os seus amigos. São dois dias por semana em que se prolonga o espírito de solidariedade da primeira vaga da pandemia.

 

Catarina Leal é bolseira da FCT e doutoranda em Antropologia. Mais recentemente participou na redação de uma série de artigos para o MAPA, jornal trimestral de informação crítica, numa rubrica intitulada “pandemia solidária”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This