Precisamos de nos ouvir (16) – Pedro Bacelar de Vasconcelos: A maldita pandemia

| 26 Fev 21

pandemia, covid-19, vida

“O duro não dura, só o doce dura.” Foto © Maria do Carmo Marques Lito

 

A pandemia é um mal apocalíptico. Continuamos sem saber ao certo de onde veio nem o que é, salvo o reconhecimento elementar que facultou o fabrico em tempo recorde de um expediente imunizador, a ansiada vacina, mas nada de seguro se encontrou que a possa curar. Dos efeitos que provoca, todavia, sabemos quase tudo, a cada momento.

Diariamente são atualizados os números dos novos contágios, desenlaces fatais, internamentos, e das cifras acumuladas de óbitos e contágios. Diariamente somos informados de dados comparativos que nos permitem situar progressões e regressões que nos colocam ora na vanguarda ora na retaguarda de uma espécie de concurso permanente entre municípios, regiões e países de todos os continentes. Intermináveis blocos noticiosos advertem-nos em horário nobre, dos sucessos e insucessos do combate sem fim contra esta maldição, a todas as latitudes.

As metáforas bélicas adjetivam o desafio: fala-se de “uma verdadeira guerra” e recomendam-se militares e governos de salvação nacional para a comandar. As mais bárbaras restrições de direitos fundamentais são adotadas sem revolta nem queixume. A resignação transfigurou-se em virtude cívica e o medo tornou-se imperativo patriótico. O Comandante Supremo das Forças Armadas acumulou com a chefia do Estado a direção-geral da proteção civil para conduzir o país na guerra contra o agressor viral.

De olhos fechados para o passado e o futuro, a política propriamente dita eclipsou-se, aboliu-se o contraditório, diferenças e propostas alternativas diluíram-se ou adiaram-se. Persiste apenas um ameaçador ruído de fundo nas margens do sistema. Direitos inatos – para usar a linguagem dos revolucionários liberais do século XVIII – tais como a liberdade de circular e de conviver, foram praticamente suprimidos por tempo indeterminado. O que se prepara afinal? Estará irremediavelmente perdida a normalidade que conhecíamos mas alguns dizem que não mais voltará?

E pergunta-me o 7MARGENS como vivi a pandemia?

– Com um doloroso aperto de alma e inquieta perplexidade!

 

Pedro Bacelar de Vasconcelos é deputado pelo Partido Socialista e constitucionalista

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This