Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

| 4 Mar 21

Arte, Teatro Massimo, Palermo, Pandemia,

“A sala está vedada aos espectadores…” Foto: Teatro Massimo, Palermo, Itália. © Miguel Veiga.

 

“Um dia racho-te”, dizia o senhor Jacinto para o neto, que ficara encarregado de dar finitude à água, conforme determinava a divisão daquele bem essencial e se distraíra, violando o pacto estabelecido. A responsabilidade da distração fora de uma sardanisca, desculpava-se o rapaz entre lágrimas. Por ela deixara passar a hora e, com a distração, a água ficara mais curta, manta de menos para tanta couve sedenta, a aguardar hora na banca do mercado municipal.

Com a honra encharcada, o senhor Jacinto tivera de fazer a caminhada até à casa do vizinho, a orelha do neto numa mão, o neto atrás, o discurso engatado na ponta da língua, a saliva imaginada a escalar: “desculpe a distração do meu neto, etc etc etc, raios partam os catraios…”.

Havia honra no tempo do senhor Jacinto. E vizinhos. E desvelos. E palavras com que se saudavam sempre que os seus passos os faziam cruzar-se. Água é que não havia. Ou havia pouca e tinha de ser bem dividida. Por isso é que as desculpas eram mais urgentes.

Com a ameaça de o rachar, o senhor Jacinto não queria apenas castigar o neto, mas multiplicar as suas competências, multiplicando também as suas incompetências. Mas disso não se lembrara ele. O lado direito do rapaz para um lado, o lado esquerdo para o outro. Aquilo que ele não era capaz de fazer multiplicado por dois, as distrações vezes dois, a desfaçatez vezes dois…

(Há muito pouco tempo, um candidato à presidência da república dividia também ele o eleitorado em duas partes, rachando-o no discurso vertical: os portugueses de bem e os outros. Ele seria apenas presidente, sendo eleito, da parte “boa” dos portugueses, deitando para trás das costas os portugueses que são má gente, gente ruim. O lado direito para um lado, o lado esquerdo borda fora…)

Um dia o neto adoeceu duma doença qualquer, daquelas que se vê traduzida na pele por borbulhas e outras erupções. No convívio com os amigos, ele passou a doença a uns e a outros não. Bem entendido que não escolheu a quem passar a doença, nem tão pouco as borbulhas imundas que passaram a constar na fisionomia de uns quantos, para gozo dos que mantinham imaculada a sua pele desinfectada. Desse pecado ele não podia ser incriminado. Mas talvez fosse consequência dos desejos de antanho do avô, rachando-o para sempre, as duas metades inconciliáveis, cada uma na direcção oposta à da outra.

O mundo rachado ao meio

No meu trabalho primordial, passa-se coisa semelhante ao que aconteceu na vida do senhor Jacinto e do neto. Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá. Mesmo que o Encontro seja um suave arremedo, em fase de ensaios, com o encenador no lugar do espectador – que o é, o primeiro a ver – e a restante equipa nos lugares da plateia.

A relação entre a sala e o palco foi mudando conforme os anos passaram pela arte. Primeiro, o mundo da sala excedia largamente em metros quadrados o mundo do palco. À sala estava reservada a fatia maior do espaço total disponível, mas, pouco a pouco, com a introdução das tecnologias, mais artesanais umas mais tecnológicas outras, a relação inverteu-se. Não que a sala dos velhos teatros tenha sido alterada na sua composição, arquitectura ou geografia, mas porque o palco foi conquistando outras áreas (do quarteirão, muitas vezes), aumentando o seu corpo. Exemplo disso, por exemplo, é o Teatre del Liceu de Barcelona. A sala manteve-se inalterável, mesmo com o incêndio que devastou parte do seu corpo, mas com a recuperação encetada, o palco conquistou os metros de que necessitava graças à generosa contribuição da burguesia catalã que, não apenas recuperou os espaços existentes, mas adquiriu os necessários que a envolviam, fornecendo à caixa mágica espaço e condição física de poder exercer na sua plenitude a sua função.

Independentemente desta diferente relação, o que não se modificou foi o diálogo entre estes dois mundos. Continuaram permeáveis na sua porosidade mais óbvia, mas definiram-se os roteiros, as portas de entrada e saída, evitando que estes dois mundos coincidissem e se infectassem, que não apenas em resultado do processo teatral.

Agora, à luz da experiência sanitária que vivemos, não é apenas o neto do senhor Jacinto que está rachado ao meio, mas o mundo todo, mais desigual, mais profundamente dividido. As duas metades originais, Caim e Abel de antanho, são agora metades muito mais desequilibradas. A pretensa democraticidade do vírus aprofundou as desigualdades. A sala está vedada aos espectadores; o palco continua (por quanto tempo?) a ser espaço habitável por parte dos agentes teatrais, que insistem – teimosos – na preparação do dia seguinte, para quando a autorização superior chegar estarem prontos e, imediatamente, as duas partes do edifício se juntarem.

Só que nessa altura o senhor Jacinto não terá a quem pedir desculpa por estar mais sozinho; o braço do vizinho que vacinava com o pedido de desculpas, ficará agora mais desumanamente inabitável; a mão vazia sem a presença da orelha do neto que há muito saiu de cena; a luz apagada; o negócio das couves a definhar, enquanto o das vacinas segue de vento em popa.

A democracia sofreu rude golpe, a desumanidade ganhou terreno, nada será como dantes.

Talvez a arte nos possa continuar a salvar. Quem sabe?

António Durães é actor

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Socorrer urgentemente Cabo Delgado

Os Dias da Semana – Socorrer urgentemente Cabo Delgado novidade

Moçambique tem um amplo destaque na primeira página da edição de hoje e de amanhã do diário francês Le Monde, por causa dos ataques mortais de jihadistas à cidade de Palma e da instabilidade na província de Cabo Delgado, qualificada como “antigo canto do paraíso”. No interior, as páginas 16, 17 e 18 são integralmente dedicadas ao que se passa na região entalada entre “as ambições da indústria do gás e a pressão jihadista”.

Breves

Vida para lá da Terra? Respondem teólogos e astrónomos novidade

Ciência e Espiritualidade é o mote para um encontro organizado pela Faculdade de Teologia e pelo Departamento de Astronomia da Universidade de Genebra (Suíça). “O homem e o céu: do universo mítico ao universo científico” é o tema que procurará responder a perguntas como: O que é o universo? Vida, aqui e além? De onde vimos? Para que fim?

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

A viagem do vestido de casamento novidade

O cerne da questão das cerimónias de casamento, na minha sociedade, é o vestido de noiva. A existência do vestido de noiva é antecedida pelo anúncio do casamento, que traz felicidade a alguns familiares, tanto da noiva, quanto do noivo. Digo alguns, porque um casamento, para além da graça que carrega, reúne em torno de si muita agrura. Casar e ter filhos ainda é das coisas mais importantes na minha sociedade. Existe muito pouco deleite acima disso.

Dois quadros de Caravaggio

Há dois episódios que recentemente recordámos na liturgia que continuam a deixar-nos cheios de perplexidade. Falo da tripla negação de Pedro e da incredulidade de Tomé. Afinal, somos nós mesmos que ali estamos representados, por muito que isso nos choque. E o certo é que, para que não haja dúvidas, as palavras que pontuam tais acontecimentos são claríssimas. Pedro recusa terminantemente a tentação, quando Jesus lhe anuncia que ele O vai renegar. E nós sentimo-nos aí retratados.

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver?

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This