Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

| 4 Mar 21

Arte, Teatro Massimo, Palermo, Pandemia,

“A sala está vedada aos espectadores…” Foto: Teatro Massimo, Palermo, Itália. © Miguel Veiga.

 

“Um dia racho-te”, dizia o senhor Jacinto para o neto, que ficara encarregado de dar finitude à água, conforme determinava a divisão daquele bem essencial e se distraíra, violando o pacto estabelecido. A responsabilidade da distração fora de uma sardanisca, desculpava-se o rapaz entre lágrimas. Por ela deixara passar a hora e, com a distração, a água ficara mais curta, manta de menos para tanta couve sedenta, a aguardar hora na banca do mercado municipal.

Com a honra encharcada, o senhor Jacinto tivera de fazer a caminhada até à casa do vizinho, a orelha do neto numa mão, o neto atrás, o discurso engatado na ponta da língua, a saliva imaginada a escalar: “desculpe a distração do meu neto, etc etc etc, raios partam os catraios…”.

Havia honra no tempo do senhor Jacinto. E vizinhos. E desvelos. E palavras com que se saudavam sempre que os seus passos os faziam cruzar-se. Água é que não havia. Ou havia pouca e tinha de ser bem dividida. Por isso é que as desculpas eram mais urgentes.

Com a ameaça de o rachar, o senhor Jacinto não queria apenas castigar o neto, mas multiplicar as suas competências, multiplicando também as suas incompetências. Mas disso não se lembrara ele. O lado direito do rapaz para um lado, o lado esquerdo para o outro. Aquilo que ele não era capaz de fazer multiplicado por dois, as distrações vezes dois, a desfaçatez vezes dois…

(Há muito pouco tempo, um candidato à presidência da república dividia também ele o eleitorado em duas partes, rachando-o no discurso vertical: os portugueses de bem e os outros. Ele seria apenas presidente, sendo eleito, da parte “boa” dos portugueses, deitando para trás das costas os portugueses que são má gente, gente ruim. O lado direito para um lado, o lado esquerdo borda fora…)

Um dia o neto adoeceu duma doença qualquer, daquelas que se vê traduzida na pele por borbulhas e outras erupções. No convívio com os amigos, ele passou a doença a uns e a outros não. Bem entendido que não escolheu a quem passar a doença, nem tão pouco as borbulhas imundas que passaram a constar na fisionomia de uns quantos, para gozo dos que mantinham imaculada a sua pele desinfectada. Desse pecado ele não podia ser incriminado. Mas talvez fosse consequência dos desejos de antanho do avô, rachando-o para sempre, as duas metades inconciliáveis, cada uma na direcção oposta à da outra.

O mundo rachado ao meio

No meu trabalho primordial, passa-se coisa semelhante ao que aconteceu na vida do senhor Jacinto e do neto. Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá. Mesmo que o Encontro seja um suave arremedo, em fase de ensaios, com o encenador no lugar do espectador – que o é, o primeiro a ver – e a restante equipa nos lugares da plateia.

A relação entre a sala e o palco foi mudando conforme os anos passaram pela arte. Primeiro, o mundo da sala excedia largamente em metros quadrados o mundo do palco. À sala estava reservada a fatia maior do espaço total disponível, mas, pouco a pouco, com a introdução das tecnologias, mais artesanais umas mais tecnológicas outras, a relação inverteu-se. Não que a sala dos velhos teatros tenha sido alterada na sua composição, arquitectura ou geografia, mas porque o palco foi conquistando outras áreas (do quarteirão, muitas vezes), aumentando o seu corpo. Exemplo disso, por exemplo, é o Teatre del Liceu de Barcelona. A sala manteve-se inalterável, mesmo com o incêndio que devastou parte do seu corpo, mas com a recuperação encetada, o palco conquistou os metros de que necessitava graças à generosa contribuição da burguesia catalã que, não apenas recuperou os espaços existentes, mas adquiriu os necessários que a envolviam, fornecendo à caixa mágica espaço e condição física de poder exercer na sua plenitude a sua função.

Independentemente desta diferente relação, o que não se modificou foi o diálogo entre estes dois mundos. Continuaram permeáveis na sua porosidade mais óbvia, mas definiram-se os roteiros, as portas de entrada e saída, evitando que estes dois mundos coincidissem e se infectassem, que não apenas em resultado do processo teatral.

Agora, à luz da experiência sanitária que vivemos, não é apenas o neto do senhor Jacinto que está rachado ao meio, mas o mundo todo, mais desigual, mais profundamente dividido. As duas metades originais, Caim e Abel de antanho, são agora metades muito mais desequilibradas. A pretensa democraticidade do vírus aprofundou as desigualdades. A sala está vedada aos espectadores; o palco continua (por quanto tempo?) a ser espaço habitável por parte dos agentes teatrais, que insistem – teimosos – na preparação do dia seguinte, para quando a autorização superior chegar estarem prontos e, imediatamente, as duas partes do edifício se juntarem.

Só que nessa altura o senhor Jacinto não terá a quem pedir desculpa por estar mais sozinho; o braço do vizinho que vacinava com o pedido de desculpas, ficará agora mais desumanamente inabitável; a mão vazia sem a presença da orelha do neto que há muito saiu de cena; a luz apagada; o negócio das couves a definhar, enquanto o das vacinas segue de vento em popa.

A democracia sofreu rude golpe, a desumanidade ganhou terreno, nada será como dantes.

Talvez a arte nos possa continuar a salvar. Quem sabe?

António Durães é actor

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This