Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento

| 7 Mar 21

Há tempos e momentos que são mais propícios à reflexão e à interiorização, oferecendo-nos oportunidades de pensar, ou repensar, atitudes pessoais e realidades coletivas. E são estas oportunidades de refletir que, normalmente, nos abrem perspetivas de mudança, de ver novas formas de viver, de olhar novas respostas para combater injustiças, pobrezas e violações dos Direitos Humanos. São estes períodos que nos fortalecem a capacidade de silêncio, escuta, de diálogo, de sentido crítico e de compromisso individual e coletivo. Dessas experiências, cada um de nós transporta memórias das mudanças significativas daí surgidas.

“Precisamos, como de ‘pão para a boca’, de uma mudança de paradigma.” Foto © Miguel Veiga.

 

Este tempo de pandemia, com um ano de presença nas nossas vidas, revelou-nos como algo tão pequeno e invisível aos nossos olhos pode sacudir a nossa confiança e afetar a confiança no futuro. Obrigou-nos a mudar hábitos e atitudes. Fez parar a economia em todo o mundo. Afetou profundamente a normalidade das nossas vidas de trabalho e dos nossos ambientes familiares. Ficamos confinados; obedecemos a regras de distanciamento entre as pessoas, incluindo as que mais amamos; usamos máscaras que escondem os sorrisos das saudações e da alegria de vivermos em família e em comunidade.

Para muitos, o teletrabalho foi a solução para continuar a ter um salário, mas há que perceber que a quebra nas relações humanas e nos laços sociais que se criam nos locais de trabalho são tão importantes como o salário que garante o pão de cada dia. Aumenta o número de pessoas e de famílias a perderem rendimentos, que se juntam a tantos outros que já eram pobres pela vulnerabilidade estrutural das suas vidas.

Estas mudanças, ao apresentarem novas realidades, impelem em muitos de nós a necessidade de parar para escutar, para nos ouvir. Martela na nossa cabeça a consciência de que somos uma pertença coletiva e que “nesta tempestade estamos todos no mesmo barco”. Mas inquieta-nos a enormidade deste barco e o fosso de desigualdades que nele predominam. Desassossega-nos que, manipulados ou manietados, os meios para sairmos desta pandemia não estão ao serviço de todos em igualdade de acesso. Este “deserto” por que estamos a passar tem de contribuir para implementar mais dignidade e mais humanidade.

Não conhecemos ainda os custos reais que este tempo de pandemia terá nas nossas relações afetivas e de sociabilidade. Mas os custos sociais e económicos, na vida dos trabalhadores e das suas famílias, já começam a ser bem visíveis. É tempo de pensar como queremos sair desta pandemia: mais próximos uns dos outros, mais solidários e fraternos, mais atentos e prestativos nos cuidados e na entreajuda? Mais comprometidos com as estruturas associativas, políticas e sindicais que ajudem a gerar mais diálogo social, mais comprometidos com a inclusão e a equidade sociais?

O mundo do trabalho exige uma nova organização assente na dignidade e no respeito dos direitos laborais: que redistribua justa e equitativamente a riqueza proveniente do trabalho; que comporte horários compatíveis com a vida pessoal e familiar; que aproxime as necessidades de produção com as reais necessidades do consumo das pessoas e das comunidades.

Precisamos de um sistema tributário mais justo e equitativo, aculturado como um dever cívico das pessoas, como responsabilidade social e ética das empresas e de todos os sectores económicos e financeiros do Estado. O combate à fuga aos impostos e aos paraísos fiscais deve ser um desafio e um compromisso cívico em nome da ética, da responsabilidade civilizacional e do bem comum universal.

Os tempos controversos e de tempestade são favoráveis às mudanças. E nós precisamos, como de “pão para a boca”, de uma mudança de paradigma. Fernando Pessoa, no seu poema Mar Português, transmite-nos uma mensagem de coragem e de ousadia; “quem quer passar além do Bojador, tem que passar além da dor, Deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu”.

Precisamos desta coragem e desta ousadia de pensar, de criar e de acreditar num novo modelo de desenvolvimento e nele vermos espelhados a economia que aproxima, inclui, dignifica toda a Humanidade, em que todos nós nos temos de envolver e de comprometer, pessoal e coletivamente.

 

Fátima Almeida integra a LOC/MTC e é copresidente do MMTC – Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos

 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This