Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento

| 7 Mar 2021

Há tempos e momentos que são mais propícios à reflexão e à interiorização, oferecendo-nos oportunidades de pensar, ou repensar, atitudes pessoais e realidades coletivas. E são estas oportunidades de refletir que, normalmente, nos abrem perspetivas de mudança, de ver novas formas de viver, de olhar novas respostas para combater injustiças, pobrezas e violações dos Direitos Humanos. São estes períodos que nos fortalecem a capacidade de silêncio, escuta, de diálogo, de sentido crítico e de compromisso individual e coletivo. Dessas experiências, cada um de nós transporta memórias das mudanças significativas daí surgidas.

“Precisamos, como de ‘pão para a boca’, de uma mudança de paradigma.” Foto © Miguel Veiga.

 

Este tempo de pandemia, com um ano de presença nas nossas vidas, revelou-nos como algo tão pequeno e invisível aos nossos olhos pode sacudir a nossa confiança e afetar a confiança no futuro. Obrigou-nos a mudar hábitos e atitudes. Fez parar a economia em todo o mundo. Afetou profundamente a normalidade das nossas vidas de trabalho e dos nossos ambientes familiares. Ficamos confinados; obedecemos a regras de distanciamento entre as pessoas, incluindo as que mais amamos; usamos máscaras que escondem os sorrisos das saudações e da alegria de vivermos em família e em comunidade.

Para muitos, o teletrabalho foi a solução para continuar a ter um salário, mas há que perceber que a quebra nas relações humanas e nos laços sociais que se criam nos locais de trabalho são tão importantes como o salário que garante o pão de cada dia. Aumenta o número de pessoas e de famílias a perderem rendimentos, que se juntam a tantos outros que já eram pobres pela vulnerabilidade estrutural das suas vidas.

Estas mudanças, ao apresentarem novas realidades, impelem em muitos de nós a necessidade de parar para escutar, para nos ouvir. Martela na nossa cabeça a consciência de que somos uma pertença coletiva e que “nesta tempestade estamos todos no mesmo barco”. Mas inquieta-nos a enormidade deste barco e o fosso de desigualdades que nele predominam. Desassossega-nos que, manipulados ou manietados, os meios para sairmos desta pandemia não estão ao serviço de todos em igualdade de acesso. Este “deserto” por que estamos a passar tem de contribuir para implementar mais dignidade e mais humanidade.

Não conhecemos ainda os custos reais que este tempo de pandemia terá nas nossas relações afetivas e de sociabilidade. Mas os custos sociais e económicos, na vida dos trabalhadores e das suas famílias, já começam a ser bem visíveis. É tempo de pensar como queremos sair desta pandemia: mais próximos uns dos outros, mais solidários e fraternos, mais atentos e prestativos nos cuidados e na entreajuda? Mais comprometidos com as estruturas associativas, políticas e sindicais que ajudem a gerar mais diálogo social, mais comprometidos com a inclusão e a equidade sociais?

O mundo do trabalho exige uma nova organização assente na dignidade e no respeito dos direitos laborais: que redistribua justa e equitativamente a riqueza proveniente do trabalho; que comporte horários compatíveis com a vida pessoal e familiar; que aproxime as necessidades de produção com as reais necessidades do consumo das pessoas e das comunidades.

Precisamos de um sistema tributário mais justo e equitativo, aculturado como um dever cívico das pessoas, como responsabilidade social e ética das empresas e de todos os sectores económicos e financeiros do Estado. O combate à fuga aos impostos e aos paraísos fiscais deve ser um desafio e um compromisso cívico em nome da ética, da responsabilidade civilizacional e do bem comum universal.

Os tempos controversos e de tempestade são favoráveis às mudanças. E nós precisamos, como de “pão para a boca”, de uma mudança de paradigma. Fernando Pessoa, no seu poema Mar Português, transmite-nos uma mensagem de coragem e de ousadia; “quem quer passar além do Bojador, tem que passar além da dor, Deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu”.

Precisamos desta coragem e desta ousadia de pensar, de criar e de acreditar num novo modelo de desenvolvimento e nele vermos espelhados a economia que aproxima, inclui, dignifica toda a Humanidade, em que todos nós nos temos de envolver e de comprometer, pessoal e coletivamente.

 

Fátima Almeida integra a LOC/MTC e é copresidente do MMTC – Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This