Precisamos de nos ouvir (29) – Álvaro Laborinho Lúcio: Pandemia, heróis e sorrisos

| 12 Mar 21

“O uso da máscara como manifestação de respeito por nós e pelo outro!…” Foto © Miguel Veiga.

 

E, de repente, o absurdo!

Um vírus mau chegou-se à globalização e aproveitou-se dela.

Um novo Anti-Cristo levou-nos a fugir das igrejas, a correr para casa, a guardar aí a fé e a descobrirmos como é pequena a diferença entre ciência e filosofia. Da ciência, reclamamos agora vacina, tratamento e cura. À filosofia, pedimos vida, isto é, pensamento, compaixão, humanidade.

Todos de máscara. Todos.

Como se isso não fosse o que vimos fazendo há décadas!

Só que agora é o absurdo que o impõe. O uso da máscara como manifestação de respeito por nós e pelo outro! Afinal, absurdo dos absurdos, a máscara surge como expressão de solidariedade, de procura do sentido de cada um com o outro, de responsabilidade. Despede-se a máscara da falsidade e, em vez de dissimular o que se deixa sair pela boca, ela vem evitar aquilo que, sem qualquer sentido crítico, se permite que por ela entre.

 

“A cidade está limpa. E os encarregados da recolha do lixo são heróis também…” Foto © Miguel Veiga

 

De repente, médicos e enfermeiros, entre outros, assumem o papel em regra reservado aos heróis. É mais do que justo, justíssimo. Injusto é esquecer os milhares que lutam contra a morte e que, sem a vencerem, vão a enterrar num cemitério de números, sem velório ou aplauso. Está limpa, a cidade. Metidos em casa, aumentamos o lixo. Mas a cidade está limpa. E nós pensamos que se os profissionais dão corpo às profissões, são elas-mais-eles, ao mesmo tempo, que dão a nota do valor essencial de cada uma para a sobrevivência da vida em comunidade. Está limpa a cidade. E os encarregados da recolha do lixo são heróis também. Injusto é, pois, não dar por isso, e esconder-lhes o aplauso. Como outros. E mais outros. E outros mais ainda. Todos heróis. No trabalho ou sem ele. Quem guarda os aplausos para os sofredores da pobreza? Quem medalha a angústia? Quem condecora a desesperança de todos os que arriscam do lado de fora da máscara? Na boca do perigo. À espera que a sorte lhes vede a entrada do vírus. E nós olhamos à volta. E vemos como as profissões são, afinal, os seus profissionais e que o estatuto social a que têm direito não pode continuar a depender da limpeza das mãos quando trabalham, mas do valor social do seu trabalho. Sempre. Todos os dias. E não apenas quando é nossa a aflição.

“Vencido o absurdo e retirada a máscara, só uma anima limpa poderá revelar uma cara lavada.” [Sarah Afonso, Coreto, óleo sobre tela (1937)]. © Foto Miguel Veiga.

O vírus vai passar. Tem de passar. A cidade vai continuar limpa. Retiradas as máscaras, ver-se-á como estamos, ver-se-á quem somos. A rua será o exame. Abraçar não é apenas apertar nem, muito menos, matar saudades dos abraços que não se deram. Também é, mas é muito mais. Abraçar terá de significar compromisso, reconhecimento, acção, cooperação, verdadeira solidariedade.

Vencido o absurdo e retirada a máscara, só uma anima limpa poderá revelar uma cara lavada. É isso que esperam os heróis. Todos os heróis.  Será pouco. Mas é o que esperam. Ver nos outros o sorriso que a máscara não matou. E perceberem que esse sorriso foi guardado para eles.

 

Nazaré, Fevereiro de 2021

 

Álvaro Laborinho Lúcio é juiz conselheiro jubilado do Supremo Tribunal de Justiça, foi ministro da Justiça e é autor de várias obras de ficção. O seu último livro é O Beco da Liberdade

 

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This