Precisamos de nos ouvir (37) – Paulo Melo: Memória de meu Pai

| 19 Mar 21

Francisco Melo, arquiteto, © Facebook da Casa da Arquitetura

Francisco Melo, arquiteto: “Partilhava os seus gostos, dava a conhecer, vivia lentamente…” Foto reproduzida da página da Casa da Arquitetura no Facebook.

Entre o primeiro e o segundo confinamento, a 14 de novembro, o meu Pai morreu. Tinha 89 anos, era um arquiteto prematuramente aposentado devido, em parte, à revolução digital. Em tempo de falta, de ausência, muitas recordações sobrevêm. Gratas umas, outras nem tanto. Cresci, aprendi, aceitei e recusei, em relação com ele. Lembro, com gratidão, o gosto que tinha pela leitura, dos jornais diários, de romances policiais e de tantos outros géneros; pela música clássica, levando-nos, desde muito novos, a mim e a meus irmãos, a concertos, ouvindo o Requiem da Guerra de Britten ou os Planetas de Holst, discos cuja chegada lá a casa lembro. E as belas artes à mão em livros, reproduções, idas a museus. Partilhava os seus gostos, dava a conhecer e assim alimentava a fruição estética. Mas há uma maneira de ser do meu Pai, que neste tempo incerto e imprevisto que vivemos me tem acompanhado e sobre a qual tenho meditado. Vivia lentamente, tinha propensão para adiar, o que frequentemente incomodava e lhe era apontado como defeito. Aceitar o que a vida nos traz, sem a querer determinar, viver lentamente. Nunca lhe conheci grandes ambições nem em relação à sua carreira profissional ou património, nem em relação à dos filhos. O meu Pai era assim. Evitava as festas e encontros de sociedade, criava cumplicidades com aqueles, familiares ou amigos, de quem gostava. Cultivava uma indolência que não era necessariamente estéril e que, para mim, foi, neste segundo confinamento, motivo de reflexão e edificação. Num tempo em que a produtividade, a performance, o reconhecimento público são valores socialmente dominantes, reconheço no jeito de viver do meu Pai, com defeitos e manias, um desafio a reavaliar o que realmente conta na vida. Quando limitados ao espaço das nossas casas, a trabalhar via internet, convivendo com os mais próximos, esmagados por circunstâncias que não controlamos com reduzida capacidade de ação, corremos o risco da revolta inconsequente, da amargura, da maledicência, da procura incessante do culpado. Aceitar que foi este o tempo que nos foi dado viver e é nele que tentamos ser testemunhas de Ressurreição com gestos de dádiva e consolo, fazendo, sem demasiadas queixas, o que tem que ser feito e sabendo esperar com serenidade.

Paulo Melo é professor de História

A educação na campanha eleitoral

A educação na campanha eleitoral novidade

Durante os trinta debates nas televisões o tema da educação nunca esteve sobre a mesa. Será porque não é importante? Todos responderão que não, pois a educação é reconhecidamente importante em qualquer sociedade, sobretudo as mais desiguais. Será porque não se debateu nenhuma estratégia para o país? Também não, pois, apesar de pouco, ainda houve aqui e ali tempo para debater a justiça, a economia, a fiscalidade, o emprego e as remunerações.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Lembrar as vítimas do nazismo

Holocausto

Lembrar as vítimas do nazismo novidade

27 de janeiro, a data em que o Exército Vermelho libertou Auschwitz, tornou-se o dia internacional em memória das vítimas do nazismo. Hoje quero lembrar Karl Stojka, e o seu aviso: “Não foi Hitler, nem Göring, nem Goebels, nem Himmler, nem nenhum desses quem me arrastou e espancou. Não. Foi o sapateiro, o vizinho, o leiteiro.”

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida novidade

No contexto da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2022 [entre 18 e 25 de janeiro] prestamos tributo a um homem bom, um fiel seguidor de Cristo e um cristão verdadeiramente ecuménico e aberto ao diálogo inter-religioso. Um cristão também com profundo sentido de humor e de alegria, que é sempre um sinal de uma boa espiritualidade.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This