Precisamos de nos ouvir (1) – Alice Vieira: O que aprendi na pandemia

| 11 Fev 21

Novas teconologias, computador, pessoas, comunicação

“Hoje faço tudo: zooms, vídeo-chamadas, Skype. Ainda estes dias estive quatro horas à conversa com bibliotecários de Penafiel, do Redondo, de Portalegre, e sei lá donde mais.” Foto © Miguel Veiga.

 

Aprendi muito – e continuo a apender – nesta pandemia.

Para já, não andar para aí sempre a queixar-me. Como diz um provérbio chinês que eu cito muito: “Se tem solução, por que é que te queixas? Se não tem solução, por que é que te queixas?”

O que não quer dizer que não me apeteça muito de vez em quando dar um berro – mas isso não é queixar-me, é mesmo ralhar: quando vejo pessoas sem máscara ou com a máscara no queixo, ou quando os vejo sem máscara e em bando. Aí, admito, perco a cabeça.

E eu, que era perfeitamente analfabeta em novas tecnologias, hoje faço tudo: zooms, vídeo-chamadas, Skype. Ainda estes dias estive quatro horas à conversa com bibliotecários de Penafiel, do Redondo, de Portalegre, e sei lá donde mais. E foi óptimo.

Mas para lá destas tecnologias, aprendi coisas bem mais importantes.

Aprendi que precisamos muito uns dos outros. Que uma palavra nossa pode fazer toda a diferença. Tenho uma lista de amigos que estão completamente sozinhos e são velhos, para quem eu ligo uma vez por semana. E estamos ali na conversa, e ao fim eles já se riem e sentem-se melhor, como sempre me dizem. E aos amigos que vivem no estrangeiro escrevo-lhes cartas e postais. Há dias o marido de uma amiga minha holandesa, que estava com lúpus, escreveu-me a dizer que ela tinha morrido e que as minhas cartas eram a única coisa que a animavam nestes últimos tempos.

Telefone, Livros, casa, presépio, comunicação,

…E de Cabo Verde chegou uma prenda em forma de história, por telefone…. Foto © Miguel Veiga.

 

E no primeiro confinamento aconteceu-me uma coisa muito engraçada. Liga-me um senhor, de Cabo Verde, a dizer que uma prima minha de Castelo Branco me tinha mandado uma prenda. Então o que era: ele é contador de histórias e as pessoas dão-lhe um número de telefone para ele ligar para lá e contar uma história. Passei meia hora deliciada a ouvi-lo. E no fim ainda me diz “também sou poeta, mas o meu pai é que era um grande poeta”. Pergunto-lhe o nome do pai: Corsino Fortes. Aí só não lhe caí nos braços porque estávamos ao telefone. O Corsino Fortes, para lá de tudo, tinha sido meu colega de faculdade e gostávamos muito um do outro… Grande dia…

E agora, de vez em quando, faço eu o mesmo: ligo para amigos e conto-lhes uma história ou leio-lhes um poema. Quando posso, também gravo vídeos com textos lidos por mim para lhes mandar.

 

Alice Vieira é escritora

 

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago

Em ano Xacobeo

‘Caminho Minhoto Ribeiro’ reconhecido pelos arcebispos de Braga e Santiago novidade

A cidade de Braga foi palco, nesta sexta-feira, 17, da declaração oficial de reconhecimento do Caminho Minhoto Ribeiro por parte dos arcebispos de Braga e de Santiago de Compostela, depois de esse processo ter decorrido já por parte das autarquias do lado português e galego. Na conferência que decorreu em Braga, cidade que é ponto de partida dos dois itinerários que compõem este Caminho, foi igualmente feita a apresentação da investigação documental que fundamenta este novo percurso, a cargo do professor e historiador galego Cástor Pérez Casal.

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror novidade

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

A votar, a votar!

[Segunda leitura]

A votar, a votar! novidade

“Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro que ouvi isto na passada terça-feira, dia 14 de setembro. Assim mesmo, sem tirar nem pôr, na abertura de um noticiário na rádio: “Começa hoje a campanha eleitoral para as eleições autárquicas de 26 de setembro”. Juro.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This