Precisamos de nos ouvir (11) – Clara Lito: Abraçar a realidade

| 22 Fev 2021

“No bairro onde vamos, um bairro de intervenção prioritária, continuamos a poder ter atividades com as crianças.” Foto © Clara Lito.

 

No que respeita à atual situação sanitária, a verdade é que me sinto uma privilegiada (mesmo se nem sempre o reconheço!): aqui em França as medidas tomadas nos últimos meses, embora restritivas, têm sido razoáveis e eficazes (parece-me a mim que não sou especialista). Isto permite que muita gente (onde me incluo) continue a fazer uma vida mais ou menos “normal” (apesar do recolher obrigatório às 18h, o uso de máscara e o impedimento do acesso à cultura, ao desporto…).

Assim, como a minha missão é a pastoral do nosso colégio, continuo a cruzar-me todos os dias com muitas pessoas; no bairro onde vamos, um bairro de intervenção prioritária, continuamos a poder ter atividades com as crianças. E vivo em comunidade, por isso, quando chego a casa não estou sozinha, como tantos outros… Sim, não estou confinada, não me sinto angustiada… sou uma privilegiada!

No entanto, sei que esta não é a situação da maioria. O que não me deixa descansada, desinstala-me, faz-me perguntar e pôr em causa a esperança que me sinto chamada a levar a outros.

A ir. Clara Lito (à esquerda), numa oração com crianças. Foto: Direitos reservados.

 

Aqui em França, mesmo se não estamos (ainda) confinados, há muitos a sofrer com a pandemia: as pessoas que trabalham na área da cultura, os donos de bares e restaurantes, os estudantes universitários cada vez mais isolados e em situação de precaridade, as pessoas em teletrabalho, também isoladas; os doentes com outras doenças que esperam tratamento; para não falar na quantidade de pessoas desempregadas, sem perspetivas de futuro… Além disso, vivemos tempos de incerteza, de insegurança, sem saber muito bem o que nos reserva o que virá depois desta crise…

Vem-me muitas vezes à cabeça a pergunta: “Quando acabará tudo isto?” Uma pergunta cuja resposta ainda está para vir.

Enquanto espero, o que desejo mais profundamente é passar do desespero à esperança; do sentimento de incerteza à esperança de que, depois da morte há a ressurreição e que, apesar das feridas, a vida continuará a habitar-nos…

Como alimentar este desejo?

Começando por contrariar o “encerramento” em que vivemos e ao qual o confinamento nos vai (mal) habituando e sair de nós mesmos; tirar os olhos dos ecrãs e olhar os que realmente sofrem à nossa volta; não ficar dependente dos encontros “zoom” e sair ao encontro do outro, ligar àqueles que estão mais sozinhos, estar atentos às PESSOAS que nos rodeiam… Deixar a angústia da incerteza do que está para vir e acolher o presente, cada dia, como um dom e estar atentos às surpresas que ele nos reserva.

Este é um tempo de aprender a valorizar o que é realmente importante, de nos perguntarmos o que é essencial na nossa vida; de perceber a importância de gestos tão simples como um abraço ou um sorriso na cara do outro…

Este é um tempo de aprender a abraçar a realidade que nos é dada viver cada dia e de agir para que outro mundo seja possível: mudar comportamentos, perguntarmo-nos como estamos a cuidar da nossa Casa Comum, viver com menos “coisas” e com mais abertura às verdadeiras necessidades do mundo à nossa volta e estar atentos, muito atentos, aos mais pobres, aos que estão a sofrer esta crise a todos os níveis. Que eles sejam a prioridade das nossas decisões, das nossas opções, das nossas ações.

E, finalmente, AGRADECER.  Agradecer a VIDA que nos é dada, agradecer tantas pessoas que trabalham para mudar a realidade, agradecer os médicos, os cientistas, as associações e os gestos de solidariedade que continuam a multiplicar-se e aprender com eles a não ficar de braços cruzados, a não nos habituarmos a esta rotina que nos isola nos nossos ecrãs…

Paris. Foto © Clara Lito.

 

Clara Lito é religiosa da Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus (neste momento a viver em Paris)

 

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This