Precisamos de nos ouvir (8) – Isaac Assor: Manter a esperança

| 18 Fev 21

Máscara, Pandemia, Voluntariado, Solidariedade, Braga, Catarina Soares Barbosa

“Vejo gestos que me encantam. Um cuidado superior com os desprotegidos…” Foto: Voluntários na associação Virar a Página (Braga), a preparar refeições solidárias. © Catarina Soares Barbosa.

 

Estes duros meses, quase um ano, em que vivemos com a pandemia causada pela covid-19, têm-me levado a refletir sobre tantos e tantos assuntos, temas, coisas… Há algo que tenho tanta vontade de dizer e repetir em público: não percam a esperança – iremos vencer e ultrapassar esta crise pandémica!

A saúde e o bem-estar dos nossos entes queridos, como também daqueles mais frágeis, em todos os sentidos e padrões, é uma das minhas profundas e grandes inquietações. E não posso esquecer que o actual presente me conduz à incerteza do futuro no que respeita ao trabalho, gravemente lesado devido à pandemia. Curiosamente, e em simultâneo com um punhado de reticências, nasceram grandes aprendizagens, e refiro-me ao facto irrefutável de que vivemos cada dia com uma maior intensidade interior. Descobri/mos que, afinal, sei/sabemos fazer muito além do que está relacionado com a minha/nossa atividade profissional.

Quando é que este flagelo irá passar e quando poderemos regressar à vida normal? É uma pergunta que coloco várias vezes. Como homem de fé a resposta que encontro para mim e para os meus, tal como a que tenho para todos ao meu redor, é para acreditarmos nos desígnios de Deus Bem Dito e que tenhamos confiança que todos – e acredito mesmo que sejam todos, muito particularmente cientistas, médicos, enfermeiros e pessoal hospitalar – estão a trabalhar de sol-a-sol, incansavelmente, no sentido de parar e travar esta terrível pandemia.

Vejo gestos que me encantam. Que me comovem. Uma forte e intensa solidariedade entre vizinhos. Um cuidado superior com os desprotegidos, conhecidos ou desconhecidos. Infelizmente, os meus olhos também alcançam gestos diferentes, gestos que me revoltam e que traduzem o quanto o Homem ainda precisa de caminhar para ser fraterno. Não posso deixar de mencionar essa gula cega pela vacina de tantos que não constavam na lista de prioridade e passaram à frente numa atitude de puro egoísmo.

A pandemia lembra-nos a nossa insignificância diante do universo, ensina-nos que devemos cuidar mais e mais dos que estão na idade de ouro e daqueles que não possuem família. Trouxe-nos, este vírus, não só o medo permanente da morte, como também a solidão iminente, de estarmos mais connosco do que antes.

Creio que devemos mudar, em cada um de nós e na nossa vida colectiva, o egocentrismo e a urgência de apenas pensar no nosso umbigo. A nossa vida tem tanta importância como a vida dos outros e sem a vida dos outros a nossa vida fica mais frágil.

Atrás de uma tragédia sanitária vem sempre uma crise social e económica. É uma verdade indubitável. Parece-me importante prestar atenção, muita atenção, aos sectores que têm sido mais castigados de entre os quais relevo, por exemplo, o turismo e a restauração. E arranjar soluções para que não se deixe afundar dois setores que são de imensa relevância para um país que se quer ligado ao mundo.

 

Isaac Assor é oficiante dos serviços religiosos na Sinagoga Shaaré Tikva (Portas da Esperança), em Lisboa

 

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This