Precisamos de nos ouvir (13) – Teresa Vasconcelos: Ponto Pé de Flor e confinamento

| 23 Fev 21

Bordados, Flor, Teresa Vasconcelos

“Fazer ponto pé de flor relaxa-me, insere as minhas mãos num movimento rítmico, libertando o meu pensamento para outras coisas.” Foto © Teresa Vasconcelos

 

Bordar a ponto pé de flor é uma atividade muito repousante, pelo menos para mim. Sempre um ponto maior à frente e um ponto menor atrás, traçando linhas e curvas que trazem ritmo e consistência ao bordado. Tenho feito muito ponto pé de flor ao longo de um confinamento que dura há quase um ano. Fazer ponto pé de flor relaxa-me, insere as minhas mãos num movimento rítmico, libertando o meu pensamento para outras coisas, incluindo para uma oração mais concentrada. O ponto pé de flor é como a respiração que aprendi no yoga e que se destina a purificar o corpo e a libertar a mente. Uma expiração mais longa, uma inspiração mais curta. Sinto também que estou a criar beleza e a conversar com Deus através dessa beleza. Vou-me “bordando” em ação de graças apesar da destruição causada pela covid-19.

Ao fazer ponto pé de flor também me vou unindo às dores da humanidade em ferida, aos velhinhos que nos morrem nas mãos, a tantos que infringem as regras do confinamento esquecendo a nossa profunda interdependência e arriscando pôr em risco a saúde dos outros. Ao bordar envio energias de coragem para os que estão “na linha da frente”, desejando que persistam na sua postura ética e generosidade sem limites. Que grande exemplo nos estão a dar! Penso também nos familiares e amigos/as doentes na certeza de que Deus não quer o sofrimento, mas nos ajuda, sim, a ter força e fé mesmo quando sofremos.

Queria abordar então os dois movimentos no meu confinamento que se prendem com o bordado, mas também com a minha respiração. Uma inspiração menos longa, deixando que o ar renovado encha os meus pulmões, ao jeito do ponto mais amplo do bordado. Foi assim, logo a seguir à decisão governamental do primeiro confinamento: a experiência de um vazio regenerador, de solidão fecunda, quebrada apenas por uma breve saída para apanhar ar fresco no jardim público ao lado de casa e comprar os víveres essenciais para me alimentar.

Bordados, Flor, Teresa Vasconcelos

“Prevaleceu um movimento para o interior, um renovar espiritual.” Foto © Teresa Vasconcelos

 

Rezei muito, como disse acima; li muito, escrevi muito, ouvi boa música, estive em alguns concertos online e fui comunicando com as pessoas através das redes sociais. Mas o que prevaleceu foi um movimento para o interior, uma espécie de retiro de Quaresma e de Páscoa, um renovar espiritual enquanto ia ouvindo as notícias avassaladoras e repetidas à exaustão, muitas vezes alarmando desnecessariamente as pessoas e criando inúteis bolsas de inquietação e de medo.

Aí comecei a fazer ponto pé de flor e inundei amigos e familiares no Natal com breves e simples panos de tabuleiro, combinando tonalidades e linhas retas. Deparei-me com pessoas próximas a viverem obcecadas com os perigos do contacto com os outros, fechando-se em si mesmas numa doentia tática de sobrevivência. Já não suportava as mensagens cheias de “dicas” e sentenças sobre como proteger a própria saúde. Limitei-me a cumprir as recomendações da Direção-Geral de Saúde e mandava as outras mensagens diretamente para o caixote do lixo do meu computador ou do telemóvel. Ficava-me pelas que traziam beleza, alegria e sentido ao meu confinamento. Nesta fase perdi uma pessoa de família muito jovem que partiu de forma violenta e inesperada, o que deixou a minha família devastada e numa fragilidade imensa.

Uma expiração mais longa e um ponto mais curto simbolizam a segunda fase do meu confinamento. Estive a cuidar, num movimento para o exterior: acolhi dois familiares na minha casa, um sobrinho e o seu filho adolescente. A família tinha recentemente comprado a casa e foi forçada a fazer obras profundas as “meninas” ficaram nos sogros do meu sobrinho, os homens ficaram comigo.

Bordados, Flor, Teresa Vasconcelos

“Tornei-me uma hospedeira de uma paciência que não esperava.” Foto © Teresa Vasconcelos

 

Acolhi-os como diz S. Paulo aos Efésios (13.2): “Não vos esqueçais de praticar a hospitalidade; pois agindo assim, mesmo sem perceber, alguns acolheram anjos”: os meus “dois anjos” inesperados, os “refugiados” que me pediram abrigo, os “desarrumados” que viraram toda a minha vida do avesso. De pensar no sacrifício e simples solidariedade familiar, tornei-me uma “hospedeira” de uma qualidade e paciência que não esperava, habituada como estou a viver ao meu próprio ritmo e no meu espaço físico e espiritual.

Vi toda a minha casa devassada – são muito desarrumados e não pensam nesses detalhes quotidianos –, tive de cozinhar duas refeições por dia para duas pessoas sistematicamente esfomeadas (e de tratar das correspondentes compras no supermercado), pois um trabalhava e outro tinha aulas. Tive menos tempo para ler ou escrever, ou mesmo gozar o meu abençoado e geralmente produtivo sossego. Tudo teve de ser negociado com infinita paciência e a firmeza necessária para garantir colaboração nas tarefas domésticas. Mas vi a casa tomada por conversas inteligentes, por gestos delicados e reconhecidos, e muitas, muitas gargalhadas. Cultivei amplamente o meu sentido de humor e aprendi a estabelecer prioridades – nomeadamente com o jovem adolescente de 16 anos preguiçosos e metidos consigo, eivados de alguma impaciência face às exigências de uma tia-avó como eu. Partiram no dia em que escrevo esta crónica, impacientes por se apropriar da casa nova, despedindo-se e dizendo que foram felizes comigo. Experimento uma sensação de alívio e simultaneamente de vazio – afinal habitaram os meus dias ao longo de quase sete meses e encorajaram a uma desinstalação, mas já tenho saudades da sua presença bem invasiva.

Bordados, Flor, Teresa Vasconcelos

“Neste segundo movimento a oração foi escolha teimosa, insistida…” Foto © Teresa Vasconcelos

 

Entretanto, de panos de tabuleiro passei a bordar uma toalha, a partir de um lençol usado: as flores vão-se multiplicando em mandalas, ouso maior criatividade e confiança nos meus dotes… Cá fora assistimos ao prolongado momento da saída de Trump da Casa Branca e ao ponto maior do acolhimento de Joe Biden. Assisti preocupada à ascensão do Chega e à emergência de um certo país fragmentado, ferido e desconfiadamente intolerante e egoísta. A boa notícia de as vacinas estarem finalmente a ser aplicadas na nossa população é ensombrada pela constatação de que o perigo e desafio comum que estamos a viver não erradicou o chico-espertismo, a pequena corrupção que corrói e mata, a necessidade de satisfação imediata atropelando os outros.

Se a oração emergiu espontaneamente na primeira fase do confinamento, neste segundo movimento a oração foi escolha teimosa, insistida, repetida, mesmo que só conseguisse balbuciar um Pai Nosso antes de fechar os olhos e dormir. Mas continuei a dar graças a Deus pelo que tenho, pelos gestos solidários e belos de quem vê nesta crise uma possibilidade de maior humanização e crescimento ético e espiritual, pela esperança de que venham dias melhores, mas, sobretudo, no desejo de que esta crise nos converta por dentro e por fora – que seja uma real metanoia: que nos vinculemos ao essencial, que encontremos a alegria das pequenas coisas, que inventemos novos pontos para muitos bordados – convictos de que a beleza e a arte salvam, que a frugalidade se pode tornar uma forma solidária de ter qualidade de vida, que a criação em perigo por causa da nossa cegueira pode encher os nossos corações de generosidade criativa e de amplitude solidária, na certeza de que Deus está presente no horizonte de todas as coisas, especialmente no Bem, na Justiça e no Belo. Que, confinados, confiemos, ainda que não possamos ver. Confiemos na fraternidade e na “amizade social”, ao jeito do Papa Francisco.

 

Teresa Vasconcelos é professora do ensino superior e participante do Movimento do Graal; contacto: t.m.vasconcelos49@gmail.com.

 

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade novidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos

Editorial

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos novidade

Hoje, todos os leitores receberão um inquérito organizado pelo 7MARGENS como forma de auscultação de quem nos tem acompanhado nesta aventura editorial que iniciámos há dias, relacionada com o Sínodo dos Bispos que se inicia no próximo dia 9 de outubro. É a primeira vez que tomamos uma iniciativa deste género.

EUA deportam haitianos para um “país colapsado”

Ponte aérea "inumana"

EUA deportam haitianos para um “país colapsado”

Há 13 mil pessoas debaixo da ponte que liga Del Rio, no Texas (EUA), a Ciudad Acuña, no México, para tentar atravessar deste país para os EUA. Desde domingo, um ritmo de sete aviões por dia começaram a levar essas pessoas de volta ao seu país. No principal aeroporto do Haiti, muitos deportados tentaram voltar para o avião. 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This